Pular para o conteúdo principal

Cinco poemas e três passagens de César Gilcevi no livro Os ratos roeram o azul

César Gilcevi (foto: Fernando Prates)


Infância IX
(o livro dos mortos)
César Gilcevi

reginaldo tomou formicida roberto tiro da polícia
ronaldo gauche endividado no amor & no baralho
rubens o morto virgem  sob os aguapés da pampulha
rosa cardíaca neusa infartada
euclides caduco gérson chagas
renato cabeça a prêmio por pedra penhorada

márcia sob as rodas do carro mirileide foi violada
lucas era bom no ringue mas punho não para bala
alice estava no lugar errado flávia na fila do sus
vinha eclipsou o ventre chico não teve escolha
preto chacinou o natal & se foi com o berro na boca

no início era o verbo
morrer


--------


Infância VIII
(o hóspede)
César Gilcevi

& de repente
nos demos conta
daquele hóspede ao pé da escada
gordo & inconfessável
como um crime antigo

ninguém (talvez os mortos que tudo veem)
o havia notado antes: a calva farta
aquele estranho broquel pendendo na lapela
traz os lábios paralisados num sorriso indecifrável
séculos curvam seus ombros mas caminha leve & resoluto
seu perfume cheira a bíblia velha
& tem os bolsos atulhados de perguntas
que ele distraído deixa cair pela casa

agora que nos conhecemos
não faz mais questão do velho recurso da invisibilidade
usado durante esses anos todos
diz que é cansativo
& lhe causa dores terríveis na têmpora esquerda

à vista de todos
se ergue intratável a cada amanhecer

alguns se tornaram íntimos (a avó caduca
passa o dia pedindo que a leve pra longe desses filhos
& netos ingratos)
outros fingem não vê-lo

é brincante com as estátuas
& as mulheres o perseguem desesperadas
ofertando pincéis & alguma nova & milagrosa química

à noite os cachorros ganem baixinho
dentro de sua branca insônia
somente os gatos o seguem bocejosos
os pássaros & as borboletas fogem
com um medo azul nas asas

pontualmente às três da madrugada
ele irradia um tropel enganoso no sótão

fato é que ele não mais vai embora
está sempre atrás de uma porta
arruinando a teia de uma aranha
aprisionando uma sombra no gramado
consolando a tinta gasta das paredes

às vezes sinto um arrepio no corredor
às vezes o vejo no fundo do quintal retendo a noite
negra & absurda do lado de fora
em outras o percebo
sussurrando desconhecidas mitologias
para o recém-nascido

diariamente um prato fica intocado na mesa
às vezes deixa alheios bilhetes suicidas em cima da cômoda
ou deposita um sonho bom em minhas retinas

às vezes pluma às vezes hipopótamo
sei-o aqui rente
ontem hoje amanhã sempre


--------


Cidade industrial
César Gilcevi

aqui as crianças já nascem
desmemoriadas do azul


--------


Infância VII
(little boy blue)
César Gilcevi

magrelo fodido
faminto fadado
poeta (na genealogia
só bandido pataxó pinguço
preto & pereba)

ao sair de casa
ao caminhar pelas ruas
ao entrar na escola
ao voltar pra casa
sob o céu
me guardam
o salmo 23

& o pequeno punhal (herança
do primo fugado assassino) escondido
na grácil cintura
dos meus 12 anos
envoltos em ódio roto tergal
& esperança


--------


Infância III
(sangue ruim)
César Gilcevi

I. clã dos silva

da parte do pai vinham os de pele escura & parda
índios pegos no laço ladrões d'além mar capitães do mato
idólatras do cobre da preguiça & das armas
malvivendo amontoados naquela casa pau a pique senzala
partiam para o leste sob a tutela da noche oscura
levavam na matula a bússola a meiota de cachaça
carcaças de pequenos animais
sapienciais pergaminhos: eis que vou agora dormir no pó
se me procurares pela manhã já não existirei

II. clã dos souza

os irmãos da mãe na fronte acuada traziam sardas
lixo branco escorraçado das terras de lund
lazarones no monturo do morro das pedras
ralé de pés rachados sonâmbulos na encruzilhada
malvivendo amontoados naquela casa adobe senzala
pico & cola arranhando as grades da alma
falavam uma gíria bárbara & cheia de fúria
:o terceiro mundo vai explodir quem tiver de sapato não sobra


--------


"nu pagão violento
dançarei pela cidade em desforra
convulsionando os oráculos os desígnios os elementos
cuspindo de volta o abismo
para dentro do homem"


"aparece nas noites mais improváveis
geralmente quando já estou bêbado ou louco ou triste ou
quando o asfalto o tédio o futuro empoeirado além-eras
já aleijaram meus passos hesitantes rumo ao quarto sublocado ou
já dilapidaram o que restava daquele mundo que um dia vi
em nós & que talvez se tornasse puro ou
quando já bati uma longa punheta pensando nela ou outra qualquer"


"era a época em que a lua parecia não nascer
& ela não me deixava dormir
descrevendo o bestiário imemorial à espreita
na escuridão
ouvia retinir cascos carrancas caudas bilioso
algodão represando as narinas do semovente cadáver
há muitos anos velado na sala

(...)

um dia ela trouxe campânulas agraços o vagido
do primeiro arco-íris
acorrentou tudo ao meu coração
disse que agora tudo ia ficar bem
que tinha ido ao rio da minha infância
& atirado nele meus mortos meu fundante
cansaço minha treva & aço"




Presentes no livro de poemas Os ratos roeram o azul (Letramento, 2016) - os trechos são de Neguinha, About a girl e Diana 35.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…