Pular para o conteúdo principal

Cinco poemas e três passagens de Otto Leopoldo Winck no livro Cosmogonias

Otto Leopoldo Winck - Foto daqui

Memorabilia
Otto Leopoldo Winck

Olhar o rio e compreender que o tempo
é um rio que flui e não retorna, e, se retorna,
será, num tempo outro, um outro rio.
Olhar o rio e compreender também
que, se as suas águas as nossas mágoas
levam, é nesse rio, além da foz,
além do mar, além da noite extrema,
que as nossas lágrimas se transfiguram,
iluminadas não das mágoas mortas,
que destas já não há nenhum remédio,
mas daquelas que ainda surgirão,
pois se há fluir, se há correr, se há viver,
sempre haverá sofrer, e pena, e mágoa.

Olhar o rio e compreender que o tempo
é o rio sem fim em que nos batizamos,
irremediavelmente naufragados,
todo dia, toda hora, a todo instante.
Olhar o rio e aceitar que não podemos
nos agarrar aos ramos e às raízes
da encosta — e que os barrancos nem sequer
a fantasia da estabilidade
nos podem, despencando, transmitir.

Olhar o rio e compreender enfim
que, se a sina de todo rio é o mar,
o fim de toda gente é navegar,
ai, sem cartas, sem ferros, sem correntes,
em direção do insofismável mar,
na imensa noite que da noite outra
cai, silente, solene, generosa.

Olhar o rio e, mais que compreender,
reconhecer que o fim, no fim de tudo,
é se deixar levar por essas águas,
sem reservas, sem medos, sem paixões,
até que, num rio outro, além da noite última,
possamos vir à tona, como arcanjos,
nas águas límpidas do não-ser.

--------

Corpo santo
Otto Leopoldo Winck

Exausto das lides do amor,
lavo teus olhos
em que ficaram impressas
as imagens do dilúvio que nos afogou
e cujas pestanas se fecharam sobre o meu corpo torturado.
Escaldo teus pés
que conheceram as errâncias de muitos caminhos
e calcaram a cabeça da serpente numa tarde de maio.
Banho o teu dorso
dócil às minhas mãos maduras
e acostumadas aos trabalhos nas galés.
Com a água das primeiras chuvas do outono,
enxáguo teus lábios
que proferiram blasfêmias de intrépido encanto.
E finalmente banho o teu púbis,
escuro como a noite primeira,
e, dentro dele,
o fabuloso sol
que me incendiou.

--------

Flores votivas
Otto Leopoldo Winck

Eu
não tenho
medo da morte.
Eu tenho medo quando uma coisa cai
e quebra
como porcelana,

seja uma velha amizade,
um novo amor
ou o sentido — fortuito — dos orbes.

Aí vem o vazio,
pior que a morte,
que não cola mais os cacos espalhados no chão.

Eu
não tenho
medo da morte.
Eu tenho medo da ode
inconclusa, da carta interrompida,
do beijo suspenso,
seja este poema — que em si nunca estará completo —
seja a vida, esta obra sempre aberta...

Por que o medo então,
se tudo é acidental
e acidentado? Por que não assumir de vez
que este medo — que me paralisa no trabalho, na fila do banco,
                                                                                          [no amor —
não é, no fundo, no fundo, o medo da própria morte?

Talvez seja
para não dar o braço a torcer
a esta velha desmancha-prazeres
que corta os brotos
antes das flores, ou, quando não,
colhe as flores antes dos frutos
— e as oferece ao Nada.

--------

Instante
Otto Leopoldo Winck

Tudo o que sou,
e tenho, e quero
um dia nada será
— como a poeira, carregada de pólen,
que o vento leva
neste prenúncio
de primavera.

Tudo o que sou:
este corpo, esta mão, estes dedos
que empunham esta caneta
como uma arma,
uma bandeira.

Tudo o que tenho:
livros, memórias, dilemas.

Tudo o que quero:
o azul deste céu de setembro,
o esplendor do vento
na concha dos teus ouvidos.

Tudo isto
em breve
nada será.

Como antes,
quando o nada era.

No entanto, agora,
enquanto engulo xícaras de café,
e preparo a aula desta noite,
o que conta é este poema
que irrompeu
inopinado
como a eternidade
nos olhos de um condenado.

--------

Sacramento
Otto Leopoldo Winck

Teu corpo é belo
não porque seja perfeito
segundo a régua
de olhar alheio.

Teu corpo é belo
(ainda que frágil)
porque é o lugar
da manifestação de tua presença
— única e irrepetível —
no tempo e no espaço.

Ora, o tempo
escorre
e o espaço
se transforma
sempre. Mas a graça
que se mostra em ti
a cada instante
se renova
em novíssimas formas.

Por isso,
cada veio
que se abre,
cada veia
que se mostra
nada mais são
do que sinais
(ainda que frágeis)
de um deus que se revela
para além das aparências.

--------

“Vivo
no limite
do abismo.

Não sei se pulo
ou rio
do risco.

(...)

Se eu carrego um deus dentro de mim
para que diabos
eu quero um templo?

(...)

Se eu abro a porta,
eu tenho o sol
e o infinito.

(A fé, amigo,
é irmã do desespero.)”


“cada palavra
é uma arma
branca

calada
vira mágoa

falada
vira chaga

nos dois casos
ela sangra”


“Ser poeta
é esquecer as palavras
na ponta da língua
e achá-las depois
no bolso
ou num velho banco
de um jardim de inverno
quando já não tem mais ninguém pra te ouvir
e só te restou
escrever
este poema.”




Presentes no livro de poemas Cosmogonias (Kotter Editorial, 2018), páginas 40, 67, 50, 58 e 77, respectivamente, além dos trechos dos poemas Theophorus – I (p. 14), Sangramentos (p. 79) e Ser poeta – I (p. 65), presentes na mesma obra.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Pílulas: Provérbios, de Mãe Stella de Oxóssi

Mãe Stella de Oxóssi (foto: Iraildes Mascarenhas - interferida por Mirdad)

"Criar desculpas para os próprios atos é a melhor maneira de permanecer no erro"


"Quem está vinculado ao sagrado, não deve mentir em seu nome"


"Fé não se impõe"


"Quem desdenha dos defeitos alheios está exibindo os seus"


"Às vezes se precisa perder pouco, para não perder tudo"


"O caminho espiritual pode ser comunitário, porém é sempre solitário"


Provérbios Mãe Stella de Oxóssi (2007)

"O que o destino disser que é, ninguém terá força para dizer que não é"


"Saber morrer faz parte do saber viver"


"Não é sábio aquele que se acha sabido"


"A presença do 'se' mostra a impossibilidade de realização dos desejos"


O provérbio diz: "Não há Orixá como o estômago, pois recebe sacrifícios diariamente". Mãe Stella de Oxóssi interpreta: "O estômago é como uma divindade, precisa ser respeitado e cuidado"