Pular para o conteúdo principal

Surforeggae Sound System Brazil lança o álbum Fluid, da Orange Roots, na sexta 27/09


Quando a fluidez e o experimentalismo da psicodelia se encontram com o groove e a transcendência do reggae, e as diversas sensações e ambiências da poética canção progressiva se fundem à ancestralidade e cores do som do coração, eis que surge o som psychedelic roots progressive reggae do Orange Roots.

Nessa sexta 27/09, o selo Surforeggae Sound System Brazil lança Fluid (2019), o álbum de estreia do Orange Roots, em todas as plataformas.


Orange Roots é um grupo de reggae contemporâneo progressivo. Ao fundir a psicodelia com o reggae transcendental, honra a sua ancestralidade musical, toca o coração e define a atmosfera.

A voz e a imagem dessa fusão entre o moderno e o ancestral é do cantor rasta Jahgun, radicado em L.A., EUA. O seu timbre suave, harmônico e melodioso, as suas influências e experiências de projetos anteriores casaram perfeitamente com a ideia do projeto que não se restringe à música. Todo o visual do Orange Roots é uma concepção estética baseada no afrofuturismo e na psicodelia, uma criação artística do fotógrafo e artista visual Max Fonseca, um pesquisador da cultura de matrizes africanas.


Orange Roots finalizou a produção do Fluid, um álbum com nove faixas, gravado em Salvador, Bahia, Brasil. Participaram dele, talentosos músicos dos gêneros do afrobeat, reggae, rock, jazz e funk, como Tadeu Mascarenhas (teclas), Fabrício Mota (baixo) e Iuri Carvalho (bateria). A produção é de Emmanuel Mirdad, compositor das músicas e diretor musical e artístico do grupo, e Átila Santtana (guitarras), produtor e arranjador especializado em reggae.

Fluid está sendo lançado pelo selo Surforeggae Sound System Brazil, que distribui álbuns de artistas de renome internacional como Groundation e Israel Vibration, além de parcerias com a VP Records no Brasil que engloba clássicos de outros gigantes da música jamaicana como Gregory Isaacs, Dennis Brown e Black Uhuru.

Orange Roots não tem fronteiras, é um grupo que busca através do audiovisual fluir pelas mentes das pessoas de diversas idades, etnias e gostos musicais na contemplação do seu reggae progressivo e psicodélico.

Fotos: Karim Saafir


Contato: theorangeroots@gmail.com


Ficha técnica
Orange Roots
Fluid (Surforeggae Sound System Brazil, 2019)

Jahgun – voz & backing vocal
Átila Santtana – guitarras, violão, guitarra reverso & hammond
Tadeu Mascarenhas – piano, oberheim, sanfona, rhodes, clavinet, sintetizador, escaleta & arbon
Iuri Carvalho – bateria
Fabrício Mota – baixo

Participações:
Emmanuel Mirdad – violão (fx.04-09) e guitarra reverso (fx.03-09)
Matias Traut – trombone (fx.03)
Nancy Viégas – backing vocal (fx.06)

Produzido por Emmanuel Mirdad & Átila Santtana

Composto por Emmanuel Mirdad

Faixas:
01. My Heart is an Actor
02. My Impossible Wife
03. Warmth of an Iceberg
04. A Reflex, A Nightmare
05. Small & Dangerous
06. Deep
07. Flowers to the Sun
08. Doll Kid
09. Someday I’ll Escape

Gravação:
Tadeu Mascarenhas no Estúdio Casa das Máquinas e Átila Santtana no seu home studio, ambos em Salvador, Bahia, Brasil.

Mixagem e masterização: 
Tadeu Mascarenhas no Estúdio Casa das Máquinas.

Arte:
Max Fonseca

Foto:
Karim Saafir
-----------


When the fluidity and experimentalism of psychedelia matches with the groove and transcendency that comes from reggae, and the several sensations and ambiences of the poetic progressive song blends to ancestry and colours from the heartbeat, lo and behold arises the psychedelic roots progressive reggae sound from Orange Roots.

Orange Roots is a progressive contemporary reggae group. Fusing the psychedelia with transcendent reggae, Orange Roots honors its musical ancestry, touches the heart and sets the atmosphere.

The voice and image from this fusion between the modern and ancestral belongs to rasta singer Jahgun, settled in L.A., USA. His smooth, harmonic and melodious tone along with influences and experience from previous projects matched perfectly with the project’s idea that is not restricted to music. The visual side of Orange Roots is an aesthetic concept based in afrofuturism and psychedelia; an artistic creation from the photographer and artist Max Fonseca, a researcher of African culture.


Orange Roots has just finished the production of Fluid, an album with nine tracks recorded in Salvador, Bahia, Brazil. Talented musicians in the genres of afrobeat, reggae, rock, jazz and funk such as Tadeu Mascarenhas (keys), Fabrício Mota (bass) and Iuri Carvalho (drums) helped with the creation of the project. The album was produced by Emmanuel Mirdad, songwriter, musical and artistic director of the group and Átila Santtana (guitars), producer and arranger specialized in reggae.

Fluid is being released by Surforeggae Sound System Brazil, a label that distributes albums from international renowned artists like Groundation and Israel Vibration, with further partnerships with VP Records in Brazil, releasing classics from other giants from Jamaican music, such as Gregory Isaacs, Dennis Brown and Black Uhuru.

There are no boundaries for Orange Roots. It’s a group that aims to make their audiovisual work flow through the people’s minds, no matter the age, ethnicity or musical tastes, contemplating its progressive and psychedelic reggae.

Photos: Karim Saafir

Artwork: Max Fonseca

Contact: theorangeroots@gmail.com


Orange Roots
Fluid
(Surforeggae Sound System Brazil, 2019)

Jahgun – voice & backing vocal
Átila Santtana – guitar, acoustic guitar, reverse guitar & hammond
Tadeu Mascarenhas – piano, oberheim, accordion, rhodes, clavinet, synth, melodica & arbon
Iuri Carvalho – drums
Fabrício Mota – bass

Feat.:
Emmanuel Mirdad – acoustic guitar (tr.04-09) & reverse guitar (tr.03-09)
Matias Traut – trombone (tr.03)
Nancy Viégas – backing vocal (tr.06)

Produced by Emmanuel Mirdad & Átila Santtana

Composed by Emmanuel Mirdad

Tracks:

01. My Heart is an Actor
(BR-N1I-15-00001)

02. My Impossible Wife
(BR-N1I-16-00001)

03. Warmth of an Iceberg
(BR-N1I-15-00002)

04. A Reflex, A Nightmare
(BR-N1I-16-00002)

05. Small & Dangerous
(BR-N1I-16-00003)

06. Deep
(BR-N1I-16-00004)

07. Flowers to the Sun
(BR-N1I-15-00003)

08. Doll Kid
(BR-N1I-15-00005)

09. Someday I’ll Escape
(BR-N1I-15-00004)

Recording:
Tadeu Mascarenhas at Casa das Máquinas & Átila Santtana at your home studio, Salvador, Bahia, Brazil.

Mixing and mastering: 
Tadeu Mascarenhas at Casa das Máquinas.

Artwork:
Max Fonseca

Photo:
Karim Saafir


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Seleta: Lisa Hannigan

Lisa Hannigan (foto daqui ) Conheci a cantora e compositora irlandesa Lisa Hannigan graças ao emocionante filme “ Maudie ” (2016), da diretora irlandesa Aisling Walsh (baseado na história da artista canadense Maud Lewis ). A música dos créditos finais é “ Little Bird ”, e a suavidade, timbre, afinação e interpretação tátil da bela voz de Lisa Hannigan me fisgou na hora! Contemplei três dos seus álbuns, “ At Swim ” (2016), “ Passenger ” (2011) e “ Sea Sew ” (2008), e fiz uma seleta com 20 canções que mais gostei. Confira o belo trabalho da irlandesa Lisa Hannigan ! Ouça no YouTube  aqui Ouça no Spotify aqui 1) Tender [At Swim, 2016] 2) Funeral Suit  [At Swim, 2016] 3) Home [Passenger, 2011] 4) Little Bird [Passenger, 2011] 5) Paper House [Passenger, 2011] 6) An Ocean and a Rock [Sea Sew, 2008] 7) Prayer for the Dying [At Swim, 2016] 8) Nowhere to Go [Passenger, 2011] 9) Anahorish [At Swim, 2016] 10) We, the Drowned [At Swim, 2016] 11) Splishy Splashy [Sea Sew, 2008] 12) T

Leituras 2020

Os 10 livros lidos em 2020 Li 10 livros em 2020 , com destaque para a poesia, e selecionei trechos das obras de Alex Simões , Lúcio Autran , Wesley Correia , Mariana Botelho , Nina Rizzi , Érica Azevedo , Ana Valéria Fink e Cyro de Mattos , e trechos dos romances de Franklin Carvalho e Victor Mascarenhas . Além dos livros, elaborei uma seleção de poemas de Zecalu [publicados nas redes sociais em 2019], outra seleta de trechos de crônicas de Santiago Fontoura [publicadas no Facebook], e uma seleção de poemas de Martha Galrão . Por fim, reli a autobiografia de Rita Lee e divulguei trechos também. Boa leitura! “Contrassonetos catados & via vândala” (Mondrongo, 2015) Alex Simões Leia trechos  aqui “soda cáustica soda” (Patuá, 2019) Lúcio Autran Leia trechos  aqui “laboratório de incertezas” (Malê, 2020) Wesley Correia Leia trechos  aqui “o silêncio tange o sino” (Ateliê Editorial, 2010) Mariana Botelho Leia trechos  aqui   “A ordem interior do mundo” (7Letras, 2020) Franklin Carv

Seleta: Edson Gomes

Os discos e as músicas do cantor e compositor Edson Gomes são os meus prediletos e as que eu mais gosto dentre tudo que é feito de reggae no Brasil. No meado dos anos 1990, eu só ouvia Bob Marley & The Wailers o tempo inteiro, e foi o ilustre mestre cachoeirano quem despertou o meu interesse para outros sons além do gigante jamaicano. Fiquei fã de Edson Gomes antes de conhecer Burning Spear , Peter Tosh , Alpha Blondy , Gregory Isaacs e muitos outros. Foram os clássicos dele, e são muitos, muita música boa, arranjos excelentes, o sonzaço da banda Cão de Raça (adoro a timbragem e improvisos do guitarrista Tony Oliveira ), que me apresentaram a magia do Recôncavo Baiano , de Cachoeira , muitos anos antes da Flica . Na Seleta de hoje, as 42 músicas que mais gosto, gravadas por Edson Gomes & Banda Cão de Raça , presentes em seis álbuns : “ Resgate Fatal ” (1995), “ Campo de Batalha ” (1992), “ Recôncavo ” (1990), “ Apocalipse ” (1997), “ Reggae Resistência ” (1988) e “ Acor