Pular para o conteúdo principal

Composições de Emmanuel Mirdad: My Impossible Wife


Roots reggae com clima smooth, para namorar ou dançar juntinho “inna Maranhão style”, riff jazzy e harmonias distintas do progressivo. Destaque para a cristalina e dengosa interpretação do cantor Jahgun, as teclas de Tadeu Mascarenhas (rhodes e órgão) e o one drop de Iuri Carvalho. A letra versa sobre um estupefato ser que admira uma belíssima mulher que passou e assume ser impossível possuí-la.

Ouça no YouTube aqui

Ouça no Spotify aqui

Demais plataformas:


My Impossible Wife
(Emmanuel Mirdad)
BR-N1I-16-00001

I run through the mirrors searching for a piece of you
That I can break and assemble in a shape that I desire
If I steal from you in secret your love that I don’t feel
At least once your scorn will not be my failure

The chat that my mind uses to betray me
It’s a crooked philosophy of the strange man that I am
Recognizing disturbances, someone made me alive

And this one rediscovered that
To her flesh continues to harden me
It's necessary what was already right
When I didn’t break the foolishness’ end

I left you on me in many scenes
I eat you with silence, your hot skin and cold blood
From the puppets that I command when I create the world that I own
That ain’t alive, nightmares that breathe

I don’t know...
I swear that today, in front of your woman’s mind
I will be an idiot if I assemble you alone and hidden
Instead of recognizing my lack of control over you

Stunning woman who passed and left me to drool
For something that will never be mine


Faixa 02 – Orange Roots – Fluid (2019) | Composta por Emmanuel Mirdad | Produzida por Emmanuel Mirdad & Átila Santtana | Jahgun – voz | Átila Santtana – guitarra | Iuri Carvalho – bateria | Fabrício Mota – baixo | Tadeu Mascarenhas – oberheim & piano rhodes | Gravado, mixado e masterizado por Tadeu Mascarenhas no Estúdio Casa das Máquinas, Salvador, Bahia, Brasil | Arte: Max Fonseca | Foto: Karim Saafir



Composta por Emmanuel Mirdad em 20/02/2004.

Melodia + riff de 26 e 28/12/2002, letra de 12/01/2003 (em português) e out-dez/2003 (em inglês).

Curiosidades:

– “My Impossible Wife” foi composta (finalizada, na verdade, ao juntar a melodia+riff de 2002 com a letra de 2003) numa sexta-feira de Carnaval, após a composição de “Small & Dangerous”.

– “My Impossible Wife” fez parte de repertórios “lado B” da The Orange Poem (2000-2007), mas nunca foi tocada pela banda. No dia 12/07/2006, acompanhada por “Someday I’ll Escape”, “Flowers to the Sun”, “Small & Dangerous”, “A Reflex, A Nightmare” e “Deep”, migrou para o repertório Sad Child.

– “My Impossible Wife” fez parte do repertório do grupo folk Sad Child em 2006 (sem shows, só ensaios), e foi registrada numa demo, que não foi divulgada. Glauber Guimarães cantava a primeira parte; Rodrigo “John” Pinheiro, a segunda; Emmanuel Mirdad, a terceira.

– “A Esposa Impossível” é uma versão de “My Impossible Wife” para piano solo, composta em 2008. Ouça aqui



Ouça o álbum Fluid

YouTube aqui

Spotify aqui

Todas as plataformas aqui


Siga Orange Roots

Facebook aqui

Instagram aqui

Site aqui

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Seleta: Lisa Hannigan

Lisa Hannigan (foto daqui ) Conheci a cantora e compositora irlandesa Lisa Hannigan graças ao emocionante filme “ Maudie ” (2016), da diretora irlandesa Aisling Walsh (baseado na história da artista canadense Maud Lewis ). A música dos créditos finais é “ Little Bird ”, e a suavidade, timbre, afinação e interpretação tátil da bela voz de Lisa Hannigan me fisgou na hora! Contemplei três dos seus álbuns, “ At Swim ” (2016), “ Passenger ” (2011) e “ Sea Sew ” (2008), e fiz uma seleta com 20 canções que mais gostei. Confira o belo trabalho da irlandesa Lisa Hannigan ! Ouça no YouTube  aqui Ouça no Spotify aqui 1) Tender [At Swim, 2016] 2) Funeral Suit  [At Swim, 2016] 3) Home [Passenger, 2011] 4) Little Bird [Passenger, 2011] 5) Paper House [Passenger, 2011] 6) An Ocean and a Rock [Sea Sew, 2008] 7) Prayer for the Dying [At Swim, 2016] 8) Nowhere to Go [Passenger, 2011] 9) Anahorish [At Swim, 2016] 10) We, the Drowned [At Swim, 2016] 11) Splishy Splashy [Sea Sew, 2008] 12) T

Leituras 2020

Os 10 livros lidos em 2020 Li 10 livros em 2020 , com destaque para a poesia, e selecionei trechos das obras de Alex Simões , Lúcio Autran , Wesley Correia , Mariana Botelho , Nina Rizzi , Érica Azevedo , Ana Valéria Fink e Cyro de Mattos , e trechos dos romances de Franklin Carvalho e Victor Mascarenhas . Além dos livros, elaborei uma seleção de poemas de Zecalu [publicados nas redes sociais em 2019], outra seleta de trechos de crônicas de Santiago Fontoura [publicadas no Facebook], e uma seleção de poemas de Martha Galrão . Por fim, reli a autobiografia de Rita Lee e divulguei trechos também. Boa leitura! “Contrassonetos catados & via vândala” (Mondrongo, 2015) Alex Simões Leia trechos  aqui “soda cáustica soda” (Patuá, 2019) Lúcio Autran Leia trechos  aqui “laboratório de incertezas” (Malê, 2020) Wesley Correia Leia trechos  aqui “o silêncio tange o sino” (Ateliê Editorial, 2010) Mariana Botelho Leia trechos  aqui   “A ordem interior do mundo” (7Letras, 2020) Franklin Carv

Seleta: Edson Gomes

Os discos e as músicas do cantor e compositor Edson Gomes são os meus prediletos e as que eu mais gosto dentre tudo que é feito de reggae no Brasil. No meado dos anos 1990, eu só ouvia Bob Marley & The Wailers o tempo inteiro, e foi o ilustre mestre cachoeirano quem despertou o meu interesse para outros sons além do gigante jamaicano. Fiquei fã de Edson Gomes antes de conhecer Burning Spear , Peter Tosh , Alpha Blondy , Gregory Isaacs e muitos outros. Foram os clássicos dele, e são muitos, muita música boa, arranjos excelentes, o sonzaço da banda Cão de Raça (adoro a timbragem e improvisos do guitarrista Tony Oliveira ), que me apresentaram a magia do Recôncavo Baiano , de Cachoeira , muitos anos antes da Flica . Na Seleta de hoje, as 42 músicas que mais gosto, gravadas por Edson Gomes & Banda Cão de Raça , presentes em seis álbuns : “ Resgate Fatal ” (1995), “ Campo de Batalha ” (1992), “ Recôncavo ” (1990), “ Apocalipse ” (1997), “ Reggae Resistência ” (1988) e “ Acor