Pular para o conteúdo principal

Composições de Emmanuel Mirdad: My Heart is an Actor


Single que apresenta o som “psychedelic roots progressive reggae” do Orange Roots e abre o álbum de estreia “Fluid” (Surforeggae Sound System Brazil, 2019), destaque para a guitarra “violoncelo psicodélico” de Átila Santtana, que conduz a atmosfera de música “para surfar do nascer ao pôr do sol”, com a cadência manhosa da bateria de Iuri Carvalho e o baixo de Fabrício Mota, e os vocais de veludo do cantor Jahgun. A letra versa sobre uma entidade que não se vincula, seduz, atua e questiona: “Quem entenderá a verdade?”.

Ouça no YouTube aqui

Ouça no Spotify aqui

Demais plataformas:


My Heart is an Actor

(Emmanuel Mirdad)
BR-N1I-15-00001

My heart is an actor
Who will get to defend it?
Sometimes it’s present yet so far
Sometimes it’s present and a pretender
Who will understand the truth?

My heart is an actor
What it searches for is a lie
Try to undo the union
Keep beating as a show
What passion will it act for?

My heart is an actor
Learned to cry very early
As the crowd cried out for proof
Tried to be straight, but
What would tears be without lies?


Faixa 01 – Orange Roots – Fluid (2019) | Composta por Emmanuel Mirdad | Produzida por Emmanuel Mirdad & Átila Santtana | Jahgun – voz | Átila Santtana – guitarra, hammond & violão | Iuri Carvalho – bateria | Fabrício Mota – baixo | Gravado por Átila Santtana no seu home studio & Tadeu Mascarenhas no Estúdio Casa das Máquinas, Salvador, Bahia, Brasil | Mixado e masterizado por Tadeu Mascarenhas no Casa das Máquinas | Arte: Max Fonseca | Foto: Karim Saafir



Composta por Emmanuel Mirdad entre setembro e outubro de 2000.

Letra em português de julho de 2000.

Curiosidades:

– O nome original de “My Heart is an Actor” era “What Would Be Tears Without Lies?”, com erro mesmo – o correto seria “What Would Tears Be Without Lies?”.

– “My Heart is an Actor” fez parte do primeiro repertório da banda The Orange Poem (2000-2007), primeiro como reggae (incomum para uma banda de rock psicodélico), depois como punk rock, por fim, como reggae + punk, mas foi engavetada ainda em agosto de 2001 – mas foi tocada como diversão em dois ensaios, em 2002 e 2004.



Ouça o álbum Fluid

YouTube aqui

Spotify aqui

Todas as plataformas aqui



Siga Orange Roots

Facebook aqui

Instagram aqui

Site aqui

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Seleta: Lisa Hannigan

Lisa Hannigan (foto daqui ) Conheci a cantora e compositora irlandesa Lisa Hannigan graças ao emocionante filme “ Maudie ” (2016), da diretora irlandesa Aisling Walsh (baseado na história da artista canadense Maud Lewis ). A música dos créditos finais é “ Little Bird ”, e a suavidade, timbre, afinação e interpretação tátil da bela voz de Lisa Hannigan me fisgou na hora! Contemplei três dos seus álbuns, “ At Swim ” (2016), “ Passenger ” (2011) e “ Sea Sew ” (2008), e fiz uma seleta com 20 canções que mais gostei. Confira o belo trabalho da irlandesa Lisa Hannigan ! Ouça no YouTube  aqui Ouça no Spotify aqui 1) Tender [At Swim, 2016] 2) Funeral Suit  [At Swim, 2016] 3) Home [Passenger, 2011] 4) Little Bird [Passenger, 2011] 5) Paper House [Passenger, 2011] 6) An Ocean and a Rock [Sea Sew, 2008] 7) Prayer for the Dying [At Swim, 2016] 8) Nowhere to Go [Passenger, 2011] 9) Anahorish [At Swim, 2016] 10) We, the Drowned [At Swim, 2016] 11) Splishy Splashy [Sea Sew, 2008] 12) T

Leituras 2020

Os 10 livros lidos em 2020 Li 10 livros em 2020 , com destaque para a poesia, e selecionei trechos das obras de Alex Simões , Lúcio Autran , Wesley Correia , Mariana Botelho , Nina Rizzi , Érica Azevedo , Ana Valéria Fink e Cyro de Mattos , e trechos dos romances de Franklin Carvalho e Victor Mascarenhas . Além dos livros, elaborei uma seleção de poemas de Zecalu [publicados nas redes sociais em 2019], outra seleta de trechos de crônicas de Santiago Fontoura [publicadas no Facebook], e uma seleção de poemas de Martha Galrão . Por fim, reli a autobiografia de Rita Lee e divulguei trechos também. Boa leitura! “Contrassonetos catados & via vândala” (Mondrongo, 2015) Alex Simões Leia trechos  aqui “soda cáustica soda” (Patuá, 2019) Lúcio Autran Leia trechos  aqui “laboratório de incertezas” (Malê, 2020) Wesley Correia Leia trechos  aqui “o silêncio tange o sino” (Ateliê Editorial, 2010) Mariana Botelho Leia trechos  aqui   “A ordem interior do mundo” (7Letras, 2020) Franklin Carv

Seleta: Edson Gomes

Os discos e as músicas do cantor e compositor Edson Gomes são os meus prediletos e as que eu mais gosto dentre tudo que é feito de reggae no Brasil. No meado dos anos 1990, eu só ouvia Bob Marley & The Wailers o tempo inteiro, e foi o ilustre mestre cachoeirano quem despertou o meu interesse para outros sons além do gigante jamaicano. Fiquei fã de Edson Gomes antes de conhecer Burning Spear , Peter Tosh , Alpha Blondy , Gregory Isaacs e muitos outros. Foram os clássicos dele, e são muitos, muita música boa, arranjos excelentes, o sonzaço da banda Cão de Raça (adoro a timbragem e improvisos do guitarrista Tony Oliveira ), que me apresentaram a magia do Recôncavo Baiano , de Cachoeira , muitos anos antes da Flica . Na Seleta de hoje, as 42 músicas que mais gosto, gravadas por Edson Gomes & Banda Cão de Raça , presentes em seis álbuns : “ Resgate Fatal ” (1995), “ Campo de Batalha ” (1992), “ Recôncavo ” (1990), “ Apocalipse ” (1997), “ Reggae Resistência ” (1988) e “ Acor