Pular para o conteúdo principal

10 anos de criação da Flica


Hoje, 23 de setembro, dez anos atrás, Emmanuel Mirdad, Marcus Ferreira, Aurélio Schommer e Alan Lobo criaram a Flica, Festa Literária Internacional de Cachoeira.

Numa quarta-feira, à noite, 23 de setembro de 2009, no playground do Edf. Star Palace, na Pituba, Salvador, Bahia, quatro pessoas se reuniram e criaram a Flica. Na época, eu era sócio do produtor Marcus Ferreira na empresa Putzgrillo Cultura. Seguíamos tentando produzir vários projetos, após a primeira edição do Prêmio Bahia de Todos os Rocks em 2008. E uma das ideias que investimos foi a realização de uma festa literária, aos moldes da Flip, em Cachoeira, recôncavo baiano, cidade natal do meu sócio.

Página da minha agenda 2009 em que registrei a reunião que criou a Flica

Até então, só trabalhávamos com música. Por conta da nossa falta de aptidão com o universo literário (eu ainda não era um escritor profissional), sugeri convidarmos alguém do meio para ser sócio. Marcus topou, e eu convidei o escritor Aurélio Schommer, porque era alguém próximo, um amigo, proativo, que tentava difundir seus livros no meio cultural baiano, e era presidente da então Câmara Baiana do Livro (achávamos que esse cargo seria útil para conseguirmos abrir portas no meio). Aurélio topou, sem pestanejar, ávido por produzir.

Por achar ser ético convidar para realizar o projeto a pessoa que teve a ideia “fazer uma festa literária em Cachoeira” (leia aqui), fui além: propus sociedade também ao produtor cultural Alan Lobo. Marcus concordou.

Mirdad, Aurélio, Marcus e Alan na Flica 2011, 1ª edição da 1ª festa literária da Bahia. Foto: Vinícius Xavier

Quatro pessoas, uma ideia, um esboço no papel. Um soteropolitano, dois cachoeiranos e um gaúcho que adotou a Bahia na sua vida. Três moradores da Pituba e faconianos formados na Ufba, e um escritor funcionário público. E a vontade de criar a primeira festa literária da Bahia na belíssima Cachoeira.

Marcus Ferreira e o primeiro book da Flica em 2010, com a marca preliminar criada por Bruno Senna (que foi substituída em 2011).

Desenvolvemos o projeto, mas só conseguimos começar a captação em 2010. Com a Putzgrillo Cultura à frente, o capital semente da Oi e o apoio do saudoso professor Ubiratan Castro abrindo portas no Governo da Bahia, conseguimos realizar a 1ª edição da Flica em 2011, e sedimentamos a sociedade com a Rede Bahia.

Alan Lobo deixou a sociedade da Flica no final de 2012, e a Cali (Mirdad, Marcus e Aurélio) foi criada para gerir o evento ao lado da Icontent.

Hoje, com a 9ª edição lançada e preparando a edição comemorativa em 2020, celebramos o sucesso da festa literária mais charmosa do Brasil. Conheça a programação aqui.

Comentários

sarausbahia disse…
Uma história de sucesso em grupo, trabalho de excelência e de total respeito à arte da palavra.

Parabéns, Emmanuel Mirdad, Aurélio Schommer e a todos(as) os(as) envolvidos(as), bastidores, serviços etc.

A Flica é parte da história literária da Bahia. Vida longa a este projeto vitorioso!

Valdeck Almeida de Jesus
Poeta, Escritor e Jornalista
Mais sucesso! Quando puder, leia esta carta: http://desdequeeumeentendoporgente.blogspot.com/2019/09/carta-aberta-aos-organizadores-da-9.html. Muito obrigado!

Postagens mais visitadas deste blog

Seleta: Lisa Hannigan

Lisa Hannigan (foto daqui ) Conheci a cantora e compositora irlandesa Lisa Hannigan graças ao emocionante filme “ Maudie ” (2016), da diretora irlandesa Aisling Walsh (baseado na história da artista canadense Maud Lewis ). A música dos créditos finais é “ Little Bird ”, e a suavidade, timbre, afinação e interpretação tátil da bela voz de Lisa Hannigan me fisgou na hora! Contemplei três dos seus álbuns, “ At Swim ” (2016), “ Passenger ” (2011) e “ Sea Sew ” (2008), e fiz uma seleta com 20 canções que mais gostei. Confira o belo trabalho da irlandesa Lisa Hannigan ! Ouça no YouTube  aqui Ouça no Spotify aqui 1) Tender [At Swim, 2016] 2) Funeral Suit  [At Swim, 2016] 3) Home [Passenger, 2011] 4) Little Bird [Passenger, 2011] 5) Paper House [Passenger, 2011] 6) An Ocean and a Rock [Sea Sew, 2008] 7) Prayer for the Dying [At Swim, 2016] 8) Nowhere to Go [Passenger, 2011] 9) Anahorish [At Swim, 2016] 10) We, the Drowned [At Swim, 2016] 11) Splishy Splashy [Sea Sew, 2008] 12) T

Leituras 2020

Os 10 livros lidos em 2020 Li 10 livros em 2020 , com destaque para a poesia, e selecionei trechos das obras de Alex Simões , Lúcio Autran , Wesley Correia , Mariana Botelho , Nina Rizzi , Érica Azevedo , Ana Valéria Fink e Cyro de Mattos , e trechos dos romances de Franklin Carvalho e Victor Mascarenhas . Além dos livros, elaborei uma seleção de poemas de Zecalu [publicados nas redes sociais em 2019], outra seleta de trechos de crônicas de Santiago Fontoura [publicadas no Facebook], e uma seleção de poemas de Martha Galrão . Por fim, reli a autobiografia de Rita Lee e divulguei trechos também. Boa leitura! “Contrassonetos catados & via vândala” (Mondrongo, 2015) Alex Simões Leia trechos  aqui “soda cáustica soda” (Patuá, 2019) Lúcio Autran Leia trechos  aqui “laboratório de incertezas” (Malê, 2020) Wesley Correia Leia trechos  aqui “o silêncio tange o sino” (Ateliê Editorial, 2010) Mariana Botelho Leia trechos  aqui   “A ordem interior do mundo” (7Letras, 2020) Franklin Carv

Seleta: Edson Gomes

Os discos e as músicas do cantor e compositor Edson Gomes são os meus prediletos e as que eu mais gosto dentre tudo que é feito de reggae no Brasil. No meado dos anos 1990, eu só ouvia Bob Marley & The Wailers o tempo inteiro, e foi o ilustre mestre cachoeirano quem despertou o meu interesse para outros sons além do gigante jamaicano. Fiquei fã de Edson Gomes antes de conhecer Burning Spear , Peter Tosh , Alpha Blondy , Gregory Isaacs e muitos outros. Foram os clássicos dele, e são muitos, muita música boa, arranjos excelentes, o sonzaço da banda Cão de Raça (adoro a timbragem e improvisos do guitarrista Tony Oliveira ), que me apresentaram a magia do Recôncavo Baiano , de Cachoeira , muitos anos antes da Flica . Na Seleta de hoje, as 42 músicas que mais gosto, gravadas por Edson Gomes & Banda Cão de Raça , presentes em seis álbuns : “ Resgate Fatal ” (1995), “ Campo de Batalha ” (1992), “ Recôncavo ” (1990), “ Apocalipse ” (1997), “ Reggae Resistência ” (1988) e “ Acor