Pular para o conteúdo principal

Composições de Emmanuel Mirdad: Small & Dangerous


Canção progressiva com ambientes distintos e refrão, possui variação harmônica e de melodia, e um ritmo diferente das outras músicas do repertório Orange Roots, a criar uma atmosfera de navegação em alto mar, com destaque para as “gaivotas” criadas pela guitarra em reverso de Átila Santtana, as camadas de vocais de Jahgun e de teclas de Tadeu Mascarenhas, e a bateria fusion de Iuri Carvalho. A letra versa sobre um ser que não se adequa aos padrões, sonhador, cuja força oscila entre o vento e a rocha, que se sente como uma agulha em festas e quer tentar existir na sua, longe de idiotices e mentiras.

Ouça no YouTube aqui

Ouça no Spotify aqui

Demais plataformas:


Small & Dangerous
(Emmanuel Mirdad)
BR-N1I-16-00003

I am a definite being and fragile
Needing my dreams all the time
My choices are lethal and unique
If I fail, I tear into pieces
If I win, I disobey

I see people in parties and feel like a needle
Nobody can approach me, I’m small and dangerous
I just don’t want to be idiotic and to talk lies
My words are short and poetries

“What was it that happened that was so awful?
  I’ll try to exist far away from here
  I’ll try to exist, that’s it”

I had a friend that brought me suicide
He was so absent that seemed a genius
Said to me that he had drunk poison
And that his flesh trembled, anxious for rest

Naive... imprisoned with the key in his hands,
Knowing the rottenness of the failure and glory
And he didn’t learn there are moments when you wear a mask
Or your strength has to oscillate between the wind and rock

“What was it that happened that was so awful?
  I’ll try to exist far away from here
  I’ll try to exist, that’s it”


Faixa 05 – Orange Roots – Fluid (2019) | Composta por Emmanuel Mirdad | Produzida por Emmanuel Mirdad & Átila Santtana | Jahgun – voz & backing vocal | Átila Santtana – guitarra & guitarra reverso | Iuri Carvalho – bateria | Fabrício Mota – baixo | Tadeu Mascarenhas – oberheim & piano rhodes | Gravado, mixado e masterizado por Tadeu Mascarenhas no Estúdio Casa das Máquinas, Salvador, Bahia, Brasil | Arte: Max Fonseca | Foto: Karim Saafir



Composta por Emmanuel Mirdad em 19 e 20/02/2004.

Letra de 07/05/2001 e 26/03/2002 (em português) e out-dez/2003 (em inglês).

Curiosidades:

– Os títulos anteriores de “Small & Dangerous” foram os errados “What Was That Happened Thus of So Awful?” e “What It Was That Happened Thus of So Awful?”, e o correto “What Was It That Happened That Was So Awful?”.

– Final de relação, esbagaçado pela repulsa da ex por conta do que ele era, e não por algo que ele tivesse feito, entre março e abril de 2001, descarregou a sua frustração numa carta em que se afirmava como uma pessoa diferente, mesmo. Em 07/05/2001, Emmanuel Mirdad reciclou a carta num poema além de si, “O que foi que aconteceu assim de tão medonho?”, suavizado e melhorado em 26/03/2002 – exemplo: “tentarei existir muito longe daqui, tentarei existir apenas” no lugar de “o tempo passa e eu só pioro, vou ser feliz somente longe daqui”. A versão em inglês é do final de 2003, e a mudança no título para “Small & Dangerous” é da época da gravação de “Fluid” em 2016, para ser mais eficiente para o público, pelo tamanho menor e sonoramente mais impactante.

– Quinta-feira, primeiro dia de Carnaval em Salvador, e a namorada trabalhando no hospital. À noite, restou o violão. “Small & Dangerous” começou a ser composta a partir de um riff, mas o cansaço o fez deixar para o dia seguinte. Na sexta de Carnaval, um “arranca-rabo” aconteceu. Após a briga com a namorada, achou melhor repetir a dose “ficar em casa e tocar violão” do que terminar a relação e vadiar na festa sozinho. Assim, finalizou a canção, então chamada de “What Was That Happened Thus of So Awful?” (com vários erros na letra como nesse título), que o deixou orgulhoso, pois há tempos que não compunha. Logo depois, o momento “claustro” dessa sexta de Carnaval rendeu mais inspiração, e Emmanuel Mirdad compôs “My Impossible Wife”.

– “Small & Dangerous” e “Deep” tem parentesco na letra. Embora a letra da primeira tenha vindo antes, a segunda foi composta e finalizada primeiro. Em 2002, a pergunta que intitulava “Small & Dangerous” foi surrupiada do seu refrão para o da recém-composta “Deep” – então chamada de “What Was That Happened So Freak?”. Como não havia previsão de compor melodia para o poema engavetado, Emmanuel Mirdad resolveu reciclar a frase “O que foi que aconteceu assim de tão medonho?” na nova canção. A partir de 2004, com “Small & Dangerous” finalizada, decidiu não modificá-las ou excluir uma das duas, e ambas contêm a frase espantada, cada uma de seu jeito.

– Com o título original e suas variantes, “Small & Dangerous” fez parte de repertórios “lado B” da The Orange Poem (2000-2007), mas nunca foi tocada pela banda. No dia 12/07/2006, acompanhada por “Someday I’ll Escape”, “Flowers to the Sun”, “A Reflex, A Nightmare”, “My Impossible Wife” e “Deep”, migrou para o repertório Sad Child.

– Como “What Was It That Happened That Was So Awful?”, “Small & Dangerous” fez parte do repertório do grupo folk Sad Child em 2006 (sem shows, só ensaios) e foi registrada numa demo, que não foi divulgada. Era o momento solo de Glauber Guimarães, que cantava com um grave muito bonito, a la Johnny Cash.

– “Curtas e Poemas” é uma versão de “Small & Dangerous” para piano solo, composta em 2008. Ouça aqui



Ouça o álbum Fluid

YouTube aqui

Spotify aqui

Todas as plataformas aqui


Siga Orange Roots

Facebook aqui

Instagram aqui

Site aqui

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Seleta: Lisa Hannigan

Lisa Hannigan (foto daqui ) Conheci a cantora e compositora irlandesa Lisa Hannigan graças ao emocionante filme “ Maudie ” (2016), da diretora irlandesa Aisling Walsh (baseado na história da artista canadense Maud Lewis ). A música dos créditos finais é “ Little Bird ”, e a suavidade, timbre, afinação e interpretação tátil da bela voz de Lisa Hannigan me fisgou na hora! Contemplei três dos seus álbuns, “ At Swim ” (2016), “ Passenger ” (2011) e “ Sea Sew ” (2008), e fiz uma seleta com 20 canções que mais gostei. Confira o belo trabalho da irlandesa Lisa Hannigan ! Ouça no YouTube  aqui Ouça no Spotify aqui 1) Tender [At Swim, 2016] 2) Funeral Suit  [At Swim, 2016] 3) Home [Passenger, 2011] 4) Little Bird [Passenger, 2011] 5) Paper House [Passenger, 2011] 6) An Ocean and a Rock [Sea Sew, 2008] 7) Prayer for the Dying [At Swim, 2016] 8) Nowhere to Go [Passenger, 2011] 9) Anahorish [At Swim, 2016] 10) We, the Drowned [At Swim, 2016] 11) Splishy Splashy [Sea Sew, 2008] 12) T

Leituras 2020

Os 10 livros lidos em 2020 Li 10 livros em 2020 , com destaque para a poesia, e selecionei trechos das obras de Alex Simões , Lúcio Autran , Wesley Correia , Mariana Botelho , Nina Rizzi , Érica Azevedo , Ana Valéria Fink e Cyro de Mattos , e trechos dos romances de Franklin Carvalho e Victor Mascarenhas . Além dos livros, elaborei uma seleção de poemas de Zecalu [publicados nas redes sociais em 2019], outra seleta de trechos de crônicas de Santiago Fontoura [publicadas no Facebook], e uma seleção de poemas de Martha Galrão . Por fim, reli a autobiografia de Rita Lee e divulguei trechos também. Boa leitura! “Contrassonetos catados & via vândala” (Mondrongo, 2015) Alex Simões Leia trechos  aqui “soda cáustica soda” (Patuá, 2019) Lúcio Autran Leia trechos  aqui “laboratório de incertezas” (Malê, 2020) Wesley Correia Leia trechos  aqui “o silêncio tange o sino” (Ateliê Editorial, 2010) Mariana Botelho Leia trechos  aqui   “A ordem interior do mundo” (7Letras, 2020) Franklin Carv

Seleta: Edson Gomes

Os discos e as músicas do cantor e compositor Edson Gomes são os meus prediletos e as que eu mais gosto dentre tudo que é feito de reggae no Brasil. No meado dos anos 1990, eu só ouvia Bob Marley & The Wailers o tempo inteiro, e foi o ilustre mestre cachoeirano quem despertou o meu interesse para outros sons além do gigante jamaicano. Fiquei fã de Edson Gomes antes de conhecer Burning Spear , Peter Tosh , Alpha Blondy , Gregory Isaacs e muitos outros. Foram os clássicos dele, e são muitos, muita música boa, arranjos excelentes, o sonzaço da banda Cão de Raça (adoro a timbragem e improvisos do guitarrista Tony Oliveira ), que me apresentaram a magia do Recôncavo Baiano , de Cachoeira , muitos anos antes da Flica . Na Seleta de hoje, as 42 músicas que mais gosto, gravadas por Edson Gomes & Banda Cão de Raça , presentes em seis álbuns : “ Resgate Fatal ” (1995), “ Campo de Batalha ” (1992), “ Recôncavo ” (1990), “ Apocalipse ” (1997), “ Reggae Resistência ” (1988) e “ Acor