Pular para o conteúdo principal

Composições de Emmanuel Mirdad: Someday I’ll Escape


Fusão do ritmo nyabinghi com levada mais acelerada quase rock de Iuri Carvalho e linha de baixo mântrica de Fabrício Mota. A canção é a mais diferente e contemporânea do repertório Orange Roots, e apresenta o inusitado da sanfona de Tadeu Mascarenhas associada ao violão de nylon e os arranjos experimentais de guitarra no efeito reverso de Emmanuel Mirdad. O cantor Jahgun comprova a sua ampla plasticidade vocal, do grave ao agudo berro no final. A letra versa sobre um ser que se sente escravo da máquina social, usa uma profunda máscara que não é sua, e afirma que poderia ser ele mesmo se fosse melhor que a fome, nalgum dia que irá escapar.

Ouça no YouTube aqui

Ouça no Spotify aqui 

Demais plataformas:


Someday I’ll Escape
(Emmanuel Mirdad)
BR-N1I-15-00004

I’m money, I’m work, I’m a deep mask that isn’t mine
What are they doing to me? Who am I?
What can save me? Everyday I can’t be my own face

Actually I’m love, I’m a poet, I’m life
What are they doing to everyone?
They will destroy who can be true
Everyday I see more lies

I would be myself if I were better than the hunger
I don’t need to eat, just to have power and titles
Who am I? Who am I?
I’m a slave of society’s machine, but someday I’ll escape

I’ll escape...

I escaped!


Faixa 09 – Orange Roots – Fluid (2019) | Composta por Emmanuel Mirdad | Produzida por Emmanuel Mirdad & Átila Santtana | Jahgun – voz | Átila Santtana – guitarra | Iuri Carvalho – bateria | Fabrício Mota – baixo | Tadeu Mascarenhas – sanfona | Participação: Emmanuel Mirdad (violão e guitarra reverso) | Gravado por Átila Santtana no seu home studio & Tadeu Mascarenhas no Estúdio Casa das Máquinas, Salvador, Bahia, Brasil | Mixado e masterizado por Tadeu Mascarenhas no Casa das Máquinas | Arte: Max Fonseca | Foto: Karim Saafir



Composta por Emmanuel Mirdad em 13/07/2001.

Melodia de 26/06/1999.

Curiosidades:

– “Someday I’ll Escape” e as suas reciclagens:

1) Na época dos festejos de São João em 1999, estava acampando na Chapada Diamantina com uma paquera, mas pensando noutra mulher. Com uma desculpa esfarrapada, voltou para Salvador e se organizou para viajar a Euclides da Cunha. Passagem comprada, expectativa em alta, e a vida pregou uma peça miserável: sofreu uma crise aguda de rinite alérgica, que o impossibilitou de viajar e o obrigou a ficar em Salvador, solitário e tedioso. Nesse claustro forçado, restou o violão. Um ambiente propício para Emmanuel Mirdad compor, por intuição, em 26/06/1999, uma bela melodia depressiva.

2) Com preguiça de escrever novos versos, adequou a melodia à letra “Metáfora”, escrita no 1º semestre de 1999. Meses depois, Emmanuel Mirdad renomeou a canção de “Desejo do Filho”. Em dezembro de 1999, foi gravada no projeto Pássaros de Libra (o arranjo de André Magalhães modificou a essência depressiva para uma “new-age” que virava um forró), encerrando o álbum “O Primeiro Equilíbrio” (2000).

3) O álbum do projeto Pássaros de Libra foi engavetado e “Desejo do Filho” foi condenada. No ano 2000, a melodia foi reaproveitada na canção “Old Day”, que fez parte do repertório embrionário do então projeto de banda The Orange Poem, mas nunca foi ensaiada. PS: A versão final da letra de “Desejo do Filho”, após diversas revisões, foi eternizada como a canção “Fantoche”, composta por Emmanuel Mirdad em 29/04/2007 com outra melodia, e lançada no EP ID em 2008 (conheça aqui).

4) 13 de julho de 2001. Sem conseguir trabalho e esperando para ser chamado de segunda lista na faculdade, briga com os pais que o mantinham. O acúmulo de frustrações inspira a criação, diretamente em inglês, do poema “Someday I Escape” (ainda era “algum dia eu escapo” ao invés do “eu escaparei – I’ll escape”). Gosta do resultado e analisa músicas do repertório (mais uma vez, preguiça de compor algo novo). A melhor melodia que encaixa no poema é a que foi criada em 26/06/1999. Assim, Emmanuel Mirdad descarta “Old Day” e compõe “Someday I Escape” numa sexta-feira 13, Dia Mundial do Rock do ano 2001.

5) Julho, novamente. Dessa vez, 2006. No dia 07, Emmanuel Mirdad modificou “Someday I Escape” para a definitiva “Someday I’ll Escape”.

– “Someday I’ll Escape” fez parte de repertórios “lado B” da The Orange Poem (2000-2007), a maior parte considerada como “bônus track voz e violão”, mas nunca foi tocada pela banda. No dia 12/07/2006, acompanhada por “Flowers to the Sun”, “Small & Dangerous”, “A Reflex, A Nightmare”, “My Impossible Wife” e “Deep”, migrou para o repertório Sad Child.

– “Someday I’ll Escape” fez parte do repertório do grupo folk Sad Child em 2006 (sem shows, só ensaios), e foi registrada numa demo, que não foi divulgada. Todas as vozes do grupo a cantavam em uníssono: Glauber Guimarães, Rodrigo “John” Pinheiro, Ivana Vivas, Cris Siquara e Emmanuel Mirdad.

– “Pílula Azul” é uma versão de “Someday I’ll Escape” para piano solo, composta em 2008. Ouça aqui



Ouça o álbum Fluid

YouTube aqui

Spotify aqui

Todas as plataformas aqui


Siga Orange Roots

Facebook aqui

Instagram aqui

Site aqui

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Seleta: Lisa Hannigan

Lisa Hannigan (foto daqui ) Conheci a cantora e compositora irlandesa Lisa Hannigan graças ao emocionante filme “ Maudie ” (2016), da diretora irlandesa Aisling Walsh (baseado na história da artista canadense Maud Lewis ). A música dos créditos finais é “ Little Bird ”, e a suavidade, timbre, afinação e interpretação tátil da bela voz de Lisa Hannigan me fisgou na hora! Contemplei três dos seus álbuns, “ At Swim ” (2016), “ Passenger ” (2011) e “ Sea Sew ” (2008), e fiz uma seleta com 20 canções que mais gostei. Confira o belo trabalho da irlandesa Lisa Hannigan ! Ouça no YouTube  aqui Ouça no Spotify aqui 1) Tender [At Swim, 2016] 2) Funeral Suit  [At Swim, 2016] 3) Home [Passenger, 2011] 4) Little Bird [Passenger, 2011] 5) Paper House [Passenger, 2011] 6) An Ocean and a Rock [Sea Sew, 2008] 7) Prayer for the Dying [At Swim, 2016] 8) Nowhere to Go [Passenger, 2011] 9) Anahorish [At Swim, 2016] 10) We, the Drowned [At Swim, 2016] 11) Splishy Splashy [Sea Sew, 2008] 12) T

Leituras 2020

Os 10 livros lidos em 2020 Li 10 livros em 2020 , com destaque para a poesia, e selecionei trechos das obras de Alex Simões , Lúcio Autran , Wesley Correia , Mariana Botelho , Nina Rizzi , Érica Azevedo , Ana Valéria Fink e Cyro de Mattos , e trechos dos romances de Franklin Carvalho e Victor Mascarenhas . Além dos livros, elaborei uma seleção de poemas de Zecalu [publicados nas redes sociais em 2019], outra seleta de trechos de crônicas de Santiago Fontoura [publicadas no Facebook], e uma seleção de poemas de Martha Galrão . Por fim, reli a autobiografia de Rita Lee e divulguei trechos também. Boa leitura! “Contrassonetos catados & via vândala” (Mondrongo, 2015) Alex Simões Leia trechos  aqui “soda cáustica soda” (Patuá, 2019) Lúcio Autran Leia trechos  aqui “laboratório de incertezas” (Malê, 2020) Wesley Correia Leia trechos  aqui “o silêncio tange o sino” (Ateliê Editorial, 2010) Mariana Botelho Leia trechos  aqui   “A ordem interior do mundo” (7Letras, 2020) Franklin Carv

Seleta: Edson Gomes

Os discos e as músicas do cantor e compositor Edson Gomes são os meus prediletos e as que eu mais gosto dentre tudo que é feito de reggae no Brasil. No meado dos anos 1990, eu só ouvia Bob Marley & The Wailers o tempo inteiro, e foi o ilustre mestre cachoeirano quem despertou o meu interesse para outros sons além do gigante jamaicano. Fiquei fã de Edson Gomes antes de conhecer Burning Spear , Peter Tosh , Alpha Blondy , Gregory Isaacs e muitos outros. Foram os clássicos dele, e são muitos, muita música boa, arranjos excelentes, o sonzaço da banda Cão de Raça (adoro a timbragem e improvisos do guitarrista Tony Oliveira ), que me apresentaram a magia do Recôncavo Baiano , de Cachoeira , muitos anos antes da Flica . Na Seleta de hoje, as 42 músicas que mais gosto, gravadas por Edson Gomes & Banda Cão de Raça , presentes em seis álbuns : “ Resgate Fatal ” (1995), “ Campo de Batalha ” (1992), “ Recôncavo ” (1990), “ Apocalipse ” (1997), “ Reggae Resistência ” (1988) e “ Acor