Pular para o conteúdo principal

Música para Escrever #58 — Cult of Luna, Mouth of the Architect, Show Me a Dinosaur, Ànteros, Birds In Row, Empress, Ingrina, Aortes, Montagne e Lionsbreath


A salvação de um amanhecer para temer, em algum lugar ao longo da rodovia, é vertical ao reino eterno dos laços que cegam silenciosamente. O amanhecer do tempo & murchando. "Me mostre um dinossauro", deseja o contemplador de plantas nos corpos celestes... e, na paz, a escuridão das luas. "Você, eu e a violência", ele continua. "Nós já perdemos o mundo", uma mulher responde. A guerra pessoal da reminiscência na premonição depois da luz. A última luz. "Você encontrou a paz?" A cachoeira negra, num bafo de leão. Confira o post #58 da série Música para Escrever, especial PESO GRITADO, com os melhores sons de post-rock, a alumiar a mente e transcender em palavras.


Umeå | Suécia
Bandcamp aqui e aqui
Facebook aqui
Foto daqui

Melhor disco para escrever

"Salvation"
(2004)
Ouça aqui

Para continuar escrevendo

"A Dawn to Fear"
(2019)
Ouça aqui

"Somewhere Along the Highway"
(2006)
Ouça aqui

"Vertikal"
(2013)
Ouça aqui

"Eternal Kingdom"
(2008)
Ouça aqui

---------

Dayton | Estados Unidos
Bandcamp aqui
Facebook aqui
Foto daqui

Melhor disco para escrever

"The Ties That Blind (Remixed & Remaster)"
(2018)
Ouça aqui

Para continuar escrevendo

"Quietly"
(2008)
Ouça aqui

"Dawning"
(2013)
Ouça aqui

"Time & Withering (Remaster)"
(2017)
Ouça aqui

---------

São Petersburgo | Rússia
Bandcamp aqui
Facebook aqui
Foto daqui

Melhor disco para escrever

"Show Me a Dinosaur"
(2016)
Ouça aqui

Para continuar escrevendo

"Plantgazer"
(2020)
Ouça aqui

---------

Barcelona | Espanha
Bandcamp aqui
Facebook aqui
Foto daqui

Melhor disco para escrever

"Cuerpos celestes"
(2017)
Ouça aqui

Para continuar escrevendo

"...y en paz la oscuridad"
(2020)
Ouça aqui

"lunas"
(2016)
Ouça aqui

---------

Laval | França
Bandcamp aqui
Facebook aqui
Foto daqui

Melhor disco para escrever

"You, Me & The Violence"
(2012)
Ouça aqui

Para continuar escrevendo

"We Already Lost The World"
(2018)
Ouça aqui

"Personal War"
(2015)
Ouça aqui

---------

Vancouver | Canadá
Bandcamp aqui
Facebook aqui
Foto daqui

Melhor disco para escrever

"Reminiscence"
(2017)
Ouça aqui

Para continuar escrevendo

"Premonition"
(2020)
Ouça aqui

---------

França
Bandcamp aqui
Facebook aqui
Foto daqui

Melhor disco para escrever

"Etter Lys"
(2018)
Ouça aqui

Para continuar escrevendo

"Siste Lys"
(2020)
Ouça aqui

---------

Vilnius | Lituânia
Bandcamp aqui
Facebook aqui
Foto daqui

Melhor disco para escrever

"Have you found peace?"
(2019)
Ouça aqui

---------

Paris | França
Bandcamp aqui
Facebook aqui
Foto daqui

Melhor disco para escrever

"Black Waterfall"
(2020)
Ouça aqui

---------

Cidade do Cabo | África do Sul
Bandcamp aqui
Foto daqui

Melhor disco para escrever

"Lionsbreath"
(2020)
Ouça aqui

---------


Playlist Música para Escrever #58

Os melhores temas da edição #58 da série “Música para Escrever”, especial PESO GRITADO, com a sueca Cult of Luna, a norte-americana Mouth of the Architect, a russa Show Me a Dinosaur, a espanhola Ànteros, as francesas Birds In Row, Ingrina e Montagne, a canadense Empress, a lituana Aortes e a sul-africana Lionsbreath. Os melhores sons de post-rock para inspirar a imaginação e criar o clima propício de introspecção.

Ouça no Spotify aqui

Ouça no YouTube aqui

01) Gone [Show Me a Dinosaur]

02) It Swarms [Mouth of the Architect]

03) Adrift [Cult of Luna]

04) Marsh [Show Me a Dinosaur]

05) O'Dear [Birds In Row]

06) Harboring An Apparition [Mouth of the Architect]

07) Lights on the Hill [Cult of Luna]

08) Polaris [Ànteros]

09) You, Me & The Violence [Birds In Row]

10) Dark City, Dead Man [Cult of Luna]

11) A Beautiful Corpse [Mouth of the Architect]

12) Fossils [Birds In Row]

13) Mononoké [Montagne]

14) Sombras [Ànteros]

15) No Word [Aortes]

16) Coil [Ingrina]

17) Vicarious Redemption [Cult of Luna]

18) Soil to Stone (Remastered) [Mouth of the Architect]

19) Trost [Empress]

20) Curse [Cult of Luna]

21) Rhea (1672) [Ànteros]

22) They Speak Like Trees [Empress]

23) Stolidity [Ingrina]

---------

Confira o Música para Escrever #57, com a world wondered full, We Stood Like Kings, I Hear Sirens, Alpha du Centaure, Labirinto, Lai delle Nubi, Overmorrow, Yndian Mynah, Audiolepsia e Quiet is the new Loud, neste post aqui


Confira o Música para Escrever #56, com Mesozoic, Ben Haskins, SIX DAYS OF CALM, LA VERITE, Nieeve, Northway, KOSMOVOID, Wolfredt, Dog Is My Copilot e satellites, neste post aqui

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dez passagens de Clarice Lispector nas cartas dos anos 1950 (parte 1)

Clarice Lispector (foto daqui ) “O outono aqui está muito bonito e o frio já está chegando. Parei uns tempos de trabalhar no livro [‘A maçã no escuro’] mas um dia desses recomeçarei. Tenho a impressão penosa de que me repito em cada livro com a obstinação de quem bate na mesma porta que não quer se abrir. Aliás minha impressão é mais geral ainda: tenho a impressão de que falo muito e que digo sempre as mesmas coisas, com o que eu devo chatear muito os ouvintes que por gentileza e carinho aguentam...” “Alô Fernando [Sabino], estou escrevendo pra você mas também não tenho nada o que dizer. Acho que é assim que pouco a pouco os velhos honestos terminam por não dizer nada. Mas o engraçado é que não tendo absolutamente nada o que dizer, dá uma vontade enorme de dizer. O quê? (...) E assim é que, por não ter absolutamente nada o que dizer, até livro já escrevi, e você também. Até que a dignidade do silêncio venha, o que é frase muito bonitinha e me emociona civicamente.”  “(...) O dinheiro s

Oito passagens de Conceição Evaristo no livro de contos Olhos d'água

Conceição Evaristo (Foto: Mariana Evaristo) "Tentando se equilibrar sobre a dor e o susto, Salinda contemplou-se no espelho. Sabia que ali encontraria a sua igual, bastava o gesto contemplativo de si mesma. E no lugar da sua face, viu a da outra. Do outro lado, como se verdade fosse, o nítido rosto da amiga surgiu para afirmar a força de um amor entre duas iguais. Mulheres, ambas se pareciam. Altas, negras e com dezenas de dreads a lhes enfeitar a cabeça. Ambas aves fêmeas, ousadas mergulhadoras na própria profundeza. E a cada vez que uma mergulhava na outra, o suave encontro de suas fendas-mulheres engravidava as duas de prazer. E o que parecia pouco, muito se tornava. O que finito era, se eternizava. E um leve e fugaz beijo na face, sombra rasurada de uma asa amarela de borboleta, se tornava uma certeza, uma presença incrustada nos poros da pele e da memória." "Tantos foram os amores na vida de Luamanda, que sempre um chamava mais um. Aconteceu também a paixão

Dez passagens de Jorge Amado no romance Mar morto

Jorge Amado “(...) Os homens da beira do cais só têm uma estrada na sua vida: a estrada do mar. Por ela entram, que seu destino é esse. O mar é dono de todos eles. Do mar vem toda a alegria e toda a tristeza porque o mar é mistério que nem os marinheiros mais velhos entendem, que nem entendem aqueles antigos mestres de saveiro que não viajam mais, e, apenas, remendam velas e contam histórias. Quem já decifrou o mistério do mar? Do mar vem a música, vem o amor e vem a morte. E não é sobre o mar que a lua é mais bela? O mar é instável. Como ele é a vida dos homens dos saveiros. Qual deles já teve um fim de vida igual ao dos homens da terra que acarinham netos e reúnem as famílias nos almoços e jantares? Nenhum deles anda com esse passo firme dos homens da terra. Cada qual tem alguma coisa no fundo do mar: um filho, um irmão, um braço, um saveiro que virou, uma vela que o vento da tempestade despedaçou. Mas também qual deles não sabe cantar essas canções de amor nas noites do cais? Qual d