Pular para o conteúdo principal

Versos geniais de Alberto da Cunha Melo

Alberto da Cunha Melo


“Da dor humana, só conheço a minha, que não é nada para os outros, e insuportável para mim”


“A obrigação de ser belo é incompreensível para o corpo que busca apenas respirar e erguer-se todas as manhãs”


“Tudo que levamos a sério torna-se amargo”


“O essencial é assustadíssima e soberba ave, como um galo: só duas mãos, dentro da treva, sem ruído, podem pegá-lo”


“Não é fazendo o que sei que chegarei às descobertas que não fiz”


“Fora do fogo, não há saída: porque fugir é a pior maneira de ficar”


“Quem fala do que fez e do que foi, já não faz e já não é”


“Temos, realmente, grandes problemas metafísicos como o de encontrar a finalidade última de uma vida feita de tanta coisa relativa”


“A morte, meu irmão, não é ponto final, é vírgula”


“À medida que envelhecemos, não nos tornamos frágeis porque envelhecemos, mas porque nos tornamos cada vez mais previsíveis”


“Poema nenhum, nunca mais será um acontecimento: escrevemos cada vez mais para um mundo cada vez menos”


“Se a filosofia nos diz que o ser repete a espécie, é possível que falar na grandeza de uma única mulher é referir-se à grandeza de muitas mulheres que vivem, trabalham e amam neste planeta assustador”




“O amor, sem cronômetros e calendários, é feito da substância cósmica das sementes e das estrelas”


“Todo dia sem alegria é um dia perdido, é um dano a mais na hélice da esperança, movida a pó, ano após ano”


“O que nos amam nos devoram, e, devorados, não podemos partir: estamos lá dentro”


“A Burocracia é a refinada peçonha dos sádicos e sua mais sórdida e persistente conspiração”


“É adeus cada forma de vida movendo-se ao sol, como presa do Tempo”


“Às vezes mostro a meus amigos estas flores, peço-lhes água, eles sorriem (...) mas também estão no deserto”


“(...) não praguejem, seus cegos, contra a vida. Antes de perceberem os sinais e sua dor tomar conta do universo, amem tudo que encontrarem”


“Toda renúncia nos convida a recomeçar outra busca”


“O destino dos que têm uma missão é cair e ficar; a missão dos que têm um destino é partir e cantar”


“Publicar-se depois da morte é dar, pelas costas, um pão; é jogar um ramo de flores numa casa morta, e correr”


“Toda matéria, ou toda força sofre de eterno desperdício, quer ser azul e temporária e as borboletas sabem disso”


Versos presentes no livro “Poesia completa” (Record, 2017), de Alberto da Cunha Melo, organizado por Cláudia Cordeiro Tavares da Cunha Melo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Seleta: Lisa Hannigan

Lisa Hannigan (foto daqui ) Conheci a cantora e compositora irlandesa Lisa Hannigan graças ao emocionante filme “ Maudie ” (2016), da diretora irlandesa Aisling Walsh (baseado na história da artista canadense Maud Lewis ). A música dos créditos finais é “ Little Bird ”, e a suavidade, timbre, afinação e interpretação tátil da bela voz de Lisa Hannigan me fisgou na hora! Contemplei três dos seus álbuns, “ At Swim ” (2016), “ Passenger ” (2011) e “ Sea Sew ” (2008), e fiz uma seleta com 20 canções que mais gostei. Confira o belo trabalho da irlandesa Lisa Hannigan ! Ouça no YouTube  aqui Ouça no Spotify aqui 1) Tender [At Swim, 2016] 2) Funeral Suit  [At Swim, 2016] 3) Home [Passenger, 2011] 4) Little Bird [Passenger, 2011] 5) Paper House [Passenger, 2011] 6) An Ocean and a Rock [Sea Sew, 2008] 7) Prayer for the Dying [At Swim, 2016] 8) Nowhere to Go [Passenger, 2011] 9) Anahorish [At Swim, 2016] 10) We, the Drowned [At Swim, 2016] 11) Splishy Splashy [Sea Sew, 2008] 12) T

Leituras 2020

Os 10 livros lidos em 2020 Li 10 livros em 2020 , com destaque para a poesia, e selecionei trechos das obras de Alex Simões , Lúcio Autran , Wesley Correia , Mariana Botelho , Nina Rizzi , Érica Azevedo , Ana Valéria Fink e Cyro de Mattos , e trechos dos romances de Franklin Carvalho e Victor Mascarenhas . Além dos livros, elaborei uma seleção de poemas de Zecalu [publicados nas redes sociais em 2019], outra seleta de trechos de crônicas de Santiago Fontoura [publicadas no Facebook], e uma seleção de poemas de Martha Galrão . Por fim, reli a autobiografia de Rita Lee e divulguei trechos também. Boa leitura! “Contrassonetos catados & via vândala” (Mondrongo, 2015) Alex Simões Leia trechos  aqui “soda cáustica soda” (Patuá, 2019) Lúcio Autran Leia trechos  aqui “laboratório de incertezas” (Malê, 2020) Wesley Correia Leia trechos  aqui “o silêncio tange o sino” (Ateliê Editorial, 2010) Mariana Botelho Leia trechos  aqui   “A ordem interior do mundo” (7Letras, 2020) Franklin Carv

Seleta: Flávio José

Flávio José (foto: divulgação ) O artista de forró que mais gosto é o cantor, sanfoneiro e compositor Flávio José . Para mim, ele é a Voz do Nordeste . Um timbre único, raro, fantástico. Ouvir o canto desse Assum Preto-Rei é sentir o cheiro da caatinga, arrastar os pés no chão de barro ao pé da serra, embalar o coração juntinho com a parceira que amo, deslizar os passos como se no paraíso estivesse, saborear a mistura de amendoim com bolo de milho, purificar o sorriso como Dominguinhos ensinou, banhar-se com as rezas das senhoras sábias, prestar atenção aos causos, lendas e histórias do povo que construiu e orgulha o Brasil . Celebrar a pátria nordestina é escutar o mestre Flávio José ! Natural da sertaneja Monteiro , na Paraíba , em 2021 vai completar 70 anos (no primeiro dia de setembro), com mais de 30 discos lançados e vários sucessos emplacados na memória afetiva do povo brasileiro (fez a alegria e o estouro da carreira de muitos compositores, que tiveram a sorte de serem grav