Pular para o conteúdo principal

Música para Escrever #57 — a world wondered full, We Stood Like Kings, I Hear Sirens, Alpha du Centaure, Labirinto, Lai delle Nubi, Overmorrow, Yndian Mynah, Audiolepsia e Quiet is the new Loud


A estrada se alinhava na escuridão das minhas mãos, mas as febres sussurravam em lamentos de luz que passavam. Para quem você ligaria quando a polícia o matasse? E o que você vai cantar para a casa em chamas? Deriva, vândalo; render para recusar. Abandonado no jardim de um tirano, um adeus para sempre ao arco, com as mãos trêmulas que tecemos por cordas enferrujadas, como a sua fumaça em ondas de vagar desgastado e preocupado... O seu país está há muito tempo no seu funeral. União Soviética, 1926. Berlim, 1927. EUA 1982. A sessão ao vivo de (re)trabalhos clássicos. Uma estrela morreu, além do mar, sob o céu, entre a consciência e o sono. Eu ouço sirenes: o desequilíbrio original da cor dos meus sonhos. Essa paralisia, anátema da energia vital em etéreo proteger da deusa. Cores para quem procura: uma bela juventude, macia e suave, em ondas e partículas de um código escondido. Confira o post #57 da série Música para Escrever, com os melhores sons de post-rock, a alumiar a mente e transcender em palavras.


Mueang Chiang Rai | Tailândia
Bandcamp aqui
Facebook aqui
Foto daqui

Melhor disco para escrever

"The road lined in darkness​,​ my hands but fevers crooned in passing wails of light"
(2018)
Ouça aqui

Para continuar escrevendo

"คุณจะเรียกหาใครในเมื่อตำรวจเป็นคนฆ่า และคุณจะร้องเพลงอะไรสำหรับบ้านที่ลุกไหม้สว่างโร่"
(2020)
Ouça aqui

"Drift, Vandal; Render to Decline"
(2017)
Ouça aqui

"abandoned in the garden of a tyrant, a farewell forever to the arc, with trembling hands we weave across rusted strings like their smoke in waves of worn and worried wander..."
(2016)
Ouça aqui

"ประเทศของคุณอยู่ในงานศพมานานแล้ว"
(2019)
Ouça aqui

---------

Bruxelas | Bélgica
Bandcamp aqui
Facebook aqui
Foto daqui

Melhor disco para escrever

"USSR 1926"
(2015)
Ouça aqui

Para continuar escrevendo

"BERLIN 1927"
(2014)
Ouça aqui

"USA 1982"
(2017)
Ouça aqui

"Live Session"
(2020)
Ouça aqui

"Classical Re:works"
(2020)
Ouça aqui

---------

Salt Lake City | Estados Unidos
Bandcamp aqui
Facebook aqui
Foto daqui

Melhor disco para escrever

"Stella Mori"
(2020)
Ouça aqui

Para continuar escrevendo

"Beyond The Sea, Beneath The Sky"
(2009)
Ouça aqui

"Between Consciousness and Sleep"
(2013)
Ouça aqui

"I Hear Sirens"
(2007)
Ouça aqui

---------

Lyon | França
Bandcamp aqui
Facebook aqui
Foto daqui

Melhor disco para escrever

"Le déséquilibre originel"
(2018)
Ouça aqui

Para continuar escrevendo

"La couleur de mes rêves"
(2015)
Ouça aqui

"Paralysis"
(2020)
Ouça aqui

---------

São Paulo | Brasil
Bandcamp aqui
Facebook aqui
Foto daqui

Melhor disco para escrever

"Anatema"
(2010)
Ouça aqui

Para continuar escrevendo

"Kadjwynh"
(2012)
Ouça aqui

"Etéreo"
(2009)
Ouça aqui

---------

Roma | Itália
Bandcamp aqui
Facebook aqui
Foto daqui

Melhor disco para escrever

"Tuēri"
(2019)
Ouça aqui

Para continuar escrevendo

"Dione"
(2020)
Ouça aqui

---------

Pécs | Hungria
Bandcamp aqui
Facebook aqui
Foto daqui

Melhor disco para escrever

"Colours for the Finder"
(2019)
Ouça aqui

---------

Cidade do Cabo | África do Sul
Bandcamp aqui
Facebook aqui
Foto daqui

Melhor disco para escrever

"Velvet Youth"
(2019)
Ouça aqui

---------

Barcelona | Espanha
Bandcamp aqui
Facebook aqui
Foto daqui

Melhor disco para escrever

"Waves & Particles"
(2020)
Ouça aqui

---------

Trieste | Itália
Bandcamp aqui
Facebook aqui
Foto daqui

Melhor disco para escrever

"Hidden Code"
(2020)
Ouça aqui

---------


Playlist Música para Escrever #57

Os melhores temas da edição #57 da série “Música para Escrever”, com a tailandesa a world wondered full, a belga We Stood Like Kings, a norte-americana I Hear Sirens, a francesa Alpha du Centaure, a brasileira Labirinto, as italianas Lai delle Nubi e Quiet is the new Loud, a húngara Overmorrow, a sul-africana Yndian Mynah e a espanhola Audiolepsia. Os melhores sons de post-rock para inspirar a imaginação e criar o clima propício de introspecção.

Ouça no Spotify aqui [falta 01 música da We Stood Like Kings]

Ouça no YouTube aqui [faltam 05 músicas de a world wondered full]

01) She Saw Birds Flying, I Only Saw My Dog Dying [a world wondered full]

02) Samoyedes [We Stood Like Kings]

03) Burden of Memory [I Hear Sirens]

04) Le mouvement perpétuel [Alpha du Centaure]

05) Chromo [Labirinto]

06) Melancholia [Lai delle Nubi]

07) Stormkeeper [Overmorrow]

08) 80 Flamingoes [Yndian Mynah]

09) Pyrrhic Victory [I Hear Sirens]

10) Cairo [Labirinto]

11) Mistake, Lights and Breaths [Quiet is the new Loud]

12) Berlin 1927: Akt III [We Stood Like Kings]

13) The March [I Hear Sirens]

14) Four Corners [We Stood Like Kings]

15) Some Kind of Shelter [Audiolepsia]

16) Tromper l'ennui et embrasser le néant [Alpha du Centaure]

17) Grand Finale [Lai delle Nubi]

18) Who do You Call When the Police Murder? What Songs Will You Sing for a Building Burning Bright?, Pt. 2 [a world wondered full]

19) Sarramauca [Alpha du Centaure]

20) Eidolon [We Stood Like Kings]

21) II: XXXXXXXXXXXXXXX [a world wondered full]

22) Like A Leaf From A Tree In Its Dying Season [I Hear Sirens]

23) Piano Sonata No. 14 in C# minor, Op. 27, No. 2: Andante sostenuto [We Stood Like Kings]

24) Their hollow specter smeared across the moving pane: Part 1 [a world wondered full]

25) ประเทศของคุณอยู่ในงานศพมานานแล้ว (sideA) [a world wondered full]

---------

Confira o Música para Escrever #56, com Mesozoic, Ben Haskins, SIX DAYS OF CALM, LA VERITE, Nieeve, Northway, KOSMOVOID, Wolfredt, Dog Is My Copilot e satellites, neste post aqui


Confira a série Música para Escrever,
com 440 bandas e 903 discos,
neste post aqui

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dez passagens de Clarice Lispector nas cartas dos anos 1950 (parte 1)

Clarice Lispector (foto daqui ) “O outono aqui está muito bonito e o frio já está chegando. Parei uns tempos de trabalhar no livro [‘A maçã no escuro’] mas um dia desses recomeçarei. Tenho a impressão penosa de que me repito em cada livro com a obstinação de quem bate na mesma porta que não quer se abrir. Aliás minha impressão é mais geral ainda: tenho a impressão de que falo muito e que digo sempre as mesmas coisas, com o que eu devo chatear muito os ouvintes que por gentileza e carinho aguentam...” “Alô Fernando [Sabino], estou escrevendo pra você mas também não tenho nada o que dizer. Acho que é assim que pouco a pouco os velhos honestos terminam por não dizer nada. Mas o engraçado é que não tendo absolutamente nada o que dizer, dá uma vontade enorme de dizer. O quê? (...) E assim é que, por não ter absolutamente nada o que dizer, até livro já escrevi, e você também. Até que a dignidade do silêncio venha, o que é frase muito bonitinha e me emociona civicamente.”  “(...) O dinheiro s

Oito passagens de Conceição Evaristo no livro de contos Olhos d'água

Conceição Evaristo (Foto: Mariana Evaristo) "Tentando se equilibrar sobre a dor e o susto, Salinda contemplou-se no espelho. Sabia que ali encontraria a sua igual, bastava o gesto contemplativo de si mesma. E no lugar da sua face, viu a da outra. Do outro lado, como se verdade fosse, o nítido rosto da amiga surgiu para afirmar a força de um amor entre duas iguais. Mulheres, ambas se pareciam. Altas, negras e com dezenas de dreads a lhes enfeitar a cabeça. Ambas aves fêmeas, ousadas mergulhadoras na própria profundeza. E a cada vez que uma mergulhava na outra, o suave encontro de suas fendas-mulheres engravidava as duas de prazer. E o que parecia pouco, muito se tornava. O que finito era, se eternizava. E um leve e fugaz beijo na face, sombra rasurada de uma asa amarela de borboleta, se tornava uma certeza, uma presença incrustada nos poros da pele e da memória." "Tantos foram os amores na vida de Luamanda, que sempre um chamava mais um. Aconteceu também a paixão

Dez poemas de Carlos Drummond de Andrade no livro A rosa do povo

Consolo na praia Carlos Drummond de Andrade Vamos, não chores... A infância está perdida. A mocidade está perdida. Mas a vida não se perdeu. O primeiro amor passou. O segundo amor passou. O terceiro amor passou. Mas o coração continua. Perdeste o melhor amigo. Não tentaste qualquer viagem. Não possuis casa, navio, terra. Mas tens um cão. Algumas palavras duras, em voz mansa, te golpearam. Nunca, nunca cicatrizam. Mas, e o humour ? A injustiça não se resolve. À sombra do mundo errado murmuraste um protesto tímido. Mas virão outros. Tudo somado, devias precipitar-te — de vez — nas águas. Estás nu na areia, no vento... Dorme, meu filho. -------- Desfile Carlos Drummond de Andrade O rosto no travesseiro, escuto o tempo fluindo no mais completo silêncio. Como remédio entornado em camisa de doente; como dedo na penugem de braço de namorada; como vento no cabelo, fluindo: fiquei mais moço. Já não tenho cicatriz. Vejo-me noutra cidade. Sem mar nem derivativo, o corpo era bem pequeno para tanta