Pular para o conteúdo principal

Seis sonetos de Cyro de Mattos no livro O discurso do rio

Cyro de Mattos


Da amizade partida
Cyro de Mattos

Amigo é quem nunca esquece a sede, a fome
de muitos no rio efêmero da vida.
Põe no prato o peixe, na talha água pura
e nunca espera nada de volta. Tudo

dá com sobras, areia para argamassa
das casas, a corredeira para a roupa
ser lavada, o peixe para o homem vender,
o sol admirando-se nos mil espelhos

que espalhou perto de clarear o dia,
a lua no areal derramando prata,
o balé de borboletas nos barrancos.

Nunca quem passa ligeiro, não querendo
saber desse esgoto onde me jogaram
sem remorso para eu morrer aos poucos.

--------

Do esgoto a céu aberto
Cyro de Mattos

Ficou claro que as lavadeiras, quando
botavam as roupas para secar,
coloriam as inúmeras pedras
pretas, levando emoção a quem visse.

A cidade sabia que a argamassa
das casas era feita duma fibra
especial: calo, suor e areia.
O peixe fabricava o pão da vida.

O aguadeiro anunciava a água fresca
com uma voz cristalina. O visual
de tão lindo parecia sem fim.

Ficou claro que, de tanto no ventre
virar lodo, o espetáculo envergonha.
Eis que escorre no esgoto a céu aberto.

--------

Das mãos na goela das águas
Cyro de Mattos

Venho sendo omisso pra refazer
virginais caminhos de água, dizendo
melhor, matei o que era para ser
vivo no seu amanhecer líquido.

Eu me acuso por ser indiferente
ao benefício, sempre abundante,
de água pura que jorrava na fonte,
peixe e rede no orvalho competente.

E como réu confesso que merece
por tão grave delito ser punido,
chegando do que lhe foi natural,

em noite morta, que nunca apetece,
lavro minha sentença, condenado
a viver no abismo do que há no Mal.

--------

Dos remorsos
Cyro de Mattos

Escuto vozes. Como acreditar?
A mancha nas águas a envergonhar
diz da fuga em desespero, tingida
a manhã do horror na taba queimada.

Por entre sombras do que não se apaga
escorre a dívida que não se paga.
Remorsos não existem nas entranhas
dos que chamam as cenas de façanhas.

A mancha na mágoa que flutua.
De rio que chora. Chacina ecoa
nessa triste música. Escuta a lua.

Saberá quantos ventos entoam
os feixes de lamento que guardam?
Na água, feridas vozes machucam.

--------

Dos rumores e afagos
Cyro de Mattos

Sai do olho. Desce no fio.
Terra come. Nuvem bebe.
Muda a pele. Vira cobra.
Cai na pancada formosa.
       
Inunda. Derruba. Afoga.
Assombra. A barriga murcha.
Bicos alegres surgem.
No dorso trissam. Triscam.

Tecem fios de ouro e prata.
Andorinhas, andorinhas.
Sutil carícia voa.

Despede-se. Esquece o doce.
Urina o mar. Não me deixa.
Tão ser, tão pedra, tão água.

--------

Do sol aceso no peito
Cyro de Mattos

Grudou na pele tudo que passou,
Foi lá onde pulsou o coração.
Verdades muitas que foram guardadas
são ternuras de um local esplêndido.

Cada salto era melhor do que o outro,
a disputa coloria o domingo.
Cumpria os deveres do colégio,
era preciso estudar pra ser gente

mas quando nadava no rio tinha
a nota máxima com a flor do sol
acesa no peito. De pedra em pedra,

ultrapassava os poços mais profundos.
Trunfo do amor a cada travessia.
Ganhar e perder risos rendiam-me.


Presentes no livro de poemas “O discurso do rio” (Palimage, 2020), de Cyro de Mattos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Seleta: Lisa Hannigan

Lisa Hannigan (foto daqui ) Conheci a cantora e compositora irlandesa Lisa Hannigan graças ao emocionante filme “ Maudie ” (2016), da diretora irlandesa Aisling Walsh (baseado na história da artista canadense Maud Lewis ). A música dos créditos finais é “ Little Bird ”, e a suavidade, timbre, afinação e interpretação tátil da bela voz de Lisa Hannigan me fisgou na hora! Contemplei três dos seus álbuns, “ At Swim ” (2016), “ Passenger ” (2011) e “ Sea Sew ” (2008), e fiz uma seleta com 20 canções que mais gostei. Confira o belo trabalho da irlandesa Lisa Hannigan ! Ouça no YouTube  aqui Ouça no Spotify aqui 1) Tender [At Swim, 2016] 2) Funeral Suit  [At Swim, 2016] 3) Home [Passenger, 2011] 4) Little Bird [Passenger, 2011] 5) Paper House [Passenger, 2011] 6) An Ocean and a Rock [Sea Sew, 2008] 7) Prayer for the Dying [At Swim, 2016] 8) Nowhere to Go [Passenger, 2011] 9) Anahorish [At Swim, 2016] 10) We, the Drowned [At Swim, 2016] 11) Splishy Splashy [Sea Sew, 2008] 12) T

Leituras 2020

Os 10 livros lidos em 2020 Li 10 livros em 2020 , com destaque para a poesia, e selecionei trechos das obras de Alex Simões , Lúcio Autran , Wesley Correia , Mariana Botelho , Nina Rizzi , Érica Azevedo , Ana Valéria Fink e Cyro de Mattos , e trechos dos romances de Franklin Carvalho e Victor Mascarenhas . Além dos livros, elaborei uma seleção de poemas de Zecalu [publicados nas redes sociais em 2019], outra seleta de trechos de crônicas de Santiago Fontoura [publicadas no Facebook], e uma seleção de poemas de Martha Galrão . Por fim, reli a autobiografia de Rita Lee e divulguei trechos também. Boa leitura! “Contrassonetos catados & via vândala” (Mondrongo, 2015) Alex Simões Leia trechos  aqui “soda cáustica soda” (Patuá, 2019) Lúcio Autran Leia trechos  aqui “laboratório de incertezas” (Malê, 2020) Wesley Correia Leia trechos  aqui “o silêncio tange o sino” (Ateliê Editorial, 2010) Mariana Botelho Leia trechos  aqui   “A ordem interior do mundo” (7Letras, 2020) Franklin Carv

Seleta: Edson Gomes

Os discos e as músicas do cantor e compositor Edson Gomes são os meus prediletos e as que eu mais gosto dentre tudo que é feito de reggae no Brasil. No meado dos anos 1990, eu só ouvia Bob Marley & The Wailers o tempo inteiro, e foi o ilustre mestre cachoeirano quem despertou o meu interesse para outros sons além do gigante jamaicano. Fiquei fã de Edson Gomes antes de conhecer Burning Spear , Peter Tosh , Alpha Blondy , Gregory Isaacs e muitos outros. Foram os clássicos dele, e são muitos, muita música boa, arranjos excelentes, o sonzaço da banda Cão de Raça (adoro a timbragem e improvisos do guitarrista Tony Oliveira ), que me apresentaram a magia do Recôncavo Baiano , de Cachoeira , muitos anos antes da Flica . Na Seleta de hoje, as 42 músicas que mais gosto, gravadas por Edson Gomes & Banda Cão de Raça , presentes em seis álbuns : “ Resgate Fatal ” (1995), “ Campo de Batalha ” (1992), “ Recôncavo ” (1990), “ Apocalipse ” (1997), “ Reggae Resistência ” (1988) e “ Acor