Pular para o conteúdo principal

Vamos ouvir: BaianaSystem, o som do verão

BaianaSystem, por Filipe Cartaxo


Release do BaianaSystem ao longo do post, disponível no site da banda:

"
A Bahia exporta para o mundo o som produzido pela guitarra baiana. E é para mostrar as novas possibilidades sonoras do instrumento popularizado no Carnaval de Salvador que, há dois anos, o BaianaSystem produz uma música urbana com influências das culturas brasileira, africana e jamaicana. “Eu não gosto da ideia de resgate, porque referencia o passado. A guitarrinha precisa dialogar com o que está se produzindo hoje”, ressalta o idealizador do projeto, Robertinho Barreto.

Nas mãos dele, a guitarrinha dialoga de forma harmônica com as sonoridades africanas e com a liberdade e psicodelia do dub. O instrumento se renova e interage com as bases trabalhadas e mixadas por Chico Corrêa e João Meirelles. Em todas as músicas produzidas pelo grupo há inserções de sons e efeitos com liberdade de improvisos. 
"


Não consegue visualizar o player? Ouça aqui

"
O vocal também é especial. Na voz de Russo Passapusso, o BaianaSystem explora novas possibilidades de timbragens e de interação com a produção das bases rítmicas dos sound system`s. Essa linguagem e a filosofia das “colagens” dos sistemas de sons, do recriar a partir do existente, tornam o desafio do grupo.

BaianaSystem tem um formato que possibilita diversas combinações, “sistemas”. Com isso, amplia a ideia de sound system`s para novas timbragens, estéticas e formações musicais. A base do grupo, no entanto, vem sendo preparada pelo núcleo formado pelo guitarrista Robertinho Barreto, o vocalista Russo Passapusso, o baixista e também produtor do disco Marcelo Seco, o percussionista Wilton Batata e o DJ João Meireles (bases e mixdubs).

Concepção visual – BaianaSystem tem uma concepção visual idealizada e executada por Filipe Cartaxo. Em todos os materiais produzidos para a banda, Filipe explora grafismos como referências às manifestações populares da Bahia, como o Carnaval e as demais festas de largo.
"



Não consegue visualizar o player? Ouça aqui

"
CD – Toda essa inventividade sonora pode ser conferida no primeiro CD homônimo ao grupo, onde o BaianaSystem canta a cidade e suas nuances cotidianas. Para reforçar o time, o disco conta com participações como as de Chico Corrêa, Lucas Santtana, Gerônimo, Roberto Mendes, Buguinha Dub e o mais constante parceiro do grupo, BNegão. O álbum teve grande aceitação do público e da mídia, tendo recebido críticas positivas de revistas especializadas em música, como a Bravo.

Reconhecimento – O BaianaSystem já participou de projetos, além de ter sido apoiado por editais como Conexão Vivo (2010 e 2011), Caixa Cultural (2010) e Oi Futuro (2011). Dentre as apresentações do grupo no ano passado estão a Womex/Dinamarca, World Music Shangai e Expo Shangai/China em 2010, o Festival de Inverno de Garanhuns, o Brasil Rural Contemporâneo 2010 de Brasília, o REC Beat de Pernambuco, o Festival UFSCAR de São Paulo e o Sesc/Prata da Casa, no mesmo estado.

"


Não consegue visualizar o player? Ouça aqui

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…