Pular para o conteúdo principal

Melhores da revista piauí em 2011

Capas das revistas piauí 55, 59, 56, 61, 52, 58, 62, 53, 57, 54 e 63 de 2011.


Os 26 melhores textos/HQs que foram publicados na revista piauí em 2011 você confere nos links abaixo, selecionados por mim, assinante (primeiro das bancas e depois na forma padrão) desde a piauí_5, num levantamento que fiz em 2013.

A melhor piauí de 2011 foi a de número 55, de abril, com destaque para os cartuns de Wolinski, a versão controversa das histórias de Persio Arida na época da ditadura, as lembranças da construção de Brasília por Marcos de Azambuja, e os textos de Saul Steinberg e Fred Vargas, entre outros.

Completando o top five, a #59 (agosto), com a reportagem de Marcia Angell sobre o assustador crescimento do número de pessoas com transtornos mentais e de pacientes tratados com antidepressivos; a #56 (maio), com o melhor texto publicado pela revista no ano, a emocionante reportagem de Consuelo Dieguez sobre a tragédia da Região Serrana do Rio; a #61 (outubro), com o texto de Curzio Malaparte, autor de A Pele e Kaputt; e a #52 (janeiro), com o escritor irlandês Colm Tóibín narrando a trajetória de seu país, da pobreza à prosperidade e de volta à pobreza, em apenas quinze anos, e a reportagem de Clara Becker sobre os médicos legistas. A pior piauí do ano, foi a #60, de setembro.

PS: Os links foram retirados do post porque a revista trocou de servidor duas vezes, e não há como definir se o conteúdo continuará disponível na internet. Recomenda-se procurar o site da revista no Google, e pesquisar pelo título da matéria para verificar se está disponível para leitura ou não.


Melhores 2011 - Parte I


O fim do mundo
A catástrofe de Friburgo, obra nacional.
Consuelo Dieguez
piauí #56


Misteriosa entrega e mudança de si mesmo
A imersão do autor de O Jogo da Amarelinha nos labirintos secretos de Paris.
Cartas de Julio Cortázar | Introdução de Davi Arrigucci Jr.
piauí #58


O traidor
“Não chore”, disse-lhe o embaixador, “vamos mandá-lo para a Espanha. Você vai ser bem acolhido. Vai ser perdoado. Não é culpa sua se os russos fizeram de você um comunista quando ainda era um menino. Não chore”.
Curzio Malaparte
piauí #61


Rakudianai
A política, a prisão, o encontro com o crocodilo, o julgamento e meu pai: lembranças de quarenta anos atrás.
Persio Arida
piauí #55


Migalhas de um casamento
Com 86 anos, a gente tem o direito de começar a viver. Tem noites assim. Noites em que um homem se levanta e age.
Fred Vargas
piauí #55


A epidemia de doença mental
Por que cresce assombrosamente o número de pessoas com transtornos mentais e de pacientes tratados com antidepressivos e outros medicamentos psicoativos.
Marcia Angell
piauí #59


Minha dor não sai no jornal
Eu era fotógrafo de O Dia, em 2008, quando fui morar numa favela para fazer uma reportagem sobre as milícias. Fui descoberto, torturado e humilhado. Perdi minha mulher, meus filhos, os amigos, a casa, o Rio, o sol, a praia, o futebol, tudo.
Nilton Claudino
piauí #59


Ouvindo os mortos
Médicos legistas são uma espécie rara: aos vivos, preferem os que já não podem falar, mas ainda têm muito a dizer.
Clara Becker
piauí #52


Tufão, tromba, trombeta: dadá
Odores de Bucareste, solidão em Milão, restaurantes franceses com cozinheiros chineses em Nova York.
Saul Steinberg
piauí #55


Minha natureza atormentada
Durante mais de três décadas, o escritor americano John Cheever registrou metodicamente seus abismos interiores: alcoolismo, um casamento atritado, bissexualismo clandestino, solidão e remorso. Publicado postumamente, o diário soturno alterou de maneira definitiva a imagem do artista tido como o arauto da beleza e da luz.
John Cheever
piauí #53


Ler um romance
Acompanhamos essas histórias como se observássemos uma paisagem e, transformando-a em pintura com os olhos da mente, deixamos que ela nos influencie.
Orhan Pamuk
piauí #62


Videla é a mãe
A inauguração de Brasília e a missão brasileira na ONU: às vezes, a clareza e a brevidade são absolutamente necessárias.
Marcos de Azambuja
piauí #55


Melhores 2011 - Parte II


Curtindo adoidado
A vida e as tentações de Keith Richards (trecho da biografia).
David Remnick
piauí #52


Cadeia de erros
Como e por que o Legacy da Embraer bateu no Boeing da Gol e matou 154 pessoas.
Ivan Sant'anna
piauí #57


Pátria e morte
Notas e correspondências deixadas por kamikazes japoneses na Segunda Guerra Mundial.
Emiko Ohnuki
piauí #61


O preço da felicidade, o custo da desgraça
Em texto exclusivo para a piauí, o escritor irlandês narra a trajetória de seu país, da pobreza à prosperidade e de volta à pobreza, em apenas quinze anos.
Colm Tóibín
piauí #52


Casa bem-assombrada
O Itamaraty antes da sua ida para Goiás.
Marcos de Azambuja
piauí #54


Com Roberto Marinho
Minhas três décadas de trabalho na construção da Rede Globo, ao lado do dono.
José Bonifácio de Oliveira Sobrinho
piauí #63


Os que morrem, os que vivem
Champinha, estuprador e assassino, continua preso apesar de ter cumprido sua pena.
Luiz Henrique Ligabue
piauí #56


Curtindo a vida adoidado
Com suas frases impagáveis, agressões a mulheres, teorias conspiratórias sobre o 11 de Setembro e seu exibicionismo, Charlie Sheen supera o Império do Entretenimento e redefine o papel da celebridade no panorama cultural.
Bret Easton Ellis
piauí #56


Em defesa da obra
As corporações da mídia querem que os escritores trabalhem de graça, não façam arte e exponham a vida privada na internet – e contam com o apoio de Paulo Coelho.
Bernardo Carvalho
piauí #62


Senhor Norma Culta
Evanildo Bechara defende que o aluno deva ser poliglota em sua própria língua. “Ninguém vai à praia de fraque ou de chinelo ao Municipal”, diz.
Clara Becker
piauí #57


O mundo gira e o lusitano roda
Aos 102 anos, e com uma obra de mais de quarenta filmes, o diretor português Manoel de Oliveira se prepara para levar às telas três contos de Machado de Assis.
Paulo Nogueira
piauí #57


Melhores 2011 - HQs


Meio século de sexo - Cartuns
Os costumes eróticos franceses.
Wolinski
piauí #55


Desencontros literários
Quadrinhos
Caco Galhardo
piauí #59


Cartuns
Nani
piauí #59

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…