Pular para o conteúdo principal

O funeral de LucaSande


Lucas Sande, o DJ Cangaço

Enterramos o corpo de Lucas Sande, o melhor de nós, hoje à tarde, 25 de fevereiro de 2013, no cemitério que tem o nome do que vai nos acompanhar por um bom tempo.

Beatriz veio do Rio Grande do Sul. Marinho veio de Santa Catarina. O irmão, valente, a amparar o pai, desolado pela maior dor de todas. A mãe, grata por tanto amor, a afagar os últimos carinhos no rosto silencioso do seu filho, nosso amigo. E a pedir a presença de Rodrigo, Ivan e Pedro Araujo, os amigos mais irmãos do nosso Sande. Cânticos, orações, Victor Uchôa lendo seu lindo texto de despedida e o hino do Bahia puxado com plenos pulmões. Ele, fiel, vestido com a camisa do Bahia, embalado pela bandeira do Bahia, num sonho de paz eterna, tricolorizado por um colar de Gandhi, flores e os crachás do trabalho, funcionário exemplar que era, responsável, atuante e competente. O chapéu de cangaceiro, cravejado por depoimentos emocionados em caneta azul.

Muitos parentes e amigos vieram de Santo Antônio de Jesus, a cidade natal do menino do interior que encantou a capital, moldando e transmutando a opinião de tantos formadores que foram se despedir em silêncio e lágrimas. Uma multidão, caminhando lentamente, lá pros fundos do jardim, quase na borda limítrofe do muro, em silêncio.

Os prantos foram constantes, a cada momento um amigo desfalecia, aqui e ali, inconformados com a lógica perversa do acaso, que prega a peça escrota de ceifar a matéria do sorriso único de um irmão querido, delegando à memória uma necessidade urgente de ser preservada, vivenciada, relembrada, celebrada. Lembra daquela? E aquela vez? E quando ele falava assim?

A sepultura foi selada e diversas flores ornaram a última morada de um corpo que celebrou como poucos o gozo supremo da vida com oxigênio. O cerimonial encerrou, a Messiânica fez a última cerimônia e ninguém arredou o pé. Ficamos ali, ao lado, próximo, embaixo do sol quente como sempre foi a presença do solar Sande. Kalu, o cantor que o astro mais viu nesta breve vida, entoou "Zanzibar", a música que ele mais gostava, segundo Marinho e Araújo. Coro, palmas e o último groove.

Somos da turma de Sande, da voz do campeão, do povo o clamor, deste que nunca foi vencido em vibração porque sempre foi o melhor de todos, o dono do maior coração, da insuperável positividade de espírito que agora retorna à luz. Obrigado, meu querido astro, tua cerimônia foi digna de uma estrela única, singular e tão humana para muito além dessas palavras roucas, dessa dor tão pontiaguda. Pai nosso, cuida do nosso menino, amém.

Comentários

Mayrant Gallo disse…
Sempre que morre um jovem, a tristeza é maior, e a dor, mais intensa, porque interfere em nossos sentimentos o fato de que ele poderia ter uma vida mais longa, junto a nós. Meus pêsames pra você, Mirdad, para a família e os amigos.

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…