Pular para o conteúdo principal

Vamos ouvir: House of Tolerance, da banda Cambriana

House of Tolerance (2012), da Cambriana



Não consegue visualizar o player? Ouça aqui

Release da Cambriana, disponível no site da banda:

Cambriana é uma banda de “pop psicodélico” de Goiânia, Goiás, inspirada por artistas como Brian Eno, The Kinks, Grizzly Bear, Neil Young, Radiohead, entre outros.

Luis Calil (vocal) iniciou o processo de criação do álbum de estreia da banda, House of Tolerance, no fim de 2010, com ajuda via internet de um amigo de Brasília, Wanderson Meireles, nas composições, e apoio de Rafael Morihisa e Israel Santiago (guitarristas) nas gravações.

Um ano depois, o álbum - gravado, produzido e mixado pela própria banda, sem qualquer ajuda externa - foi disponibilizado na internet, no dia 27 de Janeiro de 2012. Ele se espalhou rapidamente pelas redes sociais, e foi elogiado por praticamente todos os sites de música alternativa do Brasil (como Move That Jukebox, Rock In Press, Rock ‘n’ Beats, Meio Desligado, Miojo Indie, etc).

Em poucos meses, a banda já contava com milhares de seguidores no Facebook e Twitter, dezenas de milhares de downloads, e centenas de milhares de acessos no YouTube. Convites de shows levaram a banda a completar sua formação ao vivo com Pedro Falcão (baixo), Heloísa Cassimiro (bateria) e Wassily Brasil (teclado).

Ao longo de 2012, a banda se apresentou em várias cidades de Goiás, Minas Gerais, São Paulo, e Brasília. O grupo também tocou em grandes festivais como o Vaca Amarela, em Goiânia (ao lado do Móveis Coloniais de Acaju e Black Drawing Chalks), e o Canto da Primavera, em Pirenópolis, onde dividiu o palco com artistas como o Otto, Marcelo Jeneci, Criolo e Milton Nascimento.

Em Setembro, saiu o primeiro clipe, da música The Sad Facts (que rapidamente alcançou mais de 30 mil acessos), e o lançamento da versão física de House of Tolerance, pelo selo Fósforo Cultural. A banda, no entanto, já estava no segundo mês do processo de criação de um novo EP, que viria a ser lançado no início de 2013.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Pílulas: Provérbios, de Mãe Stella de Oxóssi

Mãe Stella de Oxóssi (foto: Iraildes Mascarenhas - interferida por Mirdad)

"Criar desculpas para os próprios atos é a melhor maneira de permanecer no erro"


"Quem está vinculado ao sagrado, não deve mentir em seu nome"


"Fé não se impõe"


"Quem desdenha dos defeitos alheios está exibindo os seus"


"Às vezes se precisa perder pouco, para não perder tudo"


"O caminho espiritual pode ser comunitário, porém é sempre solitário"


Provérbios Mãe Stella de Oxóssi (2007)

"O que o destino disser que é, ninguém terá força para dizer que não é"


"Saber morrer faz parte do saber viver"


"Não é sábio aquele que se acha sabido"


"A presença do 'se' mostra a impossibilidade de realização dos desejos"


O provérbio diz: "Não há Orixá como o estômago, pois recebe sacrifícios diariamente". Mãe Stella de Oxóssi interpreta: "O estômago é como uma divindade, precisa ser respeitado e cuidado"

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…