Pular para o conteúdo principal

Melhores da revista piauí em 2006

Capas das revistas piauí 03, 01 e 02 de 2006.


Os 13 melhores textos/HQs que foram publicados na revista piauí em 2006 você confere nos links abaixo, selecionados por mim, assinante (primeiro das bancas e depois na forma padrão) desde a piauí_5, num levantamento que fiz em 2015.

A melhor piauí de 2006 foi a de número 03, de dezembro, com destaque para o melhor texto publicado na revista no ano, as memórias de Millôr Fernandes, com uma bela introdução de Mario Sergio Conti, além das reflexões de Fernanda Torres sobre o pânico de ser atriz e a decepção dos pesquisadores de Guimarães Rosa por seus herdeiros impedirem a publicação de cartas e anotações do autor de Sagarana, entre outros.

No ano de estreia, destaca-se também a #02 (novembro), com João Moreira Salles detonando o limbo e a crônica de Antonio Prata sobre os riscos de ir de São Paulo ao Rio de carro; e a #01 (outubro), com o conto de Rubem Fonseca, o diário da escritora Cecília Giannetti batalhando em NY e a reportagem de Sílvio Ferraz sobre o sequestro do engenheiro brasileiro no Iraque.

PS: Os links foram retirados do post porque a revista trocou de servidor duas vezes, e não há como definir se o conteúdo continuará disponível na internet. Recomenda-se procurar o site da revista no Google, e pesquisar pelo título da matéria para verificar se está disponível para leitura ou não.


Melhores 2006 - Parte I


Millôr, um nome a zelar
Millôr se impõe uma forma fixa, a identidade nominal, e, dentro da prisão de si mesmo, expõe a liberdade
Millôr Fernandes, Mario Sergio Conti
piauí #03


O limbo não passa de um teologúmeno
O que a libertinagem, a fraqueza, as salas de espera e, talvez, a irmãzinha do Papa têm a ver com o destino das crianças inocentes
João Moreira Salles
piauí #02


No dorso instável de um tigre
O pânico de ser atriz vem da autoconsciência, do julgamento de si mesmo, da expectativa e de qualquer ruído que lembre o quão inútil é a profissão
Fernanda Torres
piauí #03


Diário arquivado
Para decepção dos pesquisadores de Guimarães Rosa, seus herdeiros impedem a publicação de cartas e anotações do autor de Sagarana
Cassiano Elek Machado
piauí #03


How do you do, Dutra?
É mais arriscado [e divertido] ir de São Paulo ao Rio de carro do que remar da África a Salvador
Antonio Prata
piauí #02


Miriam
Miriam, a mulher com um problema na garganta
Rubem Fonseca
piauí #01


Melhores 2006 - Parte II


Hoje o bicho pega na boate
O primeiro emprego em Nova York ninguém esquece
Cecília Giannetti
piauí #01


Desaparecido no deserto
Mistérios do sequestro do engenheiro brasileiro no Iraque
Sílvio Ferraz
piauí #01


A primeira menina do mundo
Nasceu na África há 3,3 milhões de anos
Marcos Sá Corrêa
piauí #01


Aí é luta, patuléia!
Uma desavença fonética opõe a jovem guarda aos palindromistas tradicionais - seria "Acena, Vanessa!" aceitável?
Vanessa Barbara
piauí #02


Enlarge your penis!
Mitos e realidades sobre os métodos de aumento do órgão masculino mais importante depois (depois?) do cérebro
Antonio Prata
piauí #03


O terceiro homem
Peter Norman, o branco solidário com o protesto negro
Dorrit Harazim
piauí #02


Melhores 2006 - HQ


Jean-Paul Sartre
Edward Sorel traça o perfil de Jean-Paul Sartre, o filósofo que, além do existencialismo, defendia a poligamia
Edward Sorel
piauí #03

Comentários

Possuo as primeiras 40 edições, em ótimo estado de conservação, mas por total falta de espaço penso em me desfazer delas.
Mirdad disse…
É importante se desfazer. Eu mesmo desfiz-me de todas ao longo dos anos, doando para biblioteca ou amigos.

Você pode vendê-la prum sebo e tirar algum.

Abraço!

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…