Pular para o conteúdo principal

LucaSande, o melhor de nós



LucaSande era um astro, o melhor de todos nós da geração xibiatagem na Facom-Ufba (2002-2007). Um grande coração, um comediante nato, com um dom incrível, apurado pelo olhar minucioso que investigava o ser humano e suas comédias. Inteligente, sagaz, rápido e caceteiro, com um acervo de 2 teras num HD plural, de cultura popular a Tutakamón, que criava frases impagáveis, únicas.

Foi o melhor frasista que conheci depois de Nelson Rodrigues, capaz de arrancar risadas intermináveis em todas as manhãs durante cinco anos, salvando o diploma de vários faconianos, inclusive eu. Graças a Lucas Sande, me formei em Jornalismo. A geração favoreceu, e muito, mas se não houvesse o nosso astro, o que ostentava um potente taco de beisebol pra receber os calouros, as piadas, risadas, tiradas não teriam a potência e eficiência que transformaram meninos em homens. Poderíamos ter abandonado o curso fácil, mas ele estava lá, na nossa Varandinha, esperando o momento exato para transformar a besteira que um dizia num desfecho surpreendente, numa teoria nova e psicodélica, numa alegria pura em seu estado mais natural.

É muito difícil e assustador aceitar que um ser além como Lucas Sande, entupido de vida, de energia, de um repertório vasto e interminável para nos ajudar a desmitificar o complexo e compreender que o melhor da vida é o grande coração, partiu antes de nós. O melhor de nós partiu antes de nós. Logo ele, por que ele, como é que ele vai antes de mim?

Deus te ilumine e abençoe, meu querido astro. Desculpe-me por não ter insistido como deveria na produção do teu lado artístico. Mas a tua luz, imensa, e que tanto alegrou a todos que tiveram a sorte de te encontrar nessa existência LucaSande, vai continuar, pelo resto dos nossos dias, eterno. Paz, irmão, descanse, grande coração.

Comentários

Daniel Mendes disse…
Belo texto Mirdad... Lucas Sande era um cara único e vai fazer muita falta... Abs Mirdad!

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…