Pular para o conteúdo principal

Melhores da revista piauí em 2012

Capas das revistas piauí 72, 67, 68, 71, 75, 69, 70, 74, 66 e 73 de 2012.


Os 36 melhores textos/HQs que foram publicados na revista piauí em 2012 você confere nos links abaixo (acesso gratuito e para assinantes da revista), selecionados por mim, assinante (primeiro das bancas e depois na forma padrão) desde a piauí_5, num levantamento que fiz em 2013.

A melhor piauí de 2012 foi a de número 72, de setembro, com destaque para o melhor texto publicado na revista no ano (e, até agora, o melhor de todas as edições), Pense na lagosta, de David Foster Wallace, o diário de Noemi Jaffe sobre os campos de concentração na 2ª Guerra Mundial e a história de paixão, revolução e traição durante a Revolução Cubana, entre outros.

Completando o top five, a #67 (abril), com o texto de Thomas Lynch sobre um profissional da morte, os últimos momentos de Tony Judt registrados por sua viúva e as lembranças de Fernanda Torres sobre a filmagem de Kuarup; a #68 (maio), com o texto de Francisco Goldman sobre os órfãos roubados na ditadura argentina e o que Clint Eastwood aprendeu; a #71 (agosto), com a súplica de um filho para que deixem sua mãe partir e um trecho da biografia de Carlos Marighella; e a #75 (dezembro), com o relato de uma tragédia numa praia do México e a reportagem de Consuelo Dieguez sobre uma operação desastrosa da Polícia Federal. A pior piauí do ano, foi a #64, de janeiro.

PS: Os links foram retirados do post porque a revista trocou de servidor duas vezes, e não há como definir se o conteúdo continuará disponível na internet. Recomenda-se procurar o site da revista no Google, e pesquisar pelo título da matéria para verificar se está disponível para leitura ou não.


Melhores 2012 - Parte I


Pense na lagosta
Uma incursão num mundo de exageros, mau gosto, prazeres e crueldade.
David Foster Wallace
piauí #72


A onda
Uma tragédia no México.
Francisco Goldman
piauí #75


Depois da lavoura
Trinta anos após deixar a literatura, Raduan Nassar doa sua fazenda a uma universidade pública, abandona a agricultura e se recolhe em silêncio no Retiro Feliz.
Rafael Cariello
piauí #70


O cérebro do meu pai
Trecho do livro Como ficar sozinho.
Jonathan Franzen
piauí #69


O papa-defunto
No interior dos Estados Unidos, um profissional da morte relata sua experiência.
Thomas Lynch
piauí #67


Filhos da guerra suja
Os órfãos roubados na ditadura argentina.
Francisco Goldman
piauí #68


O comandante ianque
Uma história de paixão, revolução e traição.
David Grann
piauí #72


Minha cerimônia do adeus
Num domingo de sol, vou ao cinema e começo a chorar no trailer. Eram as imagens de Xingu. Subitamente, me vi com 23 anos, de volta ao paraíso/inferno das filmagens de Kuarup, uma experiência que nunca mais me deixou e da qual me despeço aqui.
Fernanda Torres
piauí #67


A poeta e a pedra
Poemas de Wislawa Szymborska.
Eucanaã Ferraz
piauí #66


Uma vida que merece se encerrar
A era dos milagres da medicina criou uma nova fase de envelhecimento que não é vida e não é morte. A súplica de um filho para que deixem sua mãe partir
Michael Wolff
piauí #71


Nem vivos nem mortos
Os campos de concentração são a fome; mais do que tudo é ela a determinante de todos os outros acontecimentos, belos ou horríveis
Diário de Liwia Jaffe
piauí #72


Melhores 2012 - Parte II


Glória e perdição
Como uma operação da Polícia Federal contra o tráfico de drogas com ares de filme épico terminou em chanchada.
Consuelo Dieguez
piauí #75


Tudo que é ar desmancha no sólido 
Eurocopa 2012, quixotismos e crise espanhola.
Germán Labrador Méndez 
piauí #71


Tiro no cinema
Fragmento da biografia de Carlos Marighella.
Mário Magalhães 
piauí #71


Tentei fazer com meu filho o que o meu pai 
não conseguiu fazer comigo
O que aprendi.
Ozzy Osbourne
piauí #71


Volta, Rê Bordosa, vem viver outra vez ao meu lado
A doida não vinha com nenhum discursinho iconoclasta, tedioso e previsível, nenhuma palavra de ordem; era vexame em estado puro, libido destrambelhada, narcofissura, “falta de noção”.
Reinaldo Moraes
piauí #68


O intelectual é um urubu
Um bolo de rolo com o premiado padre-poeta Daniel Lima.
Ronaldo Bressane
piauí #68


No país do grande e amado Peterson
Intelectual paquistanês relembra as duas vezes em que esteve na Coreia do Norte, a convite do ditador Kim Il Sung: “Nunca em toda a minha vida senti tamanha aversão a um personagem político de esquerda”.
Tariq Ali
piauí #69


O fotógrafo que deu vida à morte
Alemão nascido em Berlim, Horst Faas alterou como poucos o curso da guerra travada pelos Estados Unidos no Vietnã.
Dorrit Harazim
piauí #69


Tony Judt: A vitória final
Durante dois anos de calvário, o historiador encontrou forças para escrever três livros, o último deles Pensando o Século XX, seu testamento intelectual: “A única coisa a respeito da qual ele era idealista era o debate público sério. Era só isso, além do amor, que restava em pé, não importava quanto a doença devastasse tudo o mais – e não era pouco o que ela devastava”, diz sua mulher.
Jennifer A. Homans
piauí #67


Se eu fosse mais disciplinado, poderia ter sido músico
O que aprendi.
Clint Eastwood
piauí #68


Pôr do sol em Ipanema
Humor do Méier ao Arpoador - Obituário de Millôr Fernandes.
Mario Sergio Conti
piauí #67


Melhores 2012 - Parte III


A transição
Lyndon Johnson e o dia do assassinato de John Kennedy.
Robert A. Caro
piauí #74


O petróleo depois da festa
Passados cinco anos da descoberta do pré-sal, área de exploração das reservas encolhe.
Consuelo Dieguez 
piauí #72


Cidade do átomo
Na fronteira entre França e Suíça, milhares de pesquisadores trabalham juntos em busca da nova física.
Bernardo Esteves
piauí #74


Era uma vez a transposição
Erros de planejamento do governo, açodamento político e pouco caso das empreiteiras encarecem, atrasam e comprometem as intermináveis obras do rio São Francisco.
Paula Scarpin
piauí #75


O liberal contra a miséria
A vida e as disputas com o PT do economista Ricardo Paes de Barros, o arquiteto improvável do programa social de Lula.
Rafael Cariello
piauí #74


A terra de Meirelles
Às vésperas de lançar mais um filme internacional, o cineasta reflete sobre as diferenças entre trabalhar no exterior e no Brasil.
Renato Terra
piauí #68


A década perdida
Como a Microsoft, a empresa mais valiosa do mundo em 2000, perdeu a vanguarda tecnológica, se burocratizou e foi atropelada pelos concorrentes.
Kurt Eichenwald
piauí #73


Cooperação conturbada
Quem são e por que brigam os editores da Wikipédia em português.
Bernardo Esteves
piauí #70


Tiririca no salão
O deputado mais votado do país chegou a Brasília como a maior piada da política brasileira. Uma vez lá, resolveu se levar a sério.
Clara Becker
piauí #68


O povo pop no poder
No livro Lulismo, Tales Ab’Sáber investiga o carisma do ex-presidente e os limites da crítica num Brasil em que todos são fãs de Paul McCartney.
Mário Sérgio Conti
piauí #69


Melhores 2012 - HQs


Sapato velho
Quadrinhos
Caco Galhardo
piauí #70


Cartuns de Alberto Montt 
piauí #75


Julio, Gina, Brigitte & tutti quanti 
Quadrinhos
Caco Galhardo e Reinaldo Moraes
piauí #75


A iluminação do botox
Quadrinhos
Aline e Robert Crumb
piauí #69

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…