Pular para o conteúdo principal

Vamos ouvir: Abayomy Afrobeat Orquestra

Abayomy (2012) - Abayomy Afrobeat Orquestra




Não consegue visualizar o player? Ouça aqui

Release escrito por Lucio Branco disponível no site da orquestra:

"
A ABAYOMY AFROBEAT ORQUESTRA é a primeira orquestra de afrobeat do Brasil. Ao redor do mundo, o afrobeat tem ganho considerável atenção desde a morte de Fela, em 1997, com a formação de muitas outras orquestras e bandas fora do ambiente africano. Inclusive, a vida de Kuti se transformou em musical de sucesso na Broadway e, atualmente, um filme sobre a sua trajetória está em processo de produção na Inglaterra.

Especialmente arregimentada para a primeira edição carioca do FELA DAY, em outubro de 2009, a ABAYOMY AFROBEAT ORQUESTRA estabeleceu, desde então, uma carreira sólida, com shows cada vez mais requisitados. No roteiro noturno carioca, a orquestra já tocou em casas como Circo Voador, Teatro Rival, Fundição Progresso, Cordão do Bola Preta, Teatro Odisseia, Casa Rosa. Fora do Rio, em (nome da casa local), em Friburgo, e no SESC Pompéia, em São Paulo. Um dos momentos mais marcantes da sua carreira foi a participação, no Teatro Rival, no evento de lançamento da versão em português da primeira e única autorizada biografia de Fela Kuti (Fela: esta vida puta) com a presença de seu autor, o cubano Carlos Moore.

A ABAYOMY conta em sua formação com membros de bandas de artistas como Vanessa da Matta, Nina Becker, Do Amor, Sobrado 112, Orquestra Imperial, Canastra, Paraphernália, Binário, Letuce etc. Nos shows, o repertório da orquestra tem composições próprias, algumas versões de pontos de candomblé no compasso do afrobeat e, claro, alguns covers de Fela Kuti.

"Abayomy", o primeiro álbum da banda foi lançado em outubro de 2012. O disco de estreia da Abayomy Afrobeat Orquestra teve a produção de André Abujamra e reúne seis composições próprias: : “Eru” é a canção que abre o disco; “Malunguinho” e “Obatalá” vêm na sequência, ambas saídas dos terreiros e de origem popular. A primeira é um k´orin (canto) de tradição Yorubá e a segunda vem do culto à Jurema, do nordeste do Brasil. Apresentadas à banda por Garnizé, ganharam um nova leitura Afrobeateada feita por todos; a próxima é “Emi Yaba”, escrita em Yorubá por Alexandre Garnizé para sua mãe; depois desse passeio pelos terreiros vem a instrumental “Afrodisíaco” que prepara o fechamento do disco; “No shit” composta por Gustavo Benjão, fecha brilhantemente “Abayomy” (essa ganhou textos lidos por André e pelo seu pai, o diretor teatral Antônio Abujamra).

A ABAYOMY AFROBEAT ORQUESTRA é:

Claudio Fantinato – percussão / Donatinho – teclado/vocal / Fabio Lima – sax/vocal / Garnizé – percussão/vocal / Gustavo Benjão – guitarra/vocal / Leandro Joaquim – trompete / Marco Serra Grande – trombone / Monica Ávila – sax / Pedro Dantas – baixo / Rodrigo de la Rosa– percussão / Thomas Harres – bateria/vocal / Thiagô – sax barítono / Vitor Gottardi – guitarra/vocal
"

Comentários

artur carmel disse…
Excelente !

Postagens mais visitadas deste blog

Seleta: Lisa Hannigan

Lisa Hannigan (foto daqui ) Conheci a cantora e compositora irlandesa Lisa Hannigan graças ao emocionante filme “ Maudie ” (2016), da diretora irlandesa Aisling Walsh (baseado na história da artista canadense Maud Lewis ). A música dos créditos finais é “ Little Bird ”, e a suavidade, timbre, afinação e interpretação tátil da bela voz de Lisa Hannigan me fisgou na hora! Contemplei três dos seus álbuns, “ At Swim ” (2016), “ Passenger ” (2011) e “ Sea Sew ” (2008), e fiz uma seleta com 20 canções que mais gostei. Confira o belo trabalho da irlandesa Lisa Hannigan ! Ouça no YouTube  aqui Ouça no Spotify aqui 1) Tender [At Swim, 2016] 2) Funeral Suit  [At Swim, 2016] 3) Home [Passenger, 2011] 4) Little Bird [Passenger, 2011] 5) Paper House [Passenger, 2011] 6) An Ocean and a Rock [Sea Sew, 2008] 7) Prayer for the Dying [At Swim, 2016] 8) Nowhere to Go [Passenger, 2011] 9) Anahorish [At Swim, 2016] 10) We, the Drowned [At Swim, 2016] 11) Splishy Splashy [Sea Sew, 2008] 12) T

Leituras 2020

Os 10 livros lidos em 2020 Li 10 livros em 2020 , com destaque para a poesia, e selecionei trechos das obras de Alex Simões , Lúcio Autran , Wesley Correia , Mariana Botelho , Nina Rizzi , Érica Azevedo , Ana Valéria Fink e Cyro de Mattos , e trechos dos romances de Franklin Carvalho e Victor Mascarenhas . Além dos livros, elaborei uma seleção de poemas de Zecalu [publicados nas redes sociais em 2019], outra seleta de trechos de crônicas de Santiago Fontoura [publicadas no Facebook], e uma seleção de poemas de Martha Galrão . Por fim, reli a autobiografia de Rita Lee e divulguei trechos também. Boa leitura! “Contrassonetos catados & via vândala” (Mondrongo, 2015) Alex Simões Leia trechos  aqui “soda cáustica soda” (Patuá, 2019) Lúcio Autran Leia trechos  aqui “laboratório de incertezas” (Malê, 2020) Wesley Correia Leia trechos  aqui “o silêncio tange o sino” (Ateliê Editorial, 2010) Mariana Botelho Leia trechos  aqui   “A ordem interior do mundo” (7Letras, 2020) Franklin Carv

Seleta: Edson Gomes

Os discos e as músicas do cantor e compositor Edson Gomes são os meus prediletos e as que eu mais gosto dentre tudo que é feito de reggae no Brasil. No meado dos anos 1990, eu só ouvia Bob Marley & The Wailers o tempo inteiro, e foi o ilustre mestre cachoeirano quem despertou o meu interesse para outros sons além do gigante jamaicano. Fiquei fã de Edson Gomes antes de conhecer Burning Spear , Peter Tosh , Alpha Blondy , Gregory Isaacs e muitos outros. Foram os clássicos dele, e são muitos, muita música boa, arranjos excelentes, o sonzaço da banda Cão de Raça (adoro a timbragem e improvisos do guitarrista Tony Oliveira ), que me apresentaram a magia do Recôncavo Baiano , de Cachoeira , muitos anos antes da Flica . Na Seleta de hoje, as 42 músicas que mais gosto, gravadas por Edson Gomes & Banda Cão de Raça , presentes em seis álbuns : “ Resgate Fatal ” (1995), “ Campo de Batalha ” (1992), “ Recôncavo ” (1990), “ Apocalipse ” (1997), “ Reggae Resistência ” (1988) e “ Acor