Pular para o conteúdo principal

Vamos ouvir: Abayomy Afrobeat Orquestra

Abayomy (2012) - Abayomy Afrobeat Orquestra




Não consegue visualizar o player? Ouça aqui

Release escrito por Lucio Branco disponível no site da orquestra:

"
A ABAYOMY AFROBEAT ORQUESTRA é a primeira orquestra de afrobeat do Brasil. Ao redor do mundo, o afrobeat tem ganho considerável atenção desde a morte de Fela, em 1997, com a formação de muitas outras orquestras e bandas fora do ambiente africano. Inclusive, a vida de Kuti se transformou em musical de sucesso na Broadway e, atualmente, um filme sobre a sua trajetória está em processo de produção na Inglaterra.

Especialmente arregimentada para a primeira edição carioca do FELA DAY, em outubro de 2009, a ABAYOMY AFROBEAT ORQUESTRA estabeleceu, desde então, uma carreira sólida, com shows cada vez mais requisitados. No roteiro noturno carioca, a orquestra já tocou em casas como Circo Voador, Teatro Rival, Fundição Progresso, Cordão do Bola Preta, Teatro Odisseia, Casa Rosa. Fora do Rio, em (nome da casa local), em Friburgo, e no SESC Pompéia, em São Paulo. Um dos momentos mais marcantes da sua carreira foi a participação, no Teatro Rival, no evento de lançamento da versão em português da primeira e única autorizada biografia de Fela Kuti (Fela: esta vida puta) com a presença de seu autor, o cubano Carlos Moore.

A ABAYOMY conta em sua formação com membros de bandas de artistas como Vanessa da Matta, Nina Becker, Do Amor, Sobrado 112, Orquestra Imperial, Canastra, Paraphernália, Binário, Letuce etc. Nos shows, o repertório da orquestra tem composições próprias, algumas versões de pontos de candomblé no compasso do afrobeat e, claro, alguns covers de Fela Kuti.

"Abayomy", o primeiro álbum da banda foi lançado em outubro de 2012. O disco de estreia da Abayomy Afrobeat Orquestra teve a produção de André Abujamra e reúne seis composições próprias: : “Eru” é a canção que abre o disco; “Malunguinho” e “Obatalá” vêm na sequência, ambas saídas dos terreiros e de origem popular. A primeira é um k´orin (canto) de tradição Yorubá e a segunda vem do culto à Jurema, do nordeste do Brasil. Apresentadas à banda por Garnizé, ganharam um nova leitura Afrobeateada feita por todos; a próxima é “Emi Yaba”, escrita em Yorubá por Alexandre Garnizé para sua mãe; depois desse passeio pelos terreiros vem a instrumental “Afrodisíaco” que prepara o fechamento do disco; “No shit” composta por Gustavo Benjão, fecha brilhantemente “Abayomy” (essa ganhou textos lidos por André e pelo seu pai, o diretor teatral Antônio Abujamra).

A ABAYOMY AFROBEAT ORQUESTRA é:

Claudio Fantinato – percussão / Donatinho – teclado/vocal / Fabio Lima – sax/vocal / Garnizé – percussão/vocal / Gustavo Benjão – guitarra/vocal / Leandro Joaquim – trompete / Marco Serra Grande – trombone / Monica Ávila – sax / Pedro Dantas – baixo / Rodrigo de la Rosa– percussão / Thomas Harres – bateria/vocal / Thiagô – sax barítono / Vitor Gottardi – guitarra/vocal
"

Comentários

artur carmel disse…
Excelente !

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…