Pular para o conteúdo principal

Crônicas: Maçalê e Farol, filhos queridos

Maçalê (Independente/2010), de Tiganá Santana, e Farol (Garimpo Música/2013), de Mou Brasil


Maçalê e Farol, filhos queridos
Crônica de Emmanuel Mirdad

A produção cultural é uma área árdua, geralmente de muito trabalho e pouca remuneração, que exige do profissional uma filosofia de vida “sangue no olho”, dedicação e foco total. Ano que vem completarei 15 anos na área, com muita ralação e perseverança, com algumas vitórias e feitos interessantes. Dois dos quais mais me orgulho são os álbuns “Maçalê” (2010), do cantor e compositor baiano Tiganá Santana, e “Farol” (2013), do guitarrista e compositor baiano Mou Brasil, dois amigos queridos, seres de luz.

Ambos moravam em Itapuã, profético bairro de Salvador-BA, quando os conheci, assim como o guitarrista e compositor Zanom, que tocou comigo na banda the orange poem (2001-2007), e o cantor e compositor Cal Ribeiro, todos baianos. Na época da laranja, sempre que podia Zanom puxava uma canção chamada “Overdose” e me recomendava: “Você precisa ouvir Cal Ribeiro!”. Quando a nossa banda terminou, fui trabalhar com produção na empresa Plataforma de Lançamento, do meu tutor Uzêda. Era janeiro de 2007. Tive acesso a um CD demo, voz e violão, com músicas de Cal [Tadeu Mascarenhas tinha tocado e dirigido um show do artista pro Troféu Caymmi em 2005 e ele sempre orbitou pela Plataforma]. Pirei no trabalho complexo do artista, que tinha uma voz incomum, timbre ácido e profético. Zanom tinha razão; eu precisava ouvir Cal Ribeiro.

Capa do CD demo voz e violão de Cal Ribeiro

Em outubro de 2007, procurei-o. Estava escrevendo um projeto de gravação de CD de minha carreira solo para o Fazcultura [que desisti no mês seguinte] e tinha selecionado a canção “Genealogia da Moral”, dele e do poeta Paulo César Vinhas – precisava então da anuência dos compositores. Finalmente conheci a figura na sede da Petrobras no Itaigara, em Salvador, um dia depois do meu aniversário, oito de outubro. Dias antes, quando o contatei pelo telefone, ele me pediu a indicação de um violonista para um show que faria, o lançamento do grupo “O Som Trino”. De pronto indiquei o amigo talentoso Thiago Kalu [outro artista que tentei produzir algumas vezes, mas não deram certo as minhas propostas], que topou a guiga. O show rolou no Teatro Sesi do Rio Vermelho, na quarta 17 de outubro. O que era pra ser a oportunidade de conhecer Cal Ribeiro ao vivo se tornou o encontro com a grande voz de um garoto reservado, tímido.

Quando ouvi pela primeira vez Tiganá Santana cantar, tive a certeza de que precisava ajudá-lo de alguma maneira. Terminou o show, subi no palco para conhecê-lo. “Você tem um disco para que eu possa comprar?”. Ele não tinha. Descobri como. Na semana seguinte, dia 23, reuni-me com Tiganá em minha casa. Dei-lhe CDs the orange poem e Ilusionador [CD-poema com poemas de meu pai], mostrei um pouco de meus livros, convidei-o para participar do projeto acústico Sad Child, sugeri uma parceria numa canção e conversamos sobre muitos assuntos. Fiz a proposta de produzir sua carreira e ele topou. Mas o projeto de gravação de CD teria de esperar, pois ele não tinha nenhuma gravação que prestasse para mostrar. Somente este ano, recentemente, fiquei sabendo que foi Cal Ribeiro quem ajudou a viabilizar as primeiras gravações feitas por Ataualba Meirelles, que serviram para inscrever o projeto “Maçalê” em 2008, essenciais para que fosse contemplado.

Cal Ribeiro, Tiganá Santana, Zanom e Carcará - show Organismo em 2008

No quarto mês de 2008, dei início a mais uma proposta de produção: o show “Organismo”, um encontro de quatro artistas com foco no cancioneiro autoral: Cal Ribeiro, Tiganá Santana, Zanom e eu. Já na reunião seguinte, fui vetado pelo próprio Cal, que colocou o cantor e compositor baiano Carcará no lugar. Aceitei de imediato, restando-me a produção, juntamente com Alan Lobo. Nos meses seguintes, foram várias reuniões e ensaios, e o show não ficou pronto. Hoje percebo que o encontro é o que valeu; as risadas a rodo, a troca de informações, de causos e histórias impagáveis, a celebração de lindas canções, o reconhecimento mútuo de quatro incríveis artistas baianos ainda desconhecidos do grande público, sem nenhum CD gravado – além dos músicos virtuosos que passaram no ensaio, como o violonista e diretor musical Gustavo Barros, o baterista/percussionista Edu Marquèz, e os baixistas Fabrício Mota e Artur Paranhos.

Naturalmente eu fiquei mais próximo de Tiganá nessa época, a amizade se fortaleceu e a produção começou a traçar um rumo. Ele gravou algumas músicas no estúdio de Ataualba, conseguiu uma temporada no Teatro Gamboa em junho. Então, tive a ideia de gravar um vídeo-release para apresentar o amigo mais facilmente. Gravei os shows do Gamboa, cenas externas e depoimentos com Tiganá em sua casa em Itapuã, e depoimentos de outros artistas, como a diva Virgínia Rodrigues [sua madrinha artística, quem primeiro o prestigiou e o divulgou para a cena cultural] e os irmãos Luiz Brasil [que viria a ser o produtor musical do álbum “Maçalê”, referência total pra mim de como um profissional deve agir em estúdio] e Mou Brasil, todos indicados por Tiga.

Frames do vídeo-release de Tiganá (2008), dirigido, filmado e editado por Mirdad

A manhã daquela sexta-feira, 20 de junho de 2008, foi belíssima, com sol e azul plenos. Na aconchegante casa de Luiz Brasil em Itapuã, gravei os depoimentos listados acima e conheci dois dos mais celebrados irmãos da talentosa família Brasil [o primeiro que conheci foi o baterista Victor Brasil, no ancestral 1999, e que veio a gravar no CD “Farol” do tio]. Ao gravar o curto e espiritual depoimento de Mou Brasil sobre Tiganá Santana, tive a certeza de que iríamos trabalhar juntos, mas não sabia quando. O percurso implícito é que importava: Cal Ribeiro [indicado por Zanom] me apresentou Tiganá Santana que me apresentou Mou Brasil [indicado via Luiz Brasil via Virgínia Rodrigues]. Maktub.

O projeto “Maçalê” foi escrito por mim, com ajuda de Alan Lobo, meu parceiro de produções na época [parceria desfeita em agosto de 2008 e retomada no ano seguinte, apenas na realização da Flica, desfeita novamente em janeiro de 2013], e inscrito no edital “Apoio à produção de conteúdo digital em música” da Fundação Cultural do Estado da Bahia – Funceb. Foi a primeira vez que a entidade lançou um edital de música sem contemplar a prensagem. No dia 17 de setembro de 2008, a Funceb divulgou os vencedores e o nosso projeto foi um dos contemplados, com louvor.

O orçamento era minúsculo e todos os profissionais que trabalharam nele fizeram um imenso esforço pra que tudo acontecesse da melhor forma, cobrando o mínimo do mínimo, sempre com muita boa vontade, como os músicos Antenor Cardoso e Alexandra Pessoa, entre outros. O maior exemplo disso foi Luiz Brasil, que além dos arranjos e direção, assumiu a parte técnica, sendo o técnico de gravação também. E o próprio Tiganá, que conseguiu recursos extra-projeto para prensar o álbum e finalizá-lo de uma maneira mais adequada, além de uma rede de colaboradores, como o amigo designer Bruno Senna [somado por mim ao projeto e que fez as fotos do encarte e de divulgação, além do site da época], o professor Jaime Sodré e os produtores Emílio Mwana e Marie Orfinger [que assumiram com louvor a produção de Tiganá quando eu saí e estão com ele até hoje].

Gravação do CD "Maçalê" em 2008/2009

Maçalê” começou a ser gravado na segunda-feira, 15 de dezembro de 2008, no estúdio Curva do Tempo, de Alex Mesquita, com patrocínio do Governo do Estado da Bahia. Verão adentro, teve a sua última sessão no dia 20 de janeiro de 2009. Ao todo foram gravadas doze canções autorais de Tiganá, com participação especial de Roberto Mendes e Virgínia Rodrigues, além de grandes músicos como o próprio Luiz Brasil, Gabi Guedes, Joatan Nascimento, Jelber Oliveira e Marcelo Galter [os dois últimos também participaram de “Farol”, de Mou Brasil], entre outros. Não me esqueço a sexta seis de fevereiro, quando rolou a audição das gravações do álbum na casa de Luzbra em Itapuã. A família de Tiga veio, amigos, músicos e participantes, todos satisfeitos, aplausos, uma confraternização que valeu muito o esforço coletivo para que “Maçalê” fosse realizado.

Devido aos atrasos rotineiros da burocracia, só conseguimos começar a pagar os profissionais de “Maçalê” no início de abril de 2009. Para os padrões do mercado baiano de cultura, até que não foi um grande atraso. Enquanto isso, Mou Brasil aparecia na Educadora FM às vezes para trocar umas ideias comigo, que tinha sido readmitido no cargo de Produtor Musical via REDA na rádio após o término da 1ª edição do Prêmio Bahia de Todos os Rocks. Começávamos a ficar próximos, a nos tornar amigos. No dia 13 de abril, fiz uma reunião com ele e o produtor Emílio Mwana [que já trabalhava com Tiganá] e pensamos dois projetos: turnê pelo interior da Bahia e o documentário “Caixinha de Fósforo”, uma criação de Mou BR: vinte e um músicos [referenciais para a música instrumental baiana] reunidos num mesmo espaço tocando um tema dele.

Os amigos Tiganá Santana, Cal Ribeiro e Mirdad em uma Jam no Mam de 2009

Assim como foi com Tiganá, convidei Mou para o projeto Sad Child e ele não topou. Gravei um dos programas “Podcast K7” com ele no dia nove de maio, lá da casa de Itapuã. Foi um dos melhores programas, com Mou descendo o sarrafo geral. Acidez reconhece acidez. Amigos enfim. E com Tiganá fui ver mais um trabalho de Cal Ribeiro: no mesmo teatro Sesi do Rio Vermelho, assistimos a banda Cais e Sais [que também não foi pra frente]. Antes do São João de 2009, uma reunião com Tiga, Emílio e Bruno Senna: “o que fazer depois de Maçalê?”. Agosto surgiu e trouxe o lindo show “Vozes no Espelho”, uma produção de Emílio, que reuniu, em voz e violão apenas, Tiganá Santana e Roberto Mendes. Até hoje lamento porque não levei à frente a gravação deste em DVD. No mesmo mês oito, o projeto “Maçalê” foi encerrado, com a entrega da prestação de contas final à Funceb.

Jera Cravo topou fazer o doc “Caixinha de Fósforo” de Mou Brasil. Na segunda reunião, desistimos; o estúdio dele não comportava a quantidade de músicos pretendida por Mou. Ficamos de achar outro que coubesse, mas a partir daí, o projeto esfriou e foi esquecido, preterido por um muito mais importante. Quando meu amigo me disse que em 30 anos de carreira só tinha um disco lançado, ainda por cima por um selo francês, eu fiquei chocado e achei um absurdo que um compositor daquele quilate ficasse tão engavetado assim. Um novo edital de gravação da Funceb foi lançado no final de agosto [intitulado “Apoio à Produção de Conteúdo em Música no Estado da Bahia”] e eu convenci o então sócio na Putzgrillo Cultura, Marcus Ferreira, a tocar o projeto de gravação de um novo álbum de Mou Brasil.

Os amigos Mirdad e Mou Brasil no estúdio Coaxo do Sapo em 2010

A primeira reunião do projeto aconteceu em 19 de setembro de 2009, um sábado de sol, na casa de Itapuã, quatro dias antes da reunião que pariu a Flica. Mou Brasil deu nome ao álbum: “Farol”, e apresentou as composições. Pegamos diversas informações, debatemos as estratégias, e eu consegui deixar Mou esperançoso, já que eram muitos indícios que seríamos contemplados. O maior deles: 30 anos de carreira e nenhum disco lançado no Brasil. Já no limite da inscrição do edital, eu e Marcus fizemos um plantão correria pra concluir. Chegamos até mesmo trabalhar na noite do meu aniversário, e inscrevemos no último dia, oito de outubro.

A pergunta feita por Tiganá continuava sem resposta. Surgiram outras possibilidades de projeto de gravação. Primeiro ele me veio com um álbum junto com Naná Vasconcelos. Depois, a trilogia cabeçuda “Lama Matriz”. Não vingaram. Por fim, na noite do evento de lançamento [não do show] do DVD Bogary, da banda Cascadura, em 15 de dezembro, Tiganá deu o toque para inscrever o lançamento do “Maçalê” na Demanda Espontânea do Fundo de Cultura da Secult. Antes de 2009 terminar, Marcus trouxe uma excelente notícia: tinha ouvido um boato de que o nosso projeto do CD “Farol”, de Mou Brasil, tinha sido contemplado. O resultado só foi sair de fato no dia 10 de abril de 2010, um sábado também. Fomos aprovados, de fato. E a estratégia de concorrer numa categoria mediana foi providencial: na mais alta, levaram o álbum duplo “Aleluia” da banda Cascadura e o novo CD da artista conceitual Nancyta, que acabou virando o novo álbum da Radiola, “ArRede”, porque ela entrou na banda. Por causa do prestígio e atuação presente no mercado da banda e da artista, poderíamos ter perdido caso arriscássemos a categoria mais alta.

Luiz Brasil, Tiganá Santana e Antenor Cardoso em show no Tom do Sabor em 2010

2010 surgiu com as cópias de “Maçalê” entregues por Tiganá. Marcus Ferreira topou a sugestão dele e elaborou o projeto de lançamento do CD. Na época, a Demanda Espontânea não era um edital, e era pouco requisitada pelos produtores. Fiz a edição do projeto e inscrevemos ainda em janeiro, quando rolou um excelente show de Luiz Brasil com Tiganá Santana no finado Tom do Sabor, Rio Vermelho. Emílio Mwana e a sua iniciante EMA Produções seria a co-realizadora do lançamento.

Como já dito, em abril de 2010 a Funceb divulgou os ganhadores do edital. Contemplados com “Farol”, nos reunimos com Mou Brasil em Itapuã num domingo de sol, 25 de abril. Decidimos gravar o álbum em Salvador mesmo, aumentamos o número de faixas, selecionamos os músicos e quem iria gravar o que no álbum. Por opção do autor, a produção/direção musical seria dele próprio, um risco grave que corremos, que foi sentido em alguns momentos, mas que foi melhor, no fim das contas, para o momento de Mou naqueles tempos. Nesse mesmo mês, fomos aprovados também pela Demanda Espontânea, e nos reunimos com Tiganá para as definições do show. Em uma reunião a sós com Tiga, o amigo me convidou para que eu produzisse o seu próximo CD, não o triplo “Lama Matriz” nem o suposto com Naná Vasconcelos. Intitulado “Diálogo”, teria uma proposta completamente distinta de “Maçalê”, com ele e um percussionista apenas, dialogando com o mundo em algumas participações especiais. Respondi que poderia ser, mas não me comprometi. O álbum “Diálogo” virou “The Invention of Colour”, foi de fato realizado, e mais à frente retomo brevemente sua história. Por fim, abril foi o mês que anunciei minha saída da Educadora FM para me dedicar 100% à Putzgrillo Cultura, o que aconteceu em junho.

Uma das salas de gravação do estúdio Coaxo do Sapo

No feriado de primeiro de maio de 2010, eu, Mou Brasil, Manuela Rodrigues e Jorge Solovera fomos ao estúdio Coaxo do Sapo, de Guilherme Arantes, em Jacuípe, distante cerca de 38 km de Itapuã. Com uma proposta de imersão bem interessante, com hospedagem e conforto diversos, e estrutura e espaço disponível para gravações “ao vivo” em estúdio, afinou-se com o que queríamos para o álbum e acertamos gravar por lá, após o aval técnico de Solovera, o responsável pela gravação e mixagem do projeto. Pedro Arantes e Gabriel Martini seriam os assistentes de gravação e Marietta Vital daria o suporte na coordenação da hospedagem e alimentação. Agora era só aguardar o desembolso da primeira parcela do edital. Assim como foi em “Maçalê”, o projeto “Farol” precisou de uma camaradagem dos músicos e equipe técnica, que cobraram um valor abaixo do praticado só para que ele pudesse ser realizado. Era uma questão de honra para o trabalho de um músico incrível.

Mirdad, Hermeto Pascoal e Mou Brasil na Pousada do Capão em 2010

Em junho, fiz a produção do show de Mou Brasil na primeira edição do sensacional Festival de Jazz do Capão. Foi um momento singular, pois pude conhecer Hermeto Pascoal e conviver com o mestre e suas incontáveis histórias, e presenciar a criação de uma composição inédita feita na parede da pousada [foto]. No mês seguinte, numa manobra ousada e arriscada, elaboramos o complexo projeto do CD triplo “Lama Matriz”, de Tiganá Santana, e o inscrevemos no edital nacional Petrobras Cultural 2010. Como era previsto no conceito genérico do perfil deste edital, meses depois fomos descartados. Acabamos ganhando com o outro inscrito, um desacreditado [por nós] projeto de literatura, de publicação do primeiro romance do escritor baiano Mayrant Gallo, que foi lançado em 2013 como “Os Encantos do Sol” pela editora Escrituras.

Capa do álbum "Maçalê" (2010), de Tiganá Santana

Agosto de 2010 surgiu e com ele os preparativos para o show de lançamento do CD “Maçalê”. A Comunika Press fez um bom trabalho que rendeu uma vasta matéria do jornalista Pedro Fernandes sobre Tiganá Santana no jornal A Tarde. Fizemos dois ensaios no estúdio de Duarte na Federação, arriscadamente dois dias antes do show. Na noite de 18 de agosto, no Cine-Teatro da Casa do Comércio, Tiganá fez um lindo show de lançamento do seu primeiro CD, patrocinado pelo Governo do Estado da Bahia, via Fundo de Cultura e suas secretarias da Fazenda e de Cultura, com realização da Putzgrillo Cultura e EMA Produções. Na direção musical do show, o produtor musical do álbum: Luiz Brasil. Antenor Cardoso na percussão junto ao sueco Sebastian Notini [que viria a estabelecer uma relação frutífera com Tiga, e a produzir o “The Invention of Colour” e ser o músico a acompanhá-lo constantemente]. Completando o timaço, o preciso Ldson Galter no contrabaixo. De participações especiais, Virgínia Rodrigues, Roberto Mendes e Mou Brasil. Uma noite pra ficar na memória com muito apreço, com todos reunidos no fim, cantando o samba-canção single “Dembwa (10 de Agosto)”.

Um dia antes do nono aniversário do “september eleven”, a banda base do álbum “Farol” se reuniu no café do ICBA. Mou e seu sobrinho baterista Victor Brasil, os irmãos Galter [Ldson baixo e Marcelo piano] e o percussionista Orlando Costa acertaram mais um novo cronograma para a gravação. O atraso no repasse era imenso, o cronograma foi refeito algumas vezes, e o acerto final só rolou mesmo aos vinte dias de outubro, quando a verba finalmente foi depositada, seis meses depois da divulgação da aprovação no edital. Um quebra-cabeça muito chato de ser montado, consegui no dia 28/10 acertar todas as agendas e os ensaios e as sessões de gravação foram confirmados para novembro e dezembro. Foram apenas cinco ensaios [18, 19, 23, 28 e 29 de novembro], porque Mou BR já vinha tocando há anos com essa formação. O único acréscimo foram os músicos Sebastian Notini [bateria] e Jélber Oliveira [acordeon/teclado], que acompanharam Mou no Festival de Jazz do Capão, e o excelente saxofonista/flautista Marcelo Martins, que por morar no Rio, só chegou para a gravação.

Recortes da gravação do CD "Farol", com destaque para a participação do 
saxofonista norte-americano Steve Coleman (foto à esquerda, embaixo)

A primeira sessão de gravação de “Farol” no Coaxo do Sapo foi uma loucura pra mim. Na noite anterior, tinha feito a direção geral da cerimônia de entrega da 2ª edição do Prêmio Bahia de Todos os Rocks, projeto que coordenei em 2010. Nem deu pra ter aquele dia de descanso e de gozo por um trabalho bem feito. Ao acordar, já foi pra coordenar a saída dos músicos rumo ao Litoral Norte. Doideira. Na quarta 24 de novembro, nos carros próprios dos músicos e no meu [verba quase inexistente para transporte], chegamos a Jacuípe. Mou BR, Ldson, Orladinho, Jélber, Sebastian e Solovera gravaram “Nem Choro, Nem Vela”. Na manhã do dia seguinte, fui buscar Manuela Rodrigues no aeroporto, que se juntou à guiga e gravou “Imaculado”. A tarde foi dedicada ao tema “O Fim da Espera”, que nem entrou no álbum no final das contas. Voltamos pra Salvador à noite.

Na terça 30 de novembro, recomeçamos no Coaxo do Sapo, agora com Victor Brasil e Marcelo Galter no lugar de Seba e Jélber. Seis horas de gravação depois, dois temas. Dezembro chegou e pela manhã fui buscar Marcelo Martins no aeroporto. Dois temas gravados antes do almoço. Com a ajuda providencial de Tiago Arantes como intérprete, fui buscar o saxofonista norte-americano Steve Coleman, grande participação especial para o álbum. A tarde do dia 1º foi dedicada a “Atraído”. 10 horas e meia depois, os músicos cumpriram o planejamento perfeitamente. Haja profissionalismo! Na manhã do dia dois, faltou luz; fomos então conhecer o rio, curtindo o descanso nas águas do Jacuípe. À tarde, gravaram o último tema e overdubs de Mou BR. Voltamos para Salvador à noite, celebrando o sucesso do planejamento em Itapuã no Creperê, a melhor creperia da cidade, com Mou, Marcelo Martins, Ldson, Marcelinho e um impagável Solovera, dizendo que ali já tinha sido a casa de um ícone da literatura baiana e ele ia lá: “pegar a filha dele”.

Ldson Galter, Pedro Arantes, Mirdad, Gabriel Martini, Orlando Costa, Marcelo Galter, Mou Brasil, 
Marcelo Martins, Victor Brasil e Jorge Solovera, ao final da gravação do CD "Farol" no Coaxo do Sapo

As sessões de gravação do “Farol” foram concluídas com mais duas sessões extras no estúdio Casa das Máquinas, de Tadeu Mascarenhas, nos dias 15 e 20 de dezembro. Na última, a presença especial de Tiganá Santana, para gravar a belíssima “Vencerá o Amor”, dele e de Mou Brasil, a única com letra [em inglês] e parceria do álbum autoral. Houve ainda uma sessão na casa de Solovera em fevereiro de 2011, com Manuela Rodrigues gravando voz em “O Fim da Espera”, a faixa que não entrou no álbum.

Capa do álbum "The Invention of Colour" (Ajabu! 2012) de Tiganá Santana

2011 chegou e em janeiro entregamos a prestação de contas parcial, essencial pra liberar a segunda parcela do patrocínio, que foi depositada em maio. Enquanto isso, o responsável ficou mixando o álbum, processo que durou até junho, um longo atraso. Ainda em janeiro, a Putzgrillo se reuniu com Tiganá Santana, Sebastian Notini e Emilio Mwana. Recebemos a proposta para captar para a gravação do CD “A Invenção da Cor” [Ex-Diálogo]. Mas como tivemos a grande redenção proporcionada pela Oi, através do resultado do edital Oi Futuro de 2011, em que fomos contemplados com o patrocínio de três projetos [Flica, Festival Brainstorm e Santo Antônio Jazz Festival], ficamos sem tempo para desenvolver projetos individuais. Mesmo assim, por amizade, respeito e consideração ao amigo Tiganá, topei trabalhar [e Marcus concordou plenamente] apenas na elaboração do projeto de gravação do “A Invenção da Cor”. Em julho, entreguei o projeto para Emílio tocar e inscrever no edital de Demanda Espontânea do Fundo de Cultura da Secult-BA [além de um projeto de circulação para o edital de “Mobilidade Artística”]. Em outubro, Tiga nos avisou que fomos contemplados. O recurso serviu para pagar e finalizar o álbum que foi gravado na Suécia, produzido musicalmente por Sebastian Notini e produzido executivamente pela EMA Produções de Emílio Mwana e Marie Orfinger [depois deste, não precisaram mais do nosso auxílio], lançado pelo selo sueco Ajabu! em outubro de 2012 com o nome de “The Invention of Colour”, até hoje [agosto/2013] não lançado no Brasil.

2011 foi um ano muito difícil para o projeto “Farol”. Primeiro, o responsável ficou seis meses com o disco mixando, refez o serviço três vezes e entregou um trabalho prontamente recusado por Mou Brasil. A frustração foi ainda maior porque o dinheiro tinha sido gasto, na confiança e amizade, e o trabalho foi recusado pelo artista. Ou seja, a mixagem teria de ser refeita mais uma vez, desta vez por outro profissional, e com verba do próprio bolso de Mou – quando é que iríamos recuperar essa grana caso processássemos o profissional? Depois, veio uma situação mais complicada ainda. Mesmo assim, prosseguimos na produção.


Em sete de junho de 2011, eu e Mou nos reunimos com Soraia Oliveira, Diretora Executiva e Artística do selo Garimpo Música, no café da Livraria Cultura em Salvador. Fizemos a proposta de lançar “Farol” por eles, que tinham um catálogo de qualidade, com álbuns de Manuela Rodrigues, Dois em Um, BaianaSystem, Mateus Aleluia, entre outros. Depois de semanas de avaliação, eles toparam. O único problema seria se adequar ao cronograma de lançamento deles, muito distinto do programado pelo projeto. Soraia assumiu a pós-produção e conduziu todo o processo da nova mixagem, feita por Duda Mello no estúdio Rockit! [RJ], e a masterização com Peter Doell, do estúdio Umusic, Los Angeles. O sempre solícito irmão de Mou, o Luiz, entrou no jogo e ajudou para que o álbum fosse terminado.

Capa do álbum Farol” (Garimpo Música/2013) de Mou Brasil

O projeto entrou na dinâmica do selo e do acerto com o artista 2012 adentro. Da minha parte e da Putzgrillo Cultura, pedi mais aditivos de prazo. Mou preferiu seguir pela opção da “Garimpo Música” e eu encerrei nosso trabalho entregando a prestação de contas com pendências, que foram cumpridas posteriormente pelo selo. Mantiveram a programação visual com Rex e o pessoal da Santo Design, como estava acordado desde o início, opção celebrada por Mou BR e que teve uma excelente execução: o encarte ficou lindão, ainda mais pelas fotos do japonês Hirosuke Kitamura, conhecido por Oske.

Farol”, o primeiro álbum de Mou Brasil lançado no seu país, que batiza o nome de sua rica e importante família musical, concluiu sua trajetória num tímido pocket-show de lançamento, realizado na noite de 04 de abril de 2013, na apertada livraria “Galeria do Livro”, dentro do Espaço Unibanco de Cinema em Salvador, Bahia.

Os amigos Mirdad e Cal Ribeiro em Itapuã consolidando o novo projeto

2013 também é o ano que o ciclo iniciado em 2007 terá o início do fundo do seu fim. Cal Ribeiro me apresentou Tiganá Santana que me apresentou Mou Brasil. Realizei [junto a diversos envolvidos, profissionais competentes, talentosos e engajados] os dois álbuns “Maçalê” e “Farol”, filhos queridos. Falta agora o cara do início, o profeta cantador, o ácido de timbre único e composições tronchas. Vem aí então um novo projeto com Cal Ribeiro. Aláfia para todos nós, luz de mil sóis, punhal dos meus sentidos, dizendo cedo que chegamos tarde ao cais!

Comentários

Ana Gilli disse…
Mirdad, parabéns por toda a sua dedicação à música!

Seu "sangue no olho" mostra a vida que pulsa cheia de vontade dentro de você. Esta vida é geradora de sonhos e estes você expande generosamente para todos ao seu redor. Sorte de Mou e de Tiga que tiveram um parceiro tão sensível e competente como você.

O som de "Maçalê" e "The Invention of Colour" guardo com carinho como parte da trilha sonora da minha passagem pela Bahia. Um encanto!

Amigo e parceiro querido do meu coração, que você continue sempre com este olhar além do alcance e que muito mais música possa ser conduzida e tocada pelo seu talento.

Beijo doce cheio de orgulho,
Ana

Mirdad disse…
Encantado por seu lindo comentário, querida Anagê! Obrigado, de coração! Volte sempre, um beijo!

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…