Pular para o conteúdo principal

Vamos ouvir: Dubstereo

Dubstereo (2013) - Dubstereo




Não consegue visualizar o player? Ouça aqui

Release disponível no site do coletivo:

"
DUBSTEREO FAZ LANÇAMENTO VIRTUAL DO SEU PRIMEIRO ÁLBUM

Após 5 anos de trajetória, o Dubstereo apresenta seu primeiro álbum de estúdio, totalmente autoral, incluindo faixas instrumentais que terão diferentes versões em CD e compacto em vinil.

Na próxima quinta-feira, 29 de agosto, o Dubstereo fará lançamento virtual do seu primeiro álbum de estúdio, homônimo, no site oficial do grupo. Totalmente autoral, o álbum traz 12 faixas inéditas com produção do próprio coletivo. Além do formato digital, disponibilizado para download gratuito, o disco será lançado em formato físico na versão CD. Os interessados também terão oportunidade de adquirir um compacto em vinil com quatro versões especiais de dois instrumentais.

Por se tratar do primeiro registro em estúdio, o material vem sendo bastante aguardado. Apesar da cobrança por parte do público, o grupo fez questão de fazer tudo sem pressa, objetivando um bom resultado final. Todo o processo de produção do disco contou com colaboradores especiais, desde a gravação até a masterização. O registro em estúdio foi gravado em Salvador pelo experiente sound designer Buguinha Dub, que também mixou metade das faixas. Conhecido como “adubador de sons” pelas versões exclusivas que cria, Buguinha adotou nessas faixas técnicas de mixagem bastante peculiares, que incluíram o uso de aparelhos analógicos. A parceria entre o grupo e o produtor pernambucano surgiu pela identificação dos seus trabalhos, que buscam uma sonoridade perseguida por ambos. Outro colaborador do projeto foi o músico e produtor soteropolitano André T. Responsável pela mixagem de seis faixas e gravação de vozes, André colaborou ainda com arranjos de sintetizadores e efeitos.

A intensa convivência entre os músicos, no período que antecedeu a gravação, propiciou um intercâmbio de material que resultou na evolução do trabalho coletivo, mostrado nesse disco. O processo de gravação, com todos tocando juntos, durou apenas 48 horas. Gravado ao vivo, com o intuito de capturar o clima dos shows, mas com qualidade de estúdio, Dubstereo mescla faixas cantadas e instrumentais. O resultado traz uma atmosfera session, que denota afinidade entre os músicos e sugere toda a pesquisa que envolveu o processo de composição. A própria escolha do repertório, que inclui metade das faixas instrumentais, aponta uma pista para o caminho trilhado pelo grupo desde a sua formação. Tendo a música jamaicana como fio condutor, o Dubstereo nasceu experimentando. Suas primeiras apresentações tinham a mesma dinâmica de um sound system, com toasters improvisando enquanto a banda (apenas baixo, bateria, escaleta e efeitos) executava clássicos riddims. A evolução desse trabalho possibilitou a inclusão dos músicos, que desde 2008 integram a sua formação: Russo Passapusso (voz), Fael 1º (voz), Jorge Dubman (bateria), Alan Dugrave (baixo), Gabriel Simon (teclados) e Jardel Cruz (percussão). Em 2009 e 2011, respectivamente, foram agregados Tiago Tamango (teclados) e Prince Áddamo (guitarra).

A finalização e prensagem do álbum do Dubstereo contou com o patrocínio da Vivo, através do Fazcultura. Os processos de produção e gravação do disco, bem como a prensagem do compacto foram viabilizados com recursos próprios, adquiridos através da realização de eventos produzidos pelo coletivo. CD e vinil estarão à venda em shows e no novo site do grupo (www.dubstereo.com.br). O compacto traz 4 versões dos instrumentais “Babilônia Falida” e “Café do Quilombo”, com remixes de Buguinha Dub e Victor Rice, músico e produtor norte-americano. As artes do CD e do compacto foram criadas por Ricardo Fernandes, que assinou recentemente as capas dos discos de Criolo e do Los Sebosos Postizos, projeto formado por integrantes da Nação Zumbi. Além da democratização do acesso ao disco, o projeto de finalização do CD incluiu duas oficinas gratuitas de Art Graffiti, ministradas por Fael 1º, em Salvador e em Camaçari.

Sobre os colaboradores - Responsável pela gravação das 12 faixas que compõe o disco e pela mixagem de metade destas, incluindo todos os instrumentais, o pernambucano Buguinha Dub já assinou produções de discos como “O Palhaço do Circo sem Futuro”, do Cordel do Fogo Encantado e “Carnaval no Inferno”, da Eddie. Envolvido em projetos listados no topo da música brasileira, mixou discos de Lucas Santtana, Maquinado, 3 na Massa, Cidadão Instigado, dentre outros. Como engenheiro de som, contribuiu durante anos com trabalhos de bandas como a Nação Zumbi e Racionais MC’s. Pela intimidade que possui com os graves, ficou conhecido também como “treme-terra”. Além das faixas do CD, Buguinha colaborou com duas versões adubadas para o Lado B do compacto.

O tarimbado músico e produtor baiano André T mixou as seis faixas com letras do CD, além de ter contribuído com alguns arranjos. Reconhecido pelo seu desempenho como multi-instrumentista, André vem se firmando como produtor por ter colaborado decisivamente em discos de Pitty, Cascadura e Retrofoguetes.

Victor Rice, músico e produtor norte-americano, criou os remixes de duas faixas instrumentais que integram o Lado A do compacto do Dubstereo. Envolvido com projetos de ska desde os anos 80, tornou-se especialista em técnicas de mixagem voltadas para o dub. Baixista do Easy Stars All-Stars, banda que ganhou fama internacional ao criar releituras dub para clássicos da música pop mundial: “Dub Side of the Moon”, versão de “The Dark Side of the Moon”, do Pink Floyd; “Radiodread”, baseado na obra da banda Radiohead e o álbum “Easy Star’s Lonely Hearts Dub Band”, com o repertório do clássico “Sargent Pepper’s Lonely Hearts Club Band”, dos Beatles. Colaborou com trabalhos de artistas brasileiros como Mallu Magalhães e Marcelo Camelo, e dos grupos Café Preto (projeto de reggae de Cannibal do Devotos) e Bixiga 70.

O competente engenheiro de som Felipe Tichauer assina as masters do CD e do compacto. Entre os muitos nomes no seu currículo, ele aponta Arnaldo Antunes, CéU, Curumin, Rodrigo Campos e Mallu Magalhães. Recentemente colaborou com grupos como o Combo X (Gilmar Bola8 da Nação Zumbi) e Bixiga 70. Já participou de 19 projetos indicados ao Grammy e ao Grammy Latino. Atualmente, Felipe integra o comitê brasileiro do segundo, analisando e categorizando trabalhos inscritos.

As artes da capa do CD e do compacto foram criadas por Ricardo Fernandes. Figura conhecida que circula entre o meio musical e o das artes visuais, “Magrão” atua como DJ e diretor de arte, tendo participado de documentários como “Tropicália”, “Cidade Cinza” e “Eu, o Vinil e o Resto do Mundo”. Assinou recentemente as capas dos discos de Criolo e do Los Sebosos Postizos, projeto formado por integrantes da Nação Zumbi.
"

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…