Pular para o conteúdo principal

Pílulas: Perseguição e Cerco a Juvêncio Gutierrez, de Tabajara Ruas

Tabajara Ruas (foto: Divulgação - interferida por Mirdad)


"A tapera do cachorro louco me atraía como o perigo, como o pecado, talvez como o mal, seguramente como tudo que os padres carmelitas e os irmãos maristas proibiam e ameaçavam com as profundas do inferno. Era atração sem alarde, sub-reptícia, que me acudia ao vagar solitário depois do almoço, quando mamãe estava no colégio e papai na livraria. Era atração à qual não tinha condições de oferecer resistência, a não ser a do medo. Quando me dava conta estava rondando a tapera, tomado de pressentimentos e emoção, ouvindo os rosnados, os gemidos, a corrente, buscando coragem para galgar a cerca apodrecida"


"Temos o coração em pedaços. Inconscientemente, somos caçadores desses pedaços, buscamos refazer o antigo desenho. Um dia vou achar os pedaços do meu coração fragmentado. Adivinho como ele será: guerreiro, destinado à violência e à misteriosa tristeza. Será a memória daqueles dias da selvagem inocência da juventude, vividos na cidade da fronteira, à beira do rio. Serão os verões, os invernos, a canoa deslizando junto à barranca. A lembrança desses dias será uma pérola, perfeita como o segredo que Juvêncio Gutierrez criara para si, e ficará guardada num cofre fechado na memória. Alguma vez, porém, quando me sentir encurralado pela mediocridade do mundo, e for insuportável sua feiúra, e a solidão apertar com mais força suas garras, permitirei que o cofre se abra lentamente. Dominado por sensação idêntica à de velho monge aproximando-se da sabedoria, então contemplarei a pérola, imaginando, trêmulo, obstinado, esperançoso, o mistério de sua beleza, sempre deslumbrante"


“Fui andando pela casa, desmanchando a claridade que me ofendia e atemorizava, sem dar importância para o som que fluía de algum canto e se espalhava pelas frestas, pelas reentrâncias, pelos desvãos de luz e sombra e que parecia um galope maligno, retumbando em tudo e a tudo marcando de tristeza inconsolável. Era o choro de Ifigênia; o choro encerrado há mais de setenta anos em sua alma a tinha abandonado e agora galopava, horrivelmente real, através da casa, cavalo estrondoso, primitivo e escuro. Beneficiando-se desse fenômeno a casa se entregava ao cavalo. As paredes, o teto, os quadros, os móveis gemiam de tristeza. Ninguém me disse, mas a Morte tinha tocado a casa”


“E então parei diante do rio, quase tocando com os pés a grande lua de setembro. As luzes de Paso de los Libres piscavam na outra margem. Levantei a gola da campeira. Controlando a respiração ainda ofegante, percebendo o suor secar na pele, segurando pelo hábito a vontade de chorar, fiquei olhando os minúsculos reflexos prateados, tentando descobrir a espécie de ser que eu me tornaria; tentando, talvez, descobrir um parâmetro que o moldasse, ou algum consolo, qualquer coisa que me acalmasse os sentimentos exaltados e o medo do futuro. Fiquei ali escutando os grilos, os latidos da cachorrada distante, os infinitos sussurros da água e da noite”


"A angústia atravessou nossa equipe. Recordo o jogo como um mural com figuras patéticas, musculosas, retorcidas, esbravejando contra uma muralha intransponível. É uma imagem tola, mas aquele segundo tempo foi algo parecido: músculos, suor, angústia e barro"


Tabajara Ruas
(7ª Edição 2003/Editora Record)


"Amava pisar com as chuteiras o chão de lajes azuis, amava ouvir o estalido das agarradeiras no piso escorregadio, amava a camaradagem fugaz que nos unia quando caminhávamos para o campo num grupo desorganizado, solenes e vaidosos, esfregando as mãos, flexionando as pernas, atentos ao adversário que surgia na outra extremidade do corredor, vindo do fundo escuro do refeitório, com as camisas verdes e a faixa vermelha transversal, falando alto, confiantes, provocadores. Amava a sensação do conflito e a expectativa da mediação de forças aproximando-se e amava o momento em que chegávamos nas arquibancadas e começávamos a descer os degraus de pedra em direção ao campo verde, recém-marcado com cal branca"


" – Delegado, estive observando o senhor daqui e vi que o senhor não se agacha nem mesmo quando o tiroteio é cerrado, como foi agora há pouco. Por que o senhor procede dessa maneira, por que o senhor não se agacha como os outros?

– Não me agacho porque homem que é homem não se agacha pra bala. Se ela tem que acertar a gente é porque já vem com o nome da gente escrito e aí não adianta se agachar. E além do mais eu tenho de dar exemplo pra minha gente"


“Meu coração rangeu como um motor no limite da força: ali estava meu estranho pai, cismando, consumido por delírios indecifráveis, esperto e eficaz na arte de nos fazer sentir culpados. Estava rodeado pela fumaça azulada do palheiro, queimando lentamente entre seus dedos. Não se mexia e eu me apiedei dele. Era a marca e a vitória de sua doença. Todos temos uma doença escondida, não importam sintomas e nome, mas a natureza da sua era especialmente maligna porque não apenas o fazia sofrer; espalhava, sorrateira, o veneno ardilosamente composto pela sua autocompaixão e impregnava os sentimentos, os objetos, a casa. Imagino se saberia do nosso riso escondido, da nossa aliança secreta, do nosso jovial, cruel desprezo”


“Passou por mim. A água do balde estava vermelha. Apertei meus braços contra o corpo, apoiei a testa na parede, fui saindo devagarinho, me assustando contra a parede, sentindo a testa esfolar, murmurando todas as obscenidades que conhecia, murmurando-as com a disposição de quem agarra uma camisa velha e começa a despedaçá-la com as mãos, metodicamente, em silêncio, sem saber por que o faz, pleno do prazer assustador e frio que era parte daquela dor que só agora conhecia”

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…