Pular para o conteúdo principal

Pílulas: Parte 06 - Estação Infinita, de Ruy Espinheira Filho

Ruy Espinheira Filho (foto: Mário Espinheira - interferida por Mirdad)


"Sim, novamente escrevendo.
Sem saber, como sempre, aonde estou indo,
se é que estou indo a algum lugar.

Às vezes me ocorre
que escrever é exatamente isto: ofício
de quem não sabe aonde ir.
E, como não sabe, tateia
na névoa
à espera de encontrar alguma coisa
que não só não sabe onde está
como não sabe o que é
e que talvez seja uma parte da alma que ficou perdida
na travessia
entre sombras ancestrais
e a vida"

Fragmento do poema "Condição"

----------

"E o jornalista continuou
em seus bares e botequins.
Já começava a haver aproximação maior entre nós,
à luz das cervejas,
quando os militares saíram dos quartéis
e afundaram o país numa ditadura de mais de vinte anos,
o que fez emergir dos esgotos da cidade,
desde o primeiro instante,
as ratazanas da delação.
E muitos se foram embora,
como eu.

Voltei após longo tempo
e lá estava ele,
no primeiro bar em que entrei.
Falei do meu último encontro com o poeta seu amigo
já há muito morto,
e lá ficamos, bebendo melancolicamente,
com os olhos machucados dentro da noite"

Fragmento do poema "Dentro da noite"

----------

"Trago comigo os lugares onde estive.
Não sou como os antigos que falavam
em sacudir das sandálias a poeira dos caminhos.
Não, guardo tudo,
sempre guardo tudo,
e especialmente guardarei das últimas caminhadas
o seu espesso pó de iluminar a alma.

Das viagens não regresso
jamais"

Fragmento do poema "Depois"

----------

"Acho que nunca te disse nada
para não quebrar o encanto.
...
Um encanto é delicado,
parte-se com extrema facilidade.
E depois sobrevém a tragédia do desencanto.

Por isso as histórias param quando o beijo do
Cavaleiro
quebra o encanto da Bela.
Porque, se continuassem,
eles se casariam,
teriam filhos,
ficariam preocupados com as despesas,
adiante se sentiriam tão entediados que passariam o
resto da vida
indiferentes um ao outro,
vendo televisão.

Por isso cessam as histórias onde cessam.
Como não prosseguem,
continuamos na atmosfera encantada,
todos ainda no poético papel de Cavaleiro e Bela.

Acho que foi por isso,
para não perder o encanto,
que não te disse nada"

Fragmentos do poema "Encanto"

----------

"Sim,
que coisa mais inútil passar pela vida
em branca nuvem!
Que imperdoável alienação adormecer
em plácido repouso!
Que grandeza em enfrentar
o frio da desgraça!
Jamais ser espectro de homem
– mas homem de verdade!
Jamais passar apenas pela vida
– mas vivê-la intensamente!

Com o tempo, porém,
fui cada vez mais admirando a
branca nuvem.
Em muitos instantes desejei
estar noutro lugar, noutra situação,
de preferência em
branca nuvem.
...
Que melhor lugar pode haver para
–  dormindo ou acordado –  estar em
plácido repouso?
E quem de nós não acha que merece um
plácido repouso?
Não, nada de
frio da desgraça.
Nada de sofrimento.
Tais experiências podem ser boas para quem pretende
trocá-las
por milênios de prazeres em algum paraíso,
como garantem certos corretores espirituais.
Eu, não, não quero tanto,
prefiro dois pássaros voando
a um na mão.
Mais: prefiro todos lá fora,
no alto, longe de mãos.

Não me limitei a apenas passar pela vida
(mesmo porque ela não depende tanto de nós
quanto arrogantemente supomos)
em branca nuvem,
como jamais me senti espectro.
Às vezes até sonho em vir a ser espectro,
no devido tempo,
para visitar certas pessoas
à meia-noite"

Fragmentos do poema "Conversa com Francisco Otaviano"


Ruy Espinheira Filho
(2012/Bertrand Brasil)


"A casa permanece jovem,
embora meu pai a tenha construído
em meados dos anos 50
...
Todos os que a habitaram
desde então
trataram-na com desvelo,
inclusive
a senhora que um dia subiu
no grande reservatório de água
para se afogar"

Fragmentos do poema "A casa dos nove pinheiros"

----------

"Sim,
os passarinhos sempre despertaram todas as manhãs
do mundo.
E do Tempo, embora alguns possam achar
que houve era em que os passarinhos ainda não
existiam
e por isso não poderiam despertar as manhãs.
Quanto a mim, acho que sem passarinhos não há
manhã.
Certo que a Terra girava e por isso havia noite e dia,
no remoto e triste mundo sem passarinhos,
mas era um rústico e opaco nascer do dia,
sem os maviosos cantares.

Eu, sinceramente, sou muito agradecido aos deuses
por não ter vivido naquele tempo"

Fragmento do poema "Passarinhos"

----------

"Muitas vezes ouvimos dizer que não haverá de ser
nada.
Sim, às vezes não será mesmo
nada,
felizmente.
Mas, outras vezes não será mesmo
nada,
infelizmente.

Dizem-nos que não haverá de ser
nada
para nos dar ânimo.
Mas de outras vezes desanimamos seriamente porque
nos parece
que não haverá de ser
nada.

Não, não é nada fácil
viver. Nada.
O jeito é aceitar estoicamente que,
mais cedo ou mais tarde,
de uma forma ou de outra,
não haverá de ser
nada"

Fragmento do poema "Nada"

----------

"Alguém fala em seu nome
e me leva a ruas antigas que muitos poderão achar
que são as mesmas de hoje
pois conservam suas placas
mas eu sei que eram outras
especialmente insalubres por causa do mau cheiro
do fascismo
entranhado em tudo.

Então
por elas caminhávamos com a alma obscurecida
temendo que algum lampejo de pensamento
ou sonho
nos denunciasse"

Fragmento do poema "Um de nós"

----------

"Continua amando-a mesmo
através
da tempestade de outros
amores, quando
ela emerge do caos
e às vezes fica,
longamente,
numa luz que nem de leve
adormece.

E assim é: como a amou
há muito tempo. Como
agora e certamente
depois e depois e
depois"

Fragmento do poema "Arco-íris"

----------

"Chego como a um fim de tarde
no desejo de que permaneça
como estação
infinita.

Prêmio merecido
após a viagem:
que tudo permaneça como agora,
a vida que me cerca e a paisagem
de onde vim
longa e trabalhosamente.
...
quando manifesto meu desejo maior
e mais sábio,
chegou a hora de cessar
o efêmero"

Fragmentos do poema "70 anos"

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…