Pular para o conteúdo principal

Estação Infinita, de Ruy Espinheira Filho — Parte 01

Ruy Espinheira Filho
Foto: Mário Espinheira (interferida por Mirdad)

“Por isso
suave é a notícia
de sua morte.
                                Pois
você
fez o percurso sem ceder espaço
aos logros da
esperança;
                                       ao sonho,
que nos desperta para que o vejamos
apenas
desfazer-se no ar.

Assim você: na plena
                                                  claridade,
rejeitando os véus com que
nós todos nos protegemos,
nos mentimos,
contra a luz implacável de cada instante,
de cada
mínimo tremor
do coração.

(...)

Você foi, entre nós, na sordidez
de cada dia, a dura limpidez
de quem nada buscou, pois tudo o que há
é um gesto, um lampejo – e a noite cai”

--------

“Só depois é que amamos
a quem tanto amávamos;
e o braço se estende, e a mão
aperta dedos de ar.

(...)

Só depois é que sabemos
lidar com o que lidávamos.
E meditamos sobre esta
inútil descoberta

enquanto, lentamente,
da cumeeira carcomida
desce uma poeira fina
e nos sufoca”

--------

“O avô descansa
de quase um século.
O rosto é sereno
(não sei como pode
mostrar essa calma
após tanto tempo)
e as mãos despediram
todos os gestos.

(...)

Descansa tão fundo e
alto que é impossível
despertá-lo, saber
mesmo onde repousa.
No entanto está em nós
e nos impõe seu traços,
cor de olhos, jeito
de andar, sorrir, falar.

E o mais difícil de
cumprir:
               a insuavizável
dignidade”

--------

“Penso nelas com amor. Não como as amei outrora,
mas como foram-se acomodando em mim
ano após ano, umas
com cálida harmonia, outras
com certo incômodo, outras
de modo fragmentário, e algumas
tão sutilmente             que talvez
sejam apenas um movimento ilusório
da alma.

Penso nelas e as vejo
como estão hoje e tudo faço
para que o tempo tenha passado
de leve sobre seus rostos.
Vejo-as sentadas, hirtas ou em repouso.
Vejo-as andando, indo à noite, ao mar.
Vejo-as vestidas suntuosamente
e mais suntuosamente
nuas.

Penso nessas mulheres e as vou
fabulando serenas e tão saciadas
de amor e sexo que nunca pensam
neste que nelas pensa há muito e sempre.
O que não importa, porque o que conta
é o que penso, o que invento delas,
de suas vidas hoje,
não para consolá-las, que nada sabem,
mas como um afago
em mim”

--------

“As vozes da sabedoria
são águas pesadas que despertam
sujeiras e chagas onde tocam.
                   Pois nos lembram
o que somos,
o que não queremos
ser,
o que não suportamos
ser,
o que nos desespera
de ser,
como o que foi dito há pouco
e mais verdades reveladoras
de que, por exemplo, somos apenas
sombras
e o mais que conseguimos
são mãos cheias de trabalho e vento
que passa”

--------

“Falta alguma coisa.
Falta desde sempre.

Desde que me sinto.
Mesmo nos Natais,

quando havia tudo
– árvore, presentes,

luzes, cantos, risos,
a família cálida –

de súbito abria-se,
no íntimo, a falta,

sem nome, sem rosto,
sem história, só

presença da ausência.

(...)

De tudo o que tive

e tenho, talvez
só haja possuído

mesmo esta falta,
que há de ficar

presente e pungindo
até que eu transponha

o último limiar,
quando então, por fim,

nada faltará”

--------

“Quanto mais o olhar acera,
recrudesce a noite vasta,
restando apenas à fera
as trevas em que se engasta

Choramos, era após era,
esta carência que pasta
entre escombros de quimera
tudo aquilo que não basta”

--------

“Não sei como tantas vastidões
couberam um dia nessa pequena
casca de osso
que o coveiro retira com as mãos nuas
e deposita na caixa de metal.

(...)

                                                        uma vez,
não sei como, cintilaram
                                                  galáxias
nessa pequena e frágil casca que conduzimos
entre outros inúteis objetos pessoais
deixados por aquele que partiu
para nenhum endereço”

--------

“Escuto o tempo fluindo,
fugindo. Sobe um soluço
da carne de tudo: móveis,
tecidos, metais. Que forte
é a morte!
                            E só a memória
vive, vive-nos, e soa
seus violinos de névoa
sob um frio sol que monta
num céu de assombro: o Perdido”

--------

“Um dia,
                        o fio
é um rio
por onde rápido
viajas.
                 As máscaras de uso
cotidiano
alinham-se às margens
                                          e pulverizam-se
ao teu passar.

Ao fim
te aguardas e te encontras.
Nunca inteiro: apenas
mínima parte
                         sem véus.

E te fitas
                 e te tocas
                                    um instante
                                                    um
                                                    quase sem tempo
                                                e já recuas
e já retornas
e as máscaras se recompõem
                                                e
                                     irônicas
te sorriem”

--------

“Tantos são os abandonados
e caminham ásperos no silêncio.
Há os que rezam, os que choram, os que se mantêm
                                                                impenetráveis.
E todos depois retornam às casas, aos pequenos
mitos auxiliares de cada dia
sob o indiferente azul do céu”



Trechos dos poemas Grácia, Descoberta, O avô, Mulheres, Adeuses, A falta, Soneto da triste fera, Exumação, Fuga, Busca e Dia de finados, presentes no livro Estação Infinita e outras estações (Bertrand Brasil, 2012), de Ruy Espinheira Filho.

Comentários

Ana Gilli disse…
Graça de poesia!

Talvez porque eu tenha acabado de voltar de uma viagem ao "interior" onde pude ver os que vieram antes do meu pai e os fizeram ser o que ele é, e por consequência quem eu sou, o trecho de "O Avô" me tocou muito.

Contemplei a "foto" de todos os avós nas palavras de Ruy Espinheira Filho. Doce, doce.

Beijo, meu lindo!

Agradecida por compartilhar conosco suas seleções
Emmanuel Mirdad disse…
"O Avô" é incrível!! Publiquei até um post com a íntegra do poema: http://elmirdad.blogspot.com.br/2013/08/o-avo-poema-de-ruy-espinheira-filho.html

Beijo, linda!

Postagens mais visitadas deste blog

Seleta: Lisa Hannigan

Lisa Hannigan (foto daqui ) Conheci a cantora e compositora irlandesa Lisa Hannigan graças ao emocionante filme “ Maudie ” (2016), da diretora irlandesa Aisling Walsh (baseado na história da artista canadense Maud Lewis ). A música dos créditos finais é “ Little Bird ”, e a suavidade, timbre, afinação e interpretação tátil da bela voz de Lisa Hannigan me fisgou na hora! Contemplei três dos seus álbuns, “ At Swim ” (2016), “ Passenger ” (2011) e “ Sea Sew ” (2008), e fiz uma seleta com 20 canções que mais gostei. Confira o belo trabalho da irlandesa Lisa Hannigan ! Ouça no YouTube  aqui Ouça no Spotify aqui 1) Tender [At Swim, 2016] 2) Funeral Suit  [At Swim, 2016] 3) Home [Passenger, 2011] 4) Little Bird [Passenger, 2011] 5) Paper House [Passenger, 2011] 6) An Ocean and a Rock [Sea Sew, 2008] 7) Prayer for the Dying [At Swim, 2016] 8) Nowhere to Go [Passenger, 2011] 9) Anahorish [At Swim, 2016] 10) We, the Drowned [At Swim, 2016] 11) Splishy Splashy [Sea Sew, 2008] 12) T

Leituras 2020

Os 10 livros lidos em 2020 Li 10 livros em 2020 , com destaque para a poesia, e selecionei trechos das obras de Alex Simões , Lúcio Autran , Wesley Correia , Mariana Botelho , Nina Rizzi , Érica Azevedo , Ana Valéria Fink e Cyro de Mattos , e trechos dos romances de Franklin Carvalho e Victor Mascarenhas . Além dos livros, elaborei uma seleção de poemas de Zecalu [publicados nas redes sociais em 2019], outra seleta de trechos de crônicas de Santiago Fontoura [publicadas no Facebook], e uma seleção de poemas de Martha Galrão . Por fim, reli a autobiografia de Rita Lee e divulguei trechos também. Boa leitura! “Contrassonetos catados & via vândala” (Mondrongo, 2015) Alex Simões Leia trechos  aqui “soda cáustica soda” (Patuá, 2019) Lúcio Autran Leia trechos  aqui “laboratório de incertezas” (Malê, 2020) Wesley Correia Leia trechos  aqui “o silêncio tange o sino” (Ateliê Editorial, 2010) Mariana Botelho Leia trechos  aqui   “A ordem interior do mundo” (7Letras, 2020) Franklin Carv

Seleta: Edson Gomes

Os discos e as músicas do cantor e compositor Edson Gomes são os meus prediletos e as que eu mais gosto dentre tudo que é feito de reggae no Brasil. No meado dos anos 1990, eu só ouvia Bob Marley & The Wailers o tempo inteiro, e foi o ilustre mestre cachoeirano quem despertou o meu interesse para outros sons além do gigante jamaicano. Fiquei fã de Edson Gomes antes de conhecer Burning Spear , Peter Tosh , Alpha Blondy , Gregory Isaacs e muitos outros. Foram os clássicos dele, e são muitos, muita música boa, arranjos excelentes, o sonzaço da banda Cão de Raça (adoro a timbragem e improvisos do guitarrista Tony Oliveira ), que me apresentaram a magia do Recôncavo Baiano , de Cachoeira , muitos anos antes da Flica . Na Seleta de hoje, as 42 músicas que mais gosto, gravadas por Edson Gomes & Banda Cão de Raça , presentes em seis álbuns : “ Resgate Fatal ” (1995), “ Campo de Batalha ” (1992), “ Recôncavo ” (1990), “ Apocalipse ” (1997), “ Reggae Resistência ” (1988) e “ Acor