Pular para o conteúdo principal

Pílulas: Parte 02 - Estação Infinita, de Ruy Espinheira Filho

Ruy Espinheira Filho (foto: Mário Espinheira - interferida por Mirdad)


"Leves pancadas no corpo:
são cascas de tangerina
que lhe atiram do alto
(onde estão os livres, os
limpos, que se amam, dançam
em romântica viagem
pela costa do Brasil).
Diz: Covardes. Mas não se
deixa ver em vilipêndio.
O que valem, mesmo, os
gestos – sobretudo certos
gestos – do homem? Ele pensa
em lançar as cascas nas
ondas de urina;
                              porém
aperta algumas nos dedos
e aspira profundamente
o acre odor luminoso.
Isto não, jamais sujá-las
com os dejetos humanos!
Ao contrário: apagar
a noite filha do homem
na alma da tangerina.
E mais: abolir até
os sentimentos agudos
de que há pouco se nutria
consumindo-se, roaz"

Fragmento do poema "O prisioneiro Graciliano Ramos no porão do Manaus"

----------

"A caneta ainda escreve
com a mesma tinta
de um azul levemente melancólico

Na gaveta, dormindo
sob cartas e poemas,
o revólver aguarda"

Fragmento do poema "Os objetos"

----------

"No silêncio repousa o seu cansaço.
Tudo é imóvel na tarde,
                                                                    a não ser,
numa réstia de sol,
um vago pó girando
                                                 sobre
o silêncio maior das almas
fechadas nos livros
das estantes"

Fragmento do poema "No silêncio"

----------

"Como passaste, pai! Como passamos!

Há tanto tempo já que tu partiste.
Todo um mundo se foi – e vai, e vai...

Olho o teu rosto na moldura e penso
que tenho hoje idade de ser teu pai"

Fragmento do poema "Retrato"

----------

"Nos vossos olhos, imóveis
como chuva estagnada,
há lições serenas que
vêm-me umedecer a alma.
Mas que só compreenderei
quando for sábio de ver
além do espesso do mundo.
Quando, enfim, chegar ao alto
do meu próprio voo profundo"

Fragmento do poema "Afogados"


Ruy Espinheira Filho
(2012/Bertrand Brasil)


"Encontrou-o muito quieto e branco.

Do pé direito já parara de escorrer a úmida ferrugem
que começara na pedra e agora marcava também
as palhas e o chão de terra batida.

Alguém, no silêncio morno,
falou em destino.

Fiquei pensando naquela pedra
com uma missão mortal determinada
desde o princípio dos tempos.

Aquela pedra, ali, vulgar e triste
como a ideia de destino"

Fragmento do poema "Naro"

----------

"O que vem de ti ainda é o murmúrio
que move o sol e as outras estrelas,
embora há pouco
alguém
olhando uma fotografia recente
tenha dito que a tua pele
já não é a mesma"

Fragmento do poema "Anotações num dia de aniversário"

----------

"Não mudarei em nada a minha vida
para alcançar outra melhor na morte.
Dou-me aos azares, sim, arrisco a sorte,
mas aqui, neste mundo, nesta lida

em que me sinto, sou. Vida, se houver,
depois da morte, valeria a pena
sendo como esta vida: densa, plena
de ganhos, perdas, sonhos - e mulher"

Fragmento do poema "Soneto do sábio ócio"

----------

"Amor pressente amor e não o encontra.
Encontra-se a si mesmo
                                                       e é dor somada.
Mas é preciso achar
                                                       e ele prossegue.
Fareja, como um cão,
                                                       mas não há presa.
Desconfia um perfume
                                                       e a brisa o leva"

Fragmento do poema "Equívoco"

----------

"Outra é a que
há muito se foi
para longe e dói
num sulco de afeto
incicatrizável"

Fragmento do poema "As Meninas"

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

O fim do Blog do Ël Mirdad

Esta é a última postagem do Blog do Ël Mirdad (que um dia já foi Farpas e Psicodelia). Ao fim, foram 1.083 postagens em 8 anos de atividade, de 2009 a 2016. Divulguei o trabalho de muitos artistas, nas áreas da música, literatura e audiovisual (eventos, shows, quadrinhos, etc.), e também o meu trabalho como compositor, escritor e produtor cultural. Das seções que fiz, a que mais me orgulhou foi Leituras. Abaixo, seguem duas imagens com estatísticas que o próprio Blogger oferece, apuradas em 22 de dezembro. O motivo para o fim desse blog é que não assinarei mais como Emmanuel Mirdad, e não tem lógica manter um canal de comunicação vinculado a esse nome.


Algum dia farei outro blog? Acho difícil. Caso faça, divulgarei apenas o meu trabalho como escritor, o único que continua, assinando, a partir de 2017, como Emmanuel Rosa.


Muito obrigado pela sua audiência. E espero que o Google mantenha esse acervo ativo, para quando você quiser voltar por aqui e ler (ou ouvir) algo que lhe agradou, d…