Pular para o conteúdo principal

Pílulas: Marce, de Gláucia Lemos

Gláucia Lemos - Foto Elaine Quirelli, interferida por Mirdad


"Meu Deus, esta ruína é Pedro. Que tempo passou que fez de Pedro este resto que é agora? As surpresas do tempo assemelham-se à fome dos abutres, muitas vezes. Não resisto à emoção e choro também. Meu fiel Pedro. Quem ou o que te pôde fazer tanto mal?"

----------

"Olhei para ele demoradamente. A maturidade física dava impressão de solidez, de abraço caloroso, de beijo denso. Senti aqui dentro um aperto de dor, uma vontade enorme de dizer: Vá embora! - e lavar com as palavras o pejo que estava sentindo por amá-lo assim, ainda vendo-o arrogante, ainda escutando-o presunçoso. Era um aperto de dor, coberto de vergonha, mas baixei a cabeça e lhe falei muito baixo, tão baixo que eu mesma quase não escutava:
- Entre e fique"

----------

"A química da pele é uma porta escancarada para esse vírus miserável que une as criaturas. É uma peste. Você tem consciência de que o outro é uma porcaria que lhe estraçalha a alma, o corpo, o coração, a sua própria vida, mas cadê que você é alguém para dizer: Vá embora, porra!"

----------

"Se isso é amor, que se amem! Essa traiçoeira mentira merece ser vivida, enquanto finge ser verdade. Enfim, o que compensaria viver, se não fossem inventadas as dores do amor?"

----------

"É um homem bonito. Gosto de olhar homens bonitos. Só olhar. Reeduquei-me para não amá-los. Pretendo ainda vir a adquirir suficiente sabedoria para entender a ilógica de amar aquilo que não se conhece. Olhar homens bonitos é uma festa para sensibilidade, e dela não abro mão. Aproveitemos o que têm para oferecer: alegria para os olhos. Não entendo por que escutar o belo é divino, mas contemplar o belo é vulgar. Jamais permiti que me impusessem esses códigos aprovados por outrem. Paguei por isso. Pagarei sempre"

----------

"Qualquer coisa vale muito pouco para durar uma vida"

----------

"Há pratos empilhados e talheres brilhantes alinhados em cima do aparador, em serviço americano. Acho ótimo. Não terei que enfrentar os rostos dos parentes em torno de um jantar servido à francesa. Seria desagradável a meu amor-próprio estar exposta aos olhos do desprezo ou da curiosidade. Principalmente porque não será possível revelar que lhes retribuo igual sentimento"


Gláucia Lemos
(2013/Solisluna)


"Eu era uma mulher corajosa, que perdera tudo por um canalha, para não ser hipócrita a um homem de bem. Assim, na noite morta em silêncio, com um deserto em volta, desfilei pretendendo vestir-me de altivez, em tentativa de não me deixar dobrar àquela chaga. Sangrava na contenção da minha vergonha, que jamais confiaria a alguém. A dor de cada um é muito pessoal, só se assemelha a si mesma. É sempre única, singular como a condenação de cada qual"

----------

"Os egoísmos do amor infernizam os afetos até as últimas consequências, mas a doação da amizade fortalece os vínculos"

----------

"Tantos são os primos que, muitas vezes, me perco na tentativa de identificar quem é filho de quem ... Não imagino quem será a minha companhia de quarto. Alguém sozinho, obviamente, como eu. Mas haverá alguém sozinho neste clã? Todos terão procurado devidamente os necessários pares, de acordo com os hábitos da tribo. E dariam até o derradeiro quinhão de paciência ou sacrificariam a última parcela da própria dignidade para conservar um casamento de aparência. Nenhuma das nossas mulheres se arriscaria a receber o ostracismo das malditas, por coerência com seus próprios sentimentos"

----------

"A intimidade é como a dor. Absolutamente nossa e indivisível"

----------

"Tantas vezes tive que escutar o meu dever de gratidão perante a irmã do meu pai. E as cadeias da obediência prendendo os tornozelos, machucando os pulsos, retendo as vontades, estrangulando as opiniões. E eu perdida. Dolores sorrindo e calando. Se era feliz, não sei. Talvez não fosse, mas recebia aplausos pela docilidade, e era conveniente conservá-la. Eu, ovelha negra, andando sobre os traços que riscavam no meu chão, sem direito a escolha, e aceitando sob opressão. Só perguntando por que deveria aceitar. Existe um figurino a que os poderosos submetem os subjugados. Nunca lhes perguntam se estão felizes, sequer se o compreendem"

----------

"Minha fuga era a busca da realização no meu ateliê, o isolamento por demoradas horas, sem respeito a descanso ou a hora de refeição, voltada somente para a mostra do museu. Assim me doava a meu trabalho, até que a exaustão me vencesse. Muitas vezes, no final das forças, entreguei o corpo ao abraço de uma cadeira de lona, rodeada de fragmentos de pedra, e ali fiquei até que a réstia de sol pousou no meu rosto pela fresta da janela, avisando-me de que estava principiando um novo dia, e era preciso continuar"

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…