Pular para o conteúdo principal

Seis poemas de Mônica Menezes no livro Pequeno álbum de silêncios

Mônica Menezes (foto: Sarah Fernandes)


triunfo
Mônica Menezes
                             [para Kátia Borges]

sou um fracasso para o sucesso
sou um sucesso para o fracasso

quando nasci, o médico disse:
por pouco

--------

poema para os olhos de minha mãe
Mônica Menezes

minha avó materna não deixou fotografia
morreu de parto
numa manhã de inverno
aos trinta e seis anos de idade
em sua própria cama

dizem que era bela
com seus cabelos negros
e o olhar azul profundo
a espiar o tempo

minha avó materna era judia
como sua mãe, a mãe de sua mãe
a mãe da mãe de sua mãe
e sua filha
como a filha de sua filha
e a filha da filha de sua filha

dizem que era forte
com seu corpo esguio
atravessando vales
a desafiar a sina

minha avó materna não nos legou seu sobrenome hebreu
pois o perdera antes mesmo de nascer
também jamais lhe escutaram pronunciar a língua

nenhuma carta, nenhuma joia, nenhum caderno de receitas
nenhuma velha Torá no fundo falso de um baú
nenhuma fotografia
somente sua ausência
seu sangue antigo em nossas veias
e uma dor quieta
e infinita
nos olhos ternos de minha mãe

--------

artifício
Mônica Menezes

abri um buraco no meu ventre
escavei fundo
com minhas próprias unhas
todos os dias
cinzelo suas formas
faço da dor
minha única arte

há uma rosa escarlate
sob meu vestido
e dentro do meu silêncio
mora um grito

--------

dentro
Mônica Menezes

dentro de mim mora uma dor
persistente e calada
eu caminho os caminhos
vivo as histórias
invento todos os dias grandes motivos para cantar

mas dentro
bem dentro de mim habita uma dor
fina
ancestral
e calada

--------

semente
Mônica Menezes

quando eu nasci
enterraram meu umbigo
na porteira da roça do meu avô

os anos passaram
meu avô morreu
retalharam a terra
e parti para a cidade

mas ainda hoje
estou plantada lá
naquele chão vermelho
que nem existe mais

--------

sobre o que dói
Mônica Menezes

o menino sírio encontrado morto na praia
o olhar da moça vendendo paçoca no sinal
a loucura do meu irmão
a cicatriz atravessando meu ventre
meu desatinado sim
seu peremptório não
os livros há meses encaixotados
minhas pernas bambas

o sol encandeando meus olhos
quando tudo é noite


Presentes no livro “Pequeno álbum de silêncios” (Boto-cor-de-rosa / paraLeLo13S, 2021), de Mônica Menezes, com fotografias de Sarah Fernandes, páginas 45, 33-34, 27, 55, 32 e 18, respectivamente.

Comentários

Anônimo disse…
Muito obrigada pela generosidade de ler e postar aqui. Abraço

Postagens mais visitadas deste blog

Dez passagens de Clarice Lispector nas cartas dos anos 1950 (parte 1)

Clarice Lispector (foto daqui ) “O outono aqui está muito bonito e o frio já está chegando. Parei uns tempos de trabalhar no livro [‘A maçã no escuro’] mas um dia desses recomeçarei. Tenho a impressão penosa de que me repito em cada livro com a obstinação de quem bate na mesma porta que não quer se abrir. Aliás minha impressão é mais geral ainda: tenho a impressão de que falo muito e que digo sempre as mesmas coisas, com o que eu devo chatear muito os ouvintes que por gentileza e carinho aguentam...” “Alô Fernando [Sabino], estou escrevendo pra você mas também não tenho nada o que dizer. Acho que é assim que pouco a pouco os velhos honestos terminam por não dizer nada. Mas o engraçado é que não tendo absolutamente nada o que dizer, dá uma vontade enorme de dizer. O quê? (...) E assim é que, por não ter absolutamente nada o que dizer, até livro já escrevi, e você também. Até que a dignidade do silêncio venha, o que é frase muito bonitinha e me emociona civicamente.”  “(...) O dinheiro s

Oito passagens de Conceição Evaristo no livro de contos Olhos d'água

Conceição Evaristo (Foto: Mariana Evaristo) "Tentando se equilibrar sobre a dor e o susto, Salinda contemplou-se no espelho. Sabia que ali encontraria a sua igual, bastava o gesto contemplativo de si mesma. E no lugar da sua face, viu a da outra. Do outro lado, como se verdade fosse, o nítido rosto da amiga surgiu para afirmar a força de um amor entre duas iguais. Mulheres, ambas se pareciam. Altas, negras e com dezenas de dreads a lhes enfeitar a cabeça. Ambas aves fêmeas, ousadas mergulhadoras na própria profundeza. E a cada vez que uma mergulhava na outra, o suave encontro de suas fendas-mulheres engravidava as duas de prazer. E o que parecia pouco, muito se tornava. O que finito era, se eternizava. E um leve e fugaz beijo na face, sombra rasurada de uma asa amarela de borboleta, se tornava uma certeza, uma presença incrustada nos poros da pele e da memória." "Tantos foram os amores na vida de Luamanda, que sempre um chamava mais um. Aconteceu também a paixão

Dez poemas de Carlos Drummond de Andrade no livro A rosa do povo

Consolo na praia Carlos Drummond de Andrade Vamos, não chores... A infância está perdida. A mocidade está perdida. Mas a vida não se perdeu. O primeiro amor passou. O segundo amor passou. O terceiro amor passou. Mas o coração continua. Perdeste o melhor amigo. Não tentaste qualquer viagem. Não possuis casa, navio, terra. Mas tens um cão. Algumas palavras duras, em voz mansa, te golpearam. Nunca, nunca cicatrizam. Mas, e o humour ? A injustiça não se resolve. À sombra do mundo errado murmuraste um protesto tímido. Mas virão outros. Tudo somado, devias precipitar-te — de vez — nas águas. Estás nu na areia, no vento... Dorme, meu filho. -------- Desfile Carlos Drummond de Andrade O rosto no travesseiro, escuto o tempo fluindo no mais completo silêncio. Como remédio entornado em camisa de doente; como dedo na penugem de braço de namorada; como vento no cabelo, fluindo: fiquei mais moço. Já não tenho cicatriz. Vejo-me noutra cidade. Sem mar nem derivativo, o corpo era bem pequeno para tanta