Pular para o conteúdo principal

Datas sequenciais 2003-2013: Eu Fui!



Inspirado no post sobre as datas sequenciais deste século (veja aqui), um ano depois rememoro as datas sequenciais, que começaram em 2003 e duraram dez anos. Tudo para ilustrar como nossa vida é ordinária, e os momentos especiais (e para alguns seletos atores ou espectadores momentos históricos com relevância de fato) são acasos que independem de símbolos patéticos construídos por coincidências de números. Olha a asneirada:


01/02/03
Sábado, 2003

Estudante de jornalismo na época, dedicava meu tempo a produzir a banda The Orange Poem, em que cantava e tocava violão. Em Salvador-BA, combinei com os músicos da banda a gravação de um DVD demo no esquema “camaradagem” com os amigos da Facom/Ufba (o que acabou rolando, mas com a ajuda apenas do amigo irmão Rodrigo Minêu).


02/03/04
Terça, 2004

Mais do mesmo. Pela manhã, aulas na Facom/Ufba em Salvador-BA. À tarde, trabalhando, com honra, de motorista para meu pai avohai, enquanto resolvia assuntos ligados à banda The Orange Poem (DVD demo, sessão de fono e consulta com otorrino). À noite, assisti mais um episódio do sensacional desenho South Park.


03/04/05
Domingo, 2005

Domingo chuvoso em Salvador-BA, passei o dia inteiro hibernando com a namorada da época. À noite, fomos conferir o show (bem vazio) da banda de forró Aterraiá, do amigo Artur Paranhos, baixista das bandas The Orange Poem e Pedradura.


04/05/06
Quinta, 2006

Pela manhã, frequentei aulas na Facom/Ufba em Salvador-BA. Pela tarde, fiz o backup digital de arquivos da banda The Orange Poem, e analisei o CD da banda In Cactus, do baterista e amigo Dilton Borracha. À noite, o forró minguou porque o carro quebrou.


05/06/07
Terça, 2007

O dia em que vendi o Ford Ka preto, que me acompanhava desde 2002 e era carinhosamente chamado de “Black Bee”. Esse carro foi uma das marcas afetivas das lembranças do tempo de Facom/Ufba, e inspirou até a criação do hit forrozeiro “Fordi K”, e da ‘banda’ “Forró di K” com os amigos Afonso e Enzo - o trio (eu tocava zabumba) teve seu ápice ao tocar o hit no Trem do Forró na Paraíba em 2005. Ouça a canção aqui. Em Salvador-BA, na concessionária Tratocar, troquei-o por um Celta preto, o “Black Bean”, que me acompanhou até o final de 2011.


06/07/08
Domingo, 2008

Em Salvador-BA, pela manhã, após assistir o GP da Inglaterra da F1 (Hamilton ganhou e Barrichello chegou em 3º) na TV, fui ler o livro “Cafeína”, do amigo escritor Victor Mascarenhas (na época, pra mim, era apenas o sócio do meu primo Jorge Barreto), pra conferir porque ele tinha sido contemplado no Prêmio Braskem em 2007 e o meu livro não (concorri com uma versão preliminar do Abrupta Sede, diferente da versão final que foi publicada pela Via Litterarum em 2010). Pela tarde, acompanhado com a namorada da época, assistimos em DVD o tocante filme “Piaf - Um Hino ao Amor”, de Olivier Dahan.


07/08/09
Sexta, 2009

Atacado por um furúnculo abissal no pescoço, fui no médico pela manhã em Salvador-BA - tive que cair no antibiótico. Pela tarde, no trabalho da rádio Educadora FM, produzi os programas Especial das Seis (com o penúltimo CD do reggaeman Gregory Isaacs, “My Kind of Lady”) e Especial de Sábado (“20 anos sem Raul Seixas”, gravando com o amigo Carlos Eládio). À noite, fui conferir a exposição “Cão Cego” de Tatiana Blass no MAM e fui ao show de lançamento do hilário clipe da música “Ela me Disse”, da extensa Capitão Cometo e os Formidáveis Ladrões de Parafina da Terra do Nunca Extreme.


08/09/10
Quarta, 2010

Um dia enfadonho em Salvador-BA. Assim como no dia sequencial de 2009, fui ao médico - ao menos não foi uma emergência. Trabalhando à tarde pela Flica, só a noite prestou; ouvi diversos CDs da minha coleção para montar um playlist dos meus 30 anos.


09/10/11
Domingo, 2011

Último dia em Salvador-BA antes de viajar para a imersão total na Flica 2011 em Cachoeira-BA, foi um “hard work day” brabo, de manhã, tarde e noite, na minha casa e na casa de Alan Lobo, até finalizar à meia-noite e quinze minutos a impressão das tabelas e arrumação de todos os arquivos de trabalho para a 1ª edição da Flica


10/11/12
Sábado, 2012

Em Salvador-BA, primeira vez que notei a existência das datas sequenciais. Então, fui aos meus arquivos e copilei não só as datas sequenciais (de 2003 a 2012), como também as datas idênticas dia-mês-ano (de 2001 a 2011). À noite, reunião de roteiro com Igor Souto, na finalização do curta “Distância”, adaptado no conto “Pai e Filho” de Hélio Pólvora.


11/12/13
Quarta, 2013

Coincidentemente passei todas as datas idênticas deste século (ex. 12/12/12) em Salvador-BA, minha cidade natal. Seria o mesmo com as datas sequenciais do século XXI, mas hoje, só pra contrariar, passei no Rio Grande do Sul, coincidentemente. Pela manhã, arrumando minhas tralhas e saindo de Canela, na Serra Gaúcha, onde pretendo realizar a festa literária Flican. À tarde, cheguei em Porto Alegre, almoço no aeroporto, check-in no hotel às 16h pra se enfurnar no quarto e não mais sair. Leitura de “Um Operário em Férias”, ótimo livro de contos de Cristovão Tezza; aviso no face da última oportunidade de ser ordinário: 11/12/13. Fui.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…