Pular para o conteúdo principal

Pílulas: As Certezas e as Palavras, de Carlos Henrique Schroeder

Carlos Henrique Schroeder (fotos: Divulgação - interferidas por Mirdad)


"Eu nem ao menos sou o que sei"


"Meu rosto na sombra é paisagem ou passagem?"


"Estamos nos distanciando dos animais de que descendemos para nos aproximarmos das máquinas que construímos"


"Se excluirmos a morte, ao nascermos, duas outras certezas nos acompanharão: a de que seremos filhos frustrados, num determinado momento, e pais inseguros, em outro"


"Palavras como tristeza, cansaço e solidão causam grande impressão em qualquer garoto, ainda mais quando se mergulha nessa tríade diariamente. Marcelinho batia ponto num pequeno amontoado de terra, perto do poço. Ele e seus dois carrinhos de plástico. E gostava de conversar com o pequeno morrinho, um pouco menor que ele, atribuindo a ele certa forma humana ... Dizem que sonhar com formigas é um sintoma de solidão. Marcelinho sempre sonhava com formigas. Elas o mordiam nos sonhos. Quando apareciam formigas em seu morrinho, ele voltava para o quarto, para o walkman. ‘Há tempos tive um sonho, não me lembro, não me lembro...’ "


Carlos Henrique Schroeder
(2013 - 3ª edição/Editora da Casa) 


"O amor sempre nos tira do raso e arrasta para a arrebentação: o acorde do desespero, noite azulada"


"Não acreditava no papo de que um trabalhador não desiste nunca, essa falácia que inventaram do povo brasileiro, que desiste sim, se vende sim, se ilude sim. E enquanto ele pensa na vida, no terceiro piso de uma quase falida loja de departamentos, onde o carpete fede, a vida pulsa dentro de Maria"


"A literatura é feita de espaços. Chega de repetição. Espaços. Ex-paços"


"Não há prazer sem culpa e vice-versa. O gozo é um olhar enviesado na curva do tempo, um tecido amassado"


"Bom se estivessem todos mortos. Todos eles. Pois a verdade consome, arrasta e enlouquece, e preciso despejar o que escondi, essa mistura de melancolia e incompreensão que sempre ocultei atrás do sorriso fácil ... Eis que suporto os olhares de reprovação, mas não vou combater com minhas armas: as palavras. Essas palavras negras sobre as páginas amareladas, que você perpassa com olhos afoitos, caro leitor, são ao mesmo tempo, desgraça e redenção"

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

O fim do Blog do Ël Mirdad

Esta é a última postagem do Blog do Ël Mirdad (que um dia já foi Farpas e Psicodelia). Ao fim, foram 1.083 postagens em 8 anos de atividade, de 2009 a 2016. Divulguei o trabalho de muitos artistas, nas áreas da música, literatura e audiovisual (eventos, shows, quadrinhos, etc.), e também o meu trabalho como compositor, escritor e produtor cultural. Das seções que fiz, a que mais me orgulhou foi Leituras. Abaixo, seguem duas imagens com estatísticas que o próprio Blogger oferece, apuradas em 22 de dezembro. O motivo para o fim desse blog é que não assinarei mais como Emmanuel Mirdad, e não tem lógica manter um canal de comunicação vinculado a esse nome.


Algum dia farei outro blog? Acho difícil. Caso faça, divulgarei apenas o meu trabalho como escritor, o único que continua, assinando, a partir de 2017, como Emmanuel Rosa.


Muito obrigado pela sua audiência. E espero que o Google mantenha esse acervo ativo, para quando você quiser voltar por aqui e ler (ou ouvir) algo que lhe agradou, d…