Pular para o conteúdo principal

O percurso do livro Abrupta sede


Abrupta sede começou com 15 contos em 15 de setembro de 2006. De produção literária até então, tinha poemas reunidos no eternamente remodelado Deserto poema (que até hoje não lancei) e um livro conceito chamado Livro Domês, que reunia poemas, telas de colagens, poetrix, contos e sinopses para adaptações cinematográficas. Estimulado pela leitura dos contos do baiano Mayrant Gallo, impus um desafio: “posso escrever assim também”.

De forma espaçada, entre 2006 e 2007, escrevi os contos Maestro, Afrodita e Absoluto (set/2006), O Reino (nov/2006), Pássaros deliram e Despedaço (jan/2007), Sereno aceitar, Apenas um homem e seu medo, Botox, Aromas, desejos e motivos, De tanto inverso e Será alucinaberração? (mai/2007) e Inesgota (jun/2007). Além destes, recuperei o conto Armadilha espetáculo, escrito em 2000 para uma coluna no extinto jornal Folha da Pituba. Por fim, tinha o conto Amém insolúvel, escrito em maio 2007, que foi descartado na versão final. O conto mais demorado de escrever foi Botox, com 18 horas de trabalho, e o mais rápido foi justamente o conto descartado em 2010, Amém insolúvel, com 45 minutos (não entrou na conta o conto escrito em 2000).

No final de junho de 2007, o amigo e artista plástico Marceleza de Castilho (conhecido então como Txhelo) entregou as primeiras ilustrações via e-mail para os contos. Bem próximos na época, ele topou ilustrar na camaradagem. No e-mail, revela que “foram todas pintadas à nankin, dentro do mesmo feeling, apenas uma não saiu no primeiro take, apesar das ideias virem à tona de primeira” e que “espero que as imagens estimulem, pelo menos um pouquinho, a imaginação dos leitores, para que possam saborear ainda mais os contos, que com certeza, devem ser grandes estímulos à imaginação”. Dessa leva, ficaram as imagens de Afrodita, Armadilha espetáculo, Será alucinaberração? e Despedaço.

Ilustração original de Marceleza de Castilho para o conto "Sereno aceitar", que foi descartada.

Inscrevi o original do Abrupta sede no concurso literário da Braskem. Estava muito confiante, e fiquei muito frustrado por não ter sido selecionado. Costumo dizer que perdi para Cafeína, o livro de contos do amigo Victor Mascarenhas, que foi contemplado. Encerrando 2007, deixei um original com o recém-conhecido escritor Aurélio Schommer, que pirou no conto Botox e apadrinhou o projeto de livro.

Em abril de 2008, um novo concurso literário (do Banco Capital) me fez decidir extinguir o conceitual Livro Domês (poemas e poetrix foram pro ajuntado do Deserto poema) e reunir doze dos seus melhores contos num livro chamado Paranoia umbigo. Não quis inscrever o Abrupta sede ainda traumatizado pela reprovação dele no concurso da Braskem. Em cinco dias de trabalho em abril, editei e reescrevi os contos Voltaunador, Fagocigo, Ex-embolhado, Abilolar, Adonias Chumbo – Episódio Zigariz (na época Zigariz), Samuel & Beatriz (na época Ouvida), Sagantaz, Augusto Notários (na época Quadriútero), Afetamim, Portassar e Anuviar (completando o livro, o conto Animextremar), e inscrevi o então chamado Paranoia umbigo no concurso. Ironia que este também não seria selecionado.

Em outubro de 2008, entre os dias 13 e 20, misturado à produção da 1ª edição do Prêmio Bahia de Todos os Rocks e vários outros projetinhos, decidi incorporar os contos do Paranoia umbigo (exceto o conto Animextremar) no Abrupta sede (retirando o conto Amém insolúvel), e revisei todos os contos, mudando a ordem, cortando e reescrevendo passagens. O nome Paranoia umbigo foi remanejado para batizar o futuro segundo CD da banda Pedradura (que acabou e nem lançou o 1º), ficou no ostracismo até ser recuperado em dezembro de 2013 para rebatizar meu 2º livro de contos, então chamado Pinaúna, escrito em 2012 e ainda não publicado.

Entre maio e novembro de 2009, o amigo Marceleza de Castilho refez e criou novas ilustrações, entregando a última, Maestro, no dia 24/11. O padrinho Aurélio Schommer escreveu a orelha e entregou no dia 07/04. Para aquecer um pouco a expectativa do livro, decidi publicar 66 fragmentos no blog, de maio até julho, enquanto quebrava a cabeça: como publicá-lo?

Os amigos Mirdad e Marceleza de Castilho em 1º/06/2010.

Dezembro chegou e decidi dar mais uma longa revisão, a que chamei de “revisão final”. Em dez dias de dezembro e mais três dias em janeiro de 2010, revi um por um, cortando os excessos e reescrevendo vários trechos. A principal modificação foi no conto Fagocigo, que ganhou um encerramento cinematográfico que finalmente me fez gostar dele (hoje é um dos meus prediletos do Abrupta sede principalmente por seu final). Passei para o padrinho Aurélio Schommer, que em parceria com sua mulher Mayara, revisou o livro entre fevereiro e abril.

No dia 28 de março de 2010, o padrinho enviou à editora baiana Via Litterarum, sediada em Itabuna, o seguinte email: “Marcel e Agenor. Estou sem notícias de vocês. Há muito que conversarmos, como sempre. Segue mais um livro para avaliação. Com prefácio meu, este”. Depois das indagações no mesmo dia, Aurélio insistiu: “Marcel. É para avaliação. O autor, para quem estou enviando este, ficou de fazer um último pente fino no texto, já revisado por mim, à cata de tremas e acentos caídos. Ele também ficou de enviar a capa (já pronta para impressão) e as ilustrações em alta definição. Primeiro, porém, acho que é o caso de vocês aprovarem”. 

No dia 6 de abril de 2010, via telefone, Aurélio Schommer avisou que a editora aprovou Abrupta sede com louvor. Depois do anúncio recente de duas aprovações em editais (2ª edição do Prêmio Bahia de Todos os Rocks pela Oi e Festival de Reggae no Pelô pela Secult/BA), de ter vivido um belo e inesperado amor em março (voltou para a Inglaterra em abril) e de ter passado por quatro dias de sessão de sexo com uma insaciável ninfomaníaca, meu carrinho da montanha russa tinha tocado o breve topo. Mais feliz, impossível!

Os amigos Mirdad e Aurélio Schommer em 2010.

Depois de receber o arquivo revisado de Mayara Borges, ao som dos primeiros discos da banda The Cranberries, revisei com minúcia e prazer antes de enviar o arquivo final pra editora. Fiz até um post com frases impactantes de alguns contos e publiquei no blog. O amigo Aurélio Schommer usou de sua influência junto à editora, em que publicaria em 2010 o romance Clube da honra, para insistir na publicação do meu Abrupta sede. Foi o primeiro resultado importante de nossa parceria. A outra foi a Flica.

Abrupta sede teve impressa uma tiragem de 100 livros. Foi lançado no Groove Bar em 26 de agosto de 2010, em um inusitado show de lançamento. Presentes, queridos como os irmãos Giuliano Marson e Rodrigo Minêu, o sócio Marcus Ferreira, a ex-namorada Vanessa Caldeira (que acompanhou o processo de feitura do livro entre 2006 e 2008, e estimulou minha carreira literária, além de ter me apresentado Aurélio) e a amiga Brisa Torres. Não vendeu quase nada. Para estimular sua existência, criei um blog com comentários de amigos, escritores ou não, sobre os 25 contos. E assim foi minha estreia literária, carreira que retomarei com gosto e força em 2014.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…