Pular para o conteúdo principal

Pílulas: Parte 02 - O demônio do meio-dia, de Andrew Solomon

Andrew Solomon (foto: Internet - interferida por Mirdad)


"Quando você está se sentindo tão mal que o amor parece quase não fazer sentido, a vaidade e o senso de responsabilidade podem salvar sua vida"


"As vozes do passado voltam como vozes dos mortos para se mostrarem solidários perante a mutabilidade das coisas e a passagem dos anos ... É à noite que essas pessoas e meus próprios eus passados vêm me visitar, e quando acordo e percebo que não estamos mais no mesmo mundo, sinto aquele estranho desespero ... Quando vejo amigos da faculdade, tento não conversar muito sobre um tempo em que eu era tão feliz - não necessariamente mais feliz do que sou agora, mas provido de um sentimento especial e específico, e que jamais voltará. Aqueles dias de jovem esplendor me devoram. Esbarro nos prazeres passados o tempo todo, que para mim são muito mais difíceis de processar do que as dores passadas ... O pior da depressão jaz num momento presente que não consegue escapar do passado que idealiza ou deplora"


"Por uma hora, fiquei deitado na lama, sentindo a água encharcar as roupas; então minha mãe praticamente me carregou de volta para o carro. Aqueles mesmos nervos que haviam sido esfolados até ficarem em carne viva num determinado momento agora pareciam estar envolvidos em chumbo ... Eu sentia como se minha cabeça estivesse engaiolada em acrílico, como uma daquelas borboletas aprisionadas para sempre na espessa transparência de um peso de papel"


"É maluquice evitar os comportamentos que tornam você doido? Ou é maluquice medicar-se para que você possa sustentar uma vida que o deixa doido? ... Viver com depressão é como tentar manter o equilíbrio enquanto dança com um bode - é perfeitamente saudável preferir um parceiro com um equilíbrio melhor. E no entanto a vida que levo, cheia de aventura e complexidade, permite uma satisfação tão enorme que eu detestaria desistir dela ... Seria mais fácil para mim triplicar o número de pílulas que tomo do que cortar meu círculo de amizades pela metade"


"Mulheres que tentam ajustar-se a ideais de feminilidade podem agir como deprimidas por conformismo, ou se tornar deprimidas como consequência da incapacidade de viver dentro de uma definição estupidificante de feminilidade. Mulheres que se queixam de depressão pós-parto podem em algumas instâncias estar expressando apenas seu choque e desapontamento em não sentir um tipo de superemoção que os filmes e a tevê popular têm descrito como a essência da nova maternidade. Como lhes é dito com frequência que o amor maternal é orgânico (que interpretam como significando sem esforço), tornam-se deprimidas pela ambivalência que geralmente acompanha os cuidados com a criança"


"A depressão é um peso muito grande para os amigos. Você lhes faz exigências que para os padrões normais são totalmente irracionais, e geralmente eles não têm a resistência, a flexibilidade, o conhecimento ou a inclinação para lidar com elas ... Você comunica o que pode e espera que eles consigam assimilar. Lentamente, aprendi a aceitar as pessoas pelo que são ... Muitos preferem pensar que, se você está sofrendo, é por algum motivo sujeito a uma solução lógica"


"(...) a consciência aqui é consciência de si mesmo, resistindo à aniquilação não apenas através da covardia mas também através de alguma vontade subjacente de existir, manter controle, agir conforme for necessário. Além disso, a mente que se reconhece não pode se desconhecer, e é contrário à vida introspectiva destruir-se a si mesma ... Mesmo se a escolha é simplesmente entre o ser e o nada - se alguém acredita que não haja absolutamente nada além da morte e que o espírito humano não é mais do que um arranjo químico temporário -, o ser não pode conceber não-ser. Ele pode conceber a ausência de experiência, mas não a ausência de si próprio"


- Uma anatomia da depressão -
Andrew Solomon
(Objetiva - 2002)


"A depressão é uma doença dos processos do pensamento e das emoções, e se algo muda seus processos de pensamento e emoções na direção correta, isso é como uma recuperação. Francamente, penso que o melhor tratamento para a depressão é a crença, o que em si é bem mais essencial do que aquilo em que se acredita"


"Tomar remédios é dispendioso - não apenas financeiramente, mas também psicologicamente. É humilhante depender deles. É inconveniente ter de monitorá-los e estocar receitas. E é terrível saber que sem essas intervenções perpétuas você não é você mesmo, tal como você se conhece ... A presença constante da medicação é um lembrete da minha fragilidade e imperfeição; e sou perfeccionista, preferiria ter atributos inviolados, saídos da mão de Deus"


"Entre seu silêncio e nossa autoconsciência intensamente verbalizada jaz uma multidão de modos de expressar a dor psíquica, de conhecimento dessa dor. Contexto, raça, gênero, tradição, nação - tudo conspira para determinar o que deve ser dito e o que deve permanecer calado ... A depressão - sua urgência, seus sintomas e os modos de sair dela - é determinada por forças muito fora de nossa bioquímica individual, por quem somos, onde nascemos, em que acreditamos e como vivemos"


"Tenha o maior cuidado ao escolher um psiquiatra. É impressionante a quantidade de pessoas que se dispõem a dirigir 20 minutos a mais para ir a um bom tintureiro e que se queixam ao gerente do supermercado quando não tem sua marca favorita de molho de tomate; mas que, no entanto, escolhem o psiquiatra como se este fosse um prestador de serviços genérico. Lembre-se, você está no mínimo pondo sua mente nas mãos desta pessoa"


"O que não está claro é quando a depressão conduz as situações da vida e quando as situações da vida do paciente induzem a depressão. Síndrome e sintoma se confundem e provocam um ao outro: casamentos ruins causam situações ruins que causam depressão, que causam maus relacionamentos, que são casamentos ruins"


"(...) a recusa em tratar as queixas psiquiátricas de pacientes pode transformar uma questão relativamente insignificante como um ombro deslocado numa doença fatal. Se alguém diz que está sofrendo, a equipe da sala de emergência deve agir de acordo. Nos Estados Unidos, os suicídios ocorrem devido ao conservadorismo de médicos como os que encontrei naquela sala de emergência, que lidam com extremos de dor física e psicológica sem tolerância alguma, como se fossem fraqueza de caráter"


"A alta taxa de fumantes entre os deprimidos parece refletir não um atributo particular da nicotina, mas uma tendência geral à autodestruição entre aqueles para quem o futuro só pode ser sombrio"

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…