Pular para o conteúdo principal

10 anos do blog — Produções de Emmanuel Mirdad


Em 91 postagens (6,21% do total), o blog divulgou: informações sobre as duas produtoras que tive antes da atual (e a entrevista na Muito e a matéria na Veja); todas as produções que realizei, sozinho ou em parceria, de 1999 a 2014; os vídeos resumos de todas as edições da Flica, além de várias informações sobre a mais charmosa festa literária do Brasil (a programação, curadoria, lançamentos, cobertura, etc.); outros produtos como a FliCaixa e o projeto da Flisca (e a entrevista no jornal Notícias do Dia, de Santa Catarina); e uma longa entrevista a alunas da Facom, em 2014, celebrando os meus 15 anos de produção cultural (esse ano, serão 20 anos).


Produtoras

Desde 2013 que a minha produtora é a Cali, em sociedade com Marcus Ferreira e Aurélio Schommer (todos criadores e realizadores da Flica, a Festa Literária Internacional de Cachoeira). Porém, a Cali não apareceu no blog, apenas indiretamente. Já as minhas duas empresas anteriores, sim.

Marcas das produtoras Cali (2013 até hoje), Putzgrillo Cultura (2008-2012) e Mirdad — Gestão em Cultura (2013-2014)

Da Putzgrillo Cultura, em sociedade com Marcus Ferreira, o blog publicou uma entrevista que saiu na Revista Muito (leia aqui), o release sobre a empresa (leia aqui), o anúncio de minha saída da empresa em 2013, o portfólio de trabalhos que fiz com ela, de 2008 a 2012 (veja aqui), e o último trabalho que realizei com a Putzgrillo Cultura em 2013.

O blog divulgou as produtoras

Da Mirdad — Gestão em Cultura, em sociedade com Edmilia Barros, o blog divulgou a marca e um release da empresa (leia aqui), apresentou a sócia, destacou os seus projetos citados na revista Veja (leia aqui) e a primeira (e única) entrevista dos sócios da Mirdad — Gestão em Cultura (leia aqui), e anunciou o seu encerramento.

-----------


Produções

Criei a seção Produções de Emmanuel Mirdad para compilar as produções que realizei, com a seguinte descrição: “O produtor cultural Emmanuel Mirdad começou a sua carreira em setembro de 1999, produzindo a gravação do primeiro álbum com suas composições. Depois, produziu a banda The Orange Poem, gravações e shows de lançamento de CDs de outros artistas, duas edições do Prêmio Bahia de Todos os Rocks, festivais, eventos e o seu projeto mais importante, a Flica”.


“Atuou brevemente como agente de shows e produtor executivo, e partiu para o empreendedorismo, sendo sócio e diretor de três empresas: Putzgrillo Cultura (2008), Mirdad — Gestão em Cultura (2013) e Cali (2013) — sua atual empresa. É especializado na concepção e elaboração de projetos culturais, formatação e captação via leis de incentivo, editais e mercado, experiência e know-how de tramitação junto aos órgãos públicos, contratação e coordenação de serviços e fornecedores, atrações e equipe profissional para a realização de todas as etapas dos projetos em execução”.

Hoje, a Produções de Emmanuel Mirdad está desatualizada, e compreende apenas o período de 1999 a 2014, com 11 posts. Acesse aqui

Produções divulgadas no blog, de 1999 a 2014

Em 2014, celebrei 15 anos de produção cultural. O blog publicou um post em comemoração, com uma entrevista que dei a alunas do curso da Facom (leia aqui), e a síntese de então: “Maior feito? A Flica. Maior satisfação? Ter gravado a experiência ancestrodélica com o mestre Mateus Aleluia na The Orange Poem. Maior prazer? Registrar minhas composições. Próximos passos? Vários (...) Agradecimento? Aos patrocinadores, parceiros, apoiadores, artistas e principalmente ao produtor Marcus Ferreira, sócio por quatro anos na Putzgrillo Cultura (2008-2012) e atual sócio na Cali, por ter topado todas as doideiras que fizemos juntos pela cultura na Bahia — e que continuamos fazendo juntos na Flica”.

-----------


Produtos

A Flica foi o único produto que vingou. Dá um orgulho danado de ser um dos idealizadores e realizadores da primeira festa literária da Bahia. Entre 2011 e 2019, o blog publicou 52 posts sobre o evento, divulgando os vídeos resumos das edições (2018 || 2017 || 2016 || 2015 || 2014 || 2013 || 2011), a programação, os curadores, os lançamentos, a cobertura fotográfica, resenhas, os vídeos das mesas literárias na íntegra, os livros mais vendidos, a minha participação na abertura, anúncios (sobre o cancelamento de mesas na Flica 2013, a estreia em 2011 e mudanças no comando da Flica, entre outros) e celebrações (ex.: comemorando a 3ª edição) — mas não de todas as edições e de maneira mais esparsa e sem compromisso.

O blog divulgou também as minhas falas no BATV sobre a Flica 2017 (veja aqui), no programa Aprovado sobre a Flica 2016 (veja aqui) e no Jornal da Manhã e Aprovado sobre a Flica 2014 (veja aqui), a cobertura midiática da Flica 2016 e da Flica 2015 — e do seu lançamento em Salvador (TV Bahia e Secom), três contribuições que fiz para a concepção e realização da Flica (leia aqui), todos os autores e mediadores que se apresentaram nas Mesas Literárias (a programação principal da festa) das edições de 2011 a 2016 da Flica (conheça aqui), e a leitura do poeta Ruy Espinheira Filho, então autor homenageado da Flica 2017, do seu poema A que partiu há pouco, durante a sua mesa na 7ª edição da festa (veja aqui).

Alguns posts sobre a Flica divulgados no blog

Total de postagens por ano: 2019 (3), 2018 (1), 2017 (7), 2016 (11), 2015 (8), 2014 (3), 2013 (14), 2012 (3) e 2011 (2).

Outros produtos também apareceram no blog: A 1ª edição da FliCaixa (Festa Literária da Caixa), e as suas etapas em Salvador, Fortaleza e Curitiba, em 2017; os projetos da Flisca e da Flican, a matéria sobre a Flisca no jornal Notícias do Dia (SC) (leia aqui) e a entrevista na coluna/blog Orelhada do mesmo jornal (leia aqui), todos em 2013, e a desistência em produzir esses projetos em 2014; e a divulgação do Festival Brainstorm em 2011, Prêmio Bahia de Todos os Rocks em 2010 — e o vídeo-resumo da 2ª e última edição do prêmio (veja aqui) e a exposição Eles Estão Entre Nós em 2009 — e um vídeo de celular passeando pela expo (veja aqui).

Encerrando as postagens da faceta Produções de Emmanuel Mirdad do blog, divulguei um dos poucos produtos que realizamos por encomenda: o VII Festival de Música Educadora FM, em 2009.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                          d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?

--------

Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho

--------

Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também

--------

Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se

--------

A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.

--------

"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como quem fica

Um …

Orange Poem — Letras traduzidas para o português

Orange Poem (imagem: Glauber Guimarães)
Segue abaixo a tradução para português das letras das músicas do álbum virtual duplo “Hybrid” (2014), da banda baiana The Orange Poem. Os poemas são quase todos de autoria de Emmanuel Mirdad, exceto um, que é a reunião de catorze fragmentos de poemas de Ildegardo Rosa, morto em 2011, pai de Mirdad, que foi gravado em português mesmo e não precisou de tradução. Mirdad agradece à cantora e professora de inglês Ana Gilli, que corrigiu as imperfeições existentes.




Cortes
Tradução para Cuts
(Emmanuel Mirdad)

Nós precisamos tanto de carinho, tão importante como oxigênio, tão raro como um abraço sincero, tão caro nestes dias de egoísmo.

Nós afastamos as pessoas ignorando a amizade, atraímos somente por negócio, criamos condições absurdas para o desejo, enquanto tentamos felicidade com coisas de plástico.

O lar se tornou refúgio, cela, e a privacidade é exposta como prêmio. Dia após dia nos restringimos a criar ídolos, o destino que foi lentamente confundi…