Pular para o conteúdo principal

Sobre o cancelamento de mesas na Flica 2013



Sobre o cancelamento das mesas “Donos da Terra? – Os Neoíndios, Velhos Bons Selvagens”, com Demétrio Magnoli e Maria Hilda Baqueiro Paraíso e “As Imposições do Amor ao Indivíduo”, com Jean-Claude Kaufmann e Luiz Felipe Pondé, da Flica 2013.

Emmanuel Mirdad

Esta nota não representa a posição oficial do evento Flica e trata-se de uma opinião minha enquanto profissional responsável pela curadoria da programação literária (ao lado de Aurélio Schommer) e pela coordenação geral (ao lado de Marcus Ferreira e dos diretores da Icontent/Rede Bahia), além de interlocutor da organização com os manifestantes que impediram a realização da mesa “Donos da Terra? – Os Neoíndios, Velhos Bons Selvagens” no último sábado pela manhã e exigiram o cancelamento posterior da mesa “As Imposições do Amor ao Indivíduo” que seria realizada à noite.

Primeiro quero me dirigir ao público presente no Claustro do Conjunto do Carmo, local da programação principal da Flica 2013, e ao público ligado na transmissão online da mesa, interessados em assistir ao até então considerado o grande debate desta edição, a mesa “Donos da Terra? – Os Neoíndios, Velhos Bons Selvagens”. Digo grande debate porque os participantes eram de posições completamente contrárias, e estavam tranquilos e dispostos a expor seus argumentos com elegância e respeito. Tentamos de várias formas dialogar com os 30 estudantes envolvidos no protesto, com paciência e educação, mas em toda abordagem o discurso foi o mesmo: “Sem diálogo! Fora Demétrio!”. Reprimiram a mesa a uma única condição: cancelamento imediato. A única forma de parar o ato seria reprimir da mesma maneira, retirando os 30 estudantes do espaço, o que, devido ao estado alterado deles, teria de ser à força, o que poderia ocasionar um desfecho muito mais problemático do que foi.

Lamento profundamente o cancelamento. Agradeço a disposição da professora Maria Hilda Baqueiro Paraíso em tentar por duas vezes o diálogo com os estudantes, inclusive oferecendo-os o microfone, mas assim como nós, a resposta foi a mesma descrita acima. Quando a mesa começou, Maria Hilda e Demétrio Magnoli fizeram suas primeiras colocações, e já na segunda rodada, o que se viu foi a primeira réplica por parte de Maria Hilda, e na hora da tréplica, Demétrio e a mesa foram interrompidos. A sensação de frustração foi enorme. Seria um grande debate, uma oportunidade única. O que os estudantes não entenderam é que o debate sobre cotas está superado, e o tema da mesa eram as questões indígenas, tão urgente e necessárias, tanto pela matança histórica ainda presente e a necessidade de reparação quanto pela vitimização e mau-caratismo da auto declaração. Como disse brilhantemente meu amigo Aurélio Schommer, "Democracia é permitir que falem o que eu não quero ouvir". Os 30 estudantes não permitiram que as demais 300 pessoas presentes (e a grande quantidade online) ouvissem. Pior: por causa de uma discussão já ultrapassada e que não tinha a ver com a proposta do debate.

Fui em cada estudante, um por um (exceto os artistas que faziam a performance e que ainda bem não tocaram no palestrante), contra-argumentando que seria a primeira vez que eles poderiam ver Demétrio tão próximo, fora da (assim classificada por eles) “hegemonia” que tanto criticam, com a oportunidade de ter suas ideias contestadas por sua opositora, extremamente qualificada, no debate. Tristemente mantiveram a única posição do grito de ordem e a imposição ditatorial do fim do debate imediato ou conflito. A Flica proporcionou este encontro com muito esforço, e eu quero agradecer muito a confiança de Demétrio Magnoli na organização do evento, que em momento algum se sentiu de fato ameaçado, passeando por Cachoeira todos os dias, vivenciando a cidade de que tanto gosta acompanhado por sua esposa, conferindo inclusive a bela mesa de encerramento com Makota Valdina e Pepetela.

Mais que o dobro do número de estudantes nos procuraram pessoalmente para demonstrar sua revolta com o ato. Inclusive outros estudantes da mesma Universidade e moradores de Cachoeira. Intrigante foi ouvir de cachoeiranos que os 30 estudantes eram de outras cidades, só estudavam e não os representavam.  Os cachoeiranos de fato que nos procuraram estavam com medo que a Flica terminasse por conta do ato. A cidade abraçou o evento desde o início, e a Prefeitura inclusive é um de nossos patrocinadores. O Prefeito Carlos Pereira é um entusiasta do evento. Acalmamos a todos e aproveito para reafirmar: a Flica continua, e no final de outubro de 2014 teremos a sua 4ª edição. Desconheço outro evento cultural do tamanho e importância da Flica, realizado por uma empresa PRIVADA, que tenha todas as suas programações GRATUITAS.

Por falar em intriga, como não refletir e encontrar a incoerência ululante após reconhecer diversos dos 30 estudantes à noite do mesmo sábado dançando e curtindo o show de Armandinho na praça, completamente lotado aberto a todos? Mais ainda: encontrei alguns assistindo maravilhados a mesa com Makota Valdina e Pepetela, aplaudindo e felizes. No dia anterior, impropérios, palavras de ordem e acusações infundadas ao evento. No dia seguinte, celebração. Assim não dá.

Estou profundamente triste por ter sido acuado, enquanto participante da organização e da curadoria, e coagido a cancelar a mesa “As Imposições do Amor ao Indivíduo”, com Jean-Claude Kaufmann e Luiz Felipe Pondé. Foi dito abertamente na interlocução com os 30 que, se não cancelássemos a mesa, eles não sairiam do Claustro, o ato continuaria (como poderíamos conduzir as duas mesas da tarde, com Joca Reiners Terron, Tom Correia, Leticia Wierzchowski e Carola Saavedra, neste cenário inflamado?), e poderia inclusive ser amplificado, com a chegada de novos estudantes que estavam fazendo o Enem. Afirmaram que se puséssemos para fora na marra (o que nunca foi cogitado), invadiriam o recinto com um grande contingente. Muitos podem nos acusar de covardes ou coniventes, mas estão equivocados como os 30. A melhor decisão naquele momento de negociação em que não tínhamos nenhum parâmetro da capacidade de mobilização do grupo, foi ceder para garantir as mesas da tarde num clima tranquilo (como aconteceu), e a própria realização da Flica em outros espaços como a Varanda do Sesi, a Fliquinha e o Palco Musical. Aproveito para ressaltar que, embora equivocados em interromper a mesa e arbitrários e irresponsáveis em coagir a não realização da mesa à noite, os 30 estudantes cumpriram sua parte no acordo firmado, assim como nós, e não praticaram nenhuma violência física aos palestrantes e membros da produção e segurança ou quebra-quebra. Tiveram seu espaço para esclarecer as causas do ato, e este momento considero importante, pois o público precisava entender a justificativa do injustificável. Até mesmo para que os cachoeiranos e os demais estudantes e grupos organizados da universidade saibam quem são e o que pensam, assim como nós.

Digo isto porque preciso prestar contas ao público infinitamente superior que foi prejudicado pela decisão arbitrária e anti-democrática de 30 estudantes. Interromperam a mesa da manhã por causa de uma discussão anacrônica e já superada: as cotas raciais. Oprimiram a realização da mesa da noite que o tema era as relações amorosas e suas implicações no indivíduo, ou seja, resumindo: o tema era AMOR. Por uma inacreditável incoerência, impediram que um sociólogo gabaritadíssimo, reconhecido e um dos mais importantes especialistas no tema no mundo, best-seller na França, que enfrentou uma longa viagem, cancelou compromissos para estar em Cachoeira, ocupadíssimo com diversas responsabilidades, aceitou o convite porque conseguimos furar os filtros da agência literária e da editora e o convidamos pessoalmente por conta da querida amiga Irene Kirsch, o cordial e disposto Jean-Claude Kaufmann, não pode falar na Flica. Ele ficou terrivelmente chocado. “Mas o Brasil não é uma democracia?”. Não sei mais, meu amigo. Desculpe-nos. Vergonha. Vergonha. E Luiz Felipe Pondé, com uma agenda ENTUPIDA de compromissos, conseguiu uma janela exclusiva pra chegar em Cachoeira 2h antes da mesa e ir embora seis da manhã do domingo, veio disposto para esse grande encontro para falar de afetividade e a complexidade das relações no indivíduo. Ficou chocado. Nós também.

Este ato dos 30 foi um imenso desperdício. Como disseram meus amigos do movimento negro que entraram em contato comigo, “não deram um tiro no pé não, deram um tiro na cabeça”. Perderam a chance de se manifestar de fato. Fizeram um ato bárbaro, opressivo e ditatorial. Não se consegue um espaço com a força. Já foi assim, agora nunca mais. Diálogo sempre. A Flica é e sempre foi imparcial e democrática. Continuaremos assim.

Aos caros autores Maria Hilda Baqueiro Paraíso, Luiz Felipe Pondé, Jean-Claude Kaufmann e Demétrio Magnoli, aos cachoeiranos, à imensa maioria democrática de estudantes da UFRB, aos patrocinadores e apoiadores, à imprensa e sociedade civil, minhas sinceras desculpas, acredito que tomamos a melhor decisão para o momento e aproveito para afirmar: a Flica continua, proporcionará debates ideológicos SIM, e estaremos atentos às medidas possíveis para assegurar que os encontros democráticos aconteçam em Cachoeira assim como foram tranquilamente realizados em 2011 e 2012.

Aos 30 estudantes presentes no ato: ainda há tempo de mudar. Diálogo, sempre. Por favor.

Emmanuel Mirdad
Coordenação Geral e Curadoria da Flica (Festa Literária Internacional de Cachoeira)

Comentários

Állex Leilla disse…
A posição da organização e dos curadores da FLICA foi admirável em todos os sentidos. Na hora, eu queria que vocês mandassem tirar aqueles rapazes e moças de lá e que o debate continuasse, assim como a maioria presente desejava. Mas vocês, realmente, foram muito conscientes. Espero que as próximas edições não sofram com esse episódio infeliz, que os patrocinadores, parceiros e, sobretudo, o público não misture "alhos com bugalhos". Um abraço pra vc, Edmilia, Marcus e Schommer. Obrigada! E parabéns!

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…