Pular para o conteúdo principal

Pílulas: Estação Infinita, de Ruy Espinheira Filho

Ruy Espinheira Filho - por Mário Espinheira interferido por Mirdad


383 poemas de 10 livros e outros livretos reunidos em 588 páginas, um tomo "obra completa" (1966-2012 // aspas porque ele continua escrevendo poemas) intitulado "Estação Infinita e outras estações" (2012/Bertrand Brasil), do poeta baiano Ruy Espinheira Filho. Um livro referencial, necessário, indispensável. Fez o meu agosto com muito gosto, e a partir de setembro deste ano, pilulei diversos poemas e publiquei os fragmentos em seis partes neste blog, que podem ser conferidas abaixo, além de sugestões de epígrafes, de adaptações cinematográficas de poemas e um livro fictício, "Olhos Machucados Dentro da Noite", que seria publicado caso eu tivesse uma editora (ou fosse editor de uma). Obrigado, caro mestre, por essa aula magna de poesia!


Parte I
Leia aqui
"Por isso suave é a notícia de sua morte. Pois você fez o percurso sem ceder espaço aos logros da esperança; ao sonho, que nos desperta para que o vejamos apenas desfazer-se no ar. Você foi, entre nós, na sordidez de cada dia, a dura limpidez de quem nada buscou, pois tudo o que há é um gesto, um lampejo – e a noite cai"



Parte II
Leia aqui

"Outra é a que
há muito se foi
para longe e dói
num sulco de afeto
incicatrizável"



Parte III
Leia aqui

"Vangloriava-se de estar a salvo de um mal: perder um filho. Tornara-se imune a essa dor de modo simples: não tendo filhos. Sábio homem, esse, cujo medo de perder um filho, o fez perder todos os filhos"




Parte IV
Leia aqui

"Esta tarde de súbito na chuva curvei-me sobre mim, sobre o que chamava amor e eis que era sua falta e por isso mesmo ainda mais amor"




Parte V
Leia aqui
"Ao fim destes vinte anos, escrevo estas palavras e me envergonho de não saber dizer melhor dos acordes que soam em nós que te conhecemos. Mas, se tanto não sei, não sabemos, sabemos o que importa: que somos especiais porque vivemos o tempo generoso da tua voz, do teu gesto, e continuamos a viver esse tempo, confortados por tua densa e cálida memória, meu pai"


Parte VI
Leia aqui
"Trago comigo os lugares onde estive. Não sou como os antigos que falavam em sacudir das sandálias a poeira dos caminhos. Não, guardo tudo, sempre guardo tudo, e especialmente guardarei das últimas caminhadas o seu espesso pó de iluminar a alma. Das viagens não regresso jamais"



Epígrafes - Parte I
Leia aqui

"Quando manifesto meu desejo maior e mais sábio, chegou a hora de cessar o efêmero"

"Mais pleno é o perdido, pois o resto ainda não se cumpriu"




Epígrafes - Parte II
Leia aqui

"Antigamente é um país mágico"

"Das viagens não regresso jamais"






Sugestões para Cinema
Leia aqui

Quatro poemas do mestre em sugestões excelentes para adaptações cinematográficas, uma dica valiosa para os nossos cineastas.





Sugestão Livro
Leia aqui

O livro fictício "Olhos Machucados Dentro da Noite", contendo 62 poemas de Ruy Espinheira Filho, minha seleção dos seus poemas mais "retados".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…