Pular para o conteúdo principal

Flica 2013 - Mesas da programação principal



A programação da Flica 2013 traz 12 mesas com 24 autores nacionais e internacionais, e vai da noite de quarta 23 a domingo 27 de outubro, sempre gratuita, aberta ao público, com transmissão ao vivo pelo site oficial. Confira as mesas:



Mesa 01
20h / Horário de Verão 21h
"Enfrascar o Cotidiano"
Cristovão Tezza e Fabrício Carpinejar
Mediador: Jackson Costa

Para esclarecer sobre a ponte entre literatura e crônica, entre verossimilhança e caos, a Flica traz, abrilhantando a solene abertura da edição 2013, esse dois cronistas, que, desconfiamos, são capazes de tal tarefa e de algo mais: enfrascar (com graça) o cotidiano.

Info: http://www.flica.com.br/quarta-2310/



Mesa 02
10h / Horário de Verão 11h
"Qualquer Um Poeta"
Elieser Cesar e Karina Rabinovitz
Mediador: Jackson Costa

Qualquer um é poeta, qualquer um com seus escuros a ansiar por luz, qualquer um focado por luzes a ansiar por penumbra e descanso. Qualquer um se contradiz, mas rediz, no variar infinito das rimas intercaladas, fragmentadas como tudo mais.




Mesa 03
15h / Horário de Verão 16h
"Vidas Comuns, Vidas Notáveis"
Mário Magalhães e Ana Teresa Baptista
Mediador: Jackson Costa

Mário Magalhães e Ana Teresa Baptista estarão aqui para contar como se conta uma vida, como se diz das vidas notáveis (que na maior parte do tempo são também comuns), de quem foi Fulano, o que fez, como viveu; ainda além, como pensou, amou, sofreu e topou com a sorte (ou azar, sabe-se lá quantos pecados escondidos) de encontrar um biógrafo honesto, como nossos convidados.




Mesa 04
19h / Horário de Verão 20h
"1889 – Clientes, Coronéis e a República"
Laurentino Gomes e Eduardo Bueno
Mediador: Aurélio Schommer

República. A origem da palavra entre nós tem lá suas modulações. Vamos descobri-las na Flica, com Eduardo Bueno e Laurentino Gomes, os dois cronistas da história brasileira que o coletivo, a nação, decidiu eleger como seus favoritos para evitar novas distorções de conceitos.




Mesa 05
10h / Horário de Verão 11h
"O Não Legado da Literatura"
Ewan Morrison (Escócia) e Sérgio Rodrigues
Mediador: Rosel Soares

A Flica não tem a intenção, com esta mesa, de dissipar o mal-estar na literatura. Antes a presença do mal-estar que leituras obrigatórias, que alguma versão nova do Index Librorum Prohibitorum. Nossa intenção é um debate legado, deixado como herança a nosso público.




Mesa 06
15h / Horário de Verão 16h
"Lirismo, Sonhos e Imaginários"
Kiera Cass (EUA) e Gláucia Lemos
Mediador: Rosel Soares

A dor, o poder, a injustiça, a opressão, o mundo organizado para dividir, limitar, submeter. Nada pode contra tanto mal, senão os sonhos, os imaginários, o amor, a esperança, senão o lirismo, presente na Flica com duas de suas modernas expressões: Gláucia Lemos e Kiera Cass.



Mesa 07
19h / Horário de Verão 20h
"Entre Flores e Espartilhos"
Sylvia Day (EUA) e Állex Leilla
Mediador: Jorge Portugal

A Flica, preocupada em seduzir seu público, desinibe-se e apresenta Állex Leila e Sylvia Day, autoras que fazem do imaginário o fator transcendência da banalidade.




Mesa 08
10h / Horário de Verão 11h
"Donos da Terra? – Os Neoíndios, Velhos Bons Selvagens"
Demétrio Magnoli e Maria Hilda Baqueiro Paraíso
Mediador: Jorge Portugal

Nos últimos 18 anos, foram demarcados, em média, 3,2 milhões de hectares de novas terras de novos índios por ano. Se essa perspectiva é alarmista, retórica falaciosa dos “inimigos dos índios”, Varnhagens atualizados, qual o caminho para contentar e harmonizar brasileiros e brasilianos, como já foram chamados os senhores originais do leste da América do Sul?




Mesa 09
14h / Horário de Verão 15h
"A Velocidade da Contemplação Moderna"
Joca Reiners Terron e Tom Correia
Mediador: Jackson Costa

Na verdade, tanto um quanto o outro refugiam-se em suas montanhas isoladas particulares, construídas pelas mentiras que contamos a nós mesmos, diria Joca, querendo oferecer ideias, como confessa Tom. E vez ou outra dão-se à luz, à velocidade de contemplação contemporânea, evolução da moderna, tempo em que os citadinos já não eram poucos e os escritores-oráculos tinham se multiplicado e se dividido em escolas opostas.




Mesa 10
17h / Horário de Verão 18h
"Afetos e Ausências"
Carola Saavedra e Leticia Wierzchowski
Mediador: Rosel Soares

Ilhas austrais como cenário, afetos, ausências, desolações. Elementos tanto do romance “Sal”, novo sucesso de Letícia Wierzchowski, quanto de “Paisagem com dromedário”, de Carola Saavedra. Mas não é a mesma ilha, os mesmos afetos, as mesmas ausências, as mesmas desolações. A inesgotabilidade do romance está exatamente no que pode acontecer, dadas as mesmas premissas, e nos vieses, marcas de autores talentosos desse gênero que só faz acrescentar leitores, multiplica-se e reinventa-se.




Mesa 11
20h / Horário de Verão 21h
"As Imposições do Amor ao Indivíduo"
Jean-Claude Kaufmann (França) e Luiz Felipe Pondé
Mediador: Rosel Soares

A Flica utilizou a linguagem da sedução para impor a Jean-Claude Kaufmann e a Luiz Felipe Pondé a presença em Cachoeira, na esperança de que o discurso amoroso de ambos imponha um vínculo a nosso público, precursor de um devir de afeto-tutela ou libertário, residindo nesse “ou” prováveis diferenças entre eles e entre os indivíduos de nosso público nas relações de cada um a cada outro.




Mesa 12
10h / Horário de Verão 11h
Ndongo, Ngola, Angola, Bahia
Pepetela (Angola) e Makota Valdina
Mediador: Jorge Portugal

Ndongo, Ngola, Angola, Bahia, de como todo esse contínuo transformar de séculos foi dar em Cachoeira, foi se transformar em celebração e debate, no juntar de um mundo só interatlântico, um mundo angolano, em dois de seus mais ilustres personagens, de cá e de lá, de um só lugar, num só lugar. Conversem, Makota Valdina e Pepetela, e restaremos todos em júbilo.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…