Pular para o conteúdo principal

33

Selfie de hoje, ao completar 33 anos


Tem um caqueiro de alfinete na varanda de onde moro em que é comum passarinhos criarem um ninho. Dessa vez, são dois filhotes. Mas o ninho não foi tão resistente, e acabou quase despencando do alfinete suspenso no alto. Ficou literalmente por um fio de palha. Com um dos filhotes dentro.


O ninho foi despencando aos poucos. Não sou especialista e por isso não quis interferir, com receio de que os pais pudessem abandonar a cria por causa de uma mexida qualquer. E hoje ele quase veio abaixo. À tarde, um dos passarinhos chegou com o alimento e se desesperou ao ver a queda iminente do ninho. Pulou para todos os lados, piando freneticamente, mexendo a cabeça, voando em círculos pela varanda, angustiado pela impotência; nada poderia fazer. E eu ali perto, aguardando a luz voltar para voltar ao trabalho, ironicamente lendo "O filho eterno", de Cristovão Tezza, assistindo o desespero do pai/mãe pássaro.


Hoje eu apareço na tão mítica "Idade de Cristo", trinta e três anos. Nesse Maktub pequenino, a luz faltou e a oportunidade de salvar uma vida minúscula alumiou-se à minha frente. O passarinho mãe/pai piava em berros próprios e Sãotomesticamente fixou seu olhar em mim. Pensei: se o Deus humanizado existisse, iria se sentir assim. Ajudo ou foda-se na tua sina? O passarinho "orava" sem joelhos, cada vez mais fixo em mim. Eu tenho o poder de mudar a tragédia. Faço ou o acaso que reja? O Deus homem pensou assim diante da cruz que assassinava teu filho aos 33? Levantei-me.


O passarinho foi embora. Aproveitando a surdina, rapidamente montei o ninho de volta ao alfinete. A cria estava salva. Interferi no livre arbítrio, que é uma farsa, sempre foi. No primeiro dia dos trinta e três, a tão aguardada idade (a outra foi aos vinte e nove), flertei com o ser Deus homem e fraquejei. Fato: não há responsabilidade maior que se resignar em silêncio diante de tanta tragédia, e só homeopaticamente exato, interferir com milagres por respeito à sina programada de quem recebe a benção não por fé, e sim por confirmação Maktub. Ainda bem que sou, como bem disse o padre poeta Daniel Lima, provisório e de passagem.


O ninho recolocado em segurança

Comentários

Ana Gilli disse…
Que beleza!

33 no sétimo dia já é sinal de alquimia!

Boa maneira de começar os trabalhos, Mirdad! A luz do coração brilha forte no escuro.

Parabéns e bóra cuidar da Vida que ela cuida da gente!

Beijo doce,
Ana
Mila disse…
O texto me lembrou o trecho de uma música do SOAD, q remonta justamente o momento na cruz q vc citou:

"Father, into your hands
I commend my spirit
Father into your hands
Why have you forsaken me?
In your eyes, forsaken me
In your thoughts, forsaken me
In your heart, forsaken me"
Emmanuel Mirdad disse…
Que beleza, queridas! Um beijo grande!

Postagens mais visitadas deste blog

Seleta: Lisa Hannigan

Lisa Hannigan (foto daqui ) Conheci a cantora e compositora irlandesa Lisa Hannigan graças ao emocionante filme “ Maudie ” (2016), da diretora irlandesa Aisling Walsh (baseado na história da artista canadense Maud Lewis ). A música dos créditos finais é “ Little Bird ”, e a suavidade, timbre, afinação e interpretação tátil da bela voz de Lisa Hannigan me fisgou na hora! Contemplei três dos seus álbuns, “ At Swim ” (2016), “ Passenger ” (2011) e “ Sea Sew ” (2008), e fiz uma seleta com 20 canções que mais gostei. Confira o belo trabalho da irlandesa Lisa Hannigan ! Ouça no YouTube  aqui Ouça no Spotify aqui 1) Tender [At Swim, 2016] 2) Funeral Suit  [At Swim, 2016] 3) Home [Passenger, 2011] 4) Little Bird [Passenger, 2011] 5) Paper House [Passenger, 2011] 6) An Ocean and a Rock [Sea Sew, 2008] 7) Prayer for the Dying [At Swim, 2016] 8) Nowhere to Go [Passenger, 2011] 9) Anahorish [At Swim, 2016] 10) We, the Drowned [At Swim, 2016] 11) Splishy Splashy [Sea Sew, 2008] 12) T

Leituras 2020

Os 10 livros lidos em 2020 Li 10 livros em 2020 , com destaque para a poesia, e selecionei trechos das obras de Alex Simões , Lúcio Autran , Wesley Correia , Mariana Botelho , Nina Rizzi , Érica Azevedo , Ana Valéria Fink e Cyro de Mattos , e trechos dos romances de Franklin Carvalho e Victor Mascarenhas . Além dos livros, elaborei uma seleção de poemas de Zecalu [publicados nas redes sociais em 2019], outra seleta de trechos de crônicas de Santiago Fontoura [publicadas no Facebook], e uma seleção de poemas de Martha Galrão . Por fim, reli a autobiografia de Rita Lee e divulguei trechos também. Boa leitura! “Contrassonetos catados & via vândala” (Mondrongo, 2015) Alex Simões Leia trechos  aqui “soda cáustica soda” (Patuá, 2019) Lúcio Autran Leia trechos  aqui “laboratório de incertezas” (Malê, 2020) Wesley Correia Leia trechos  aqui “o silêncio tange o sino” (Ateliê Editorial, 2010) Mariana Botelho Leia trechos  aqui   “A ordem interior do mundo” (7Letras, 2020) Franklin Carv

Seleta: Edson Gomes

Os discos e as músicas do cantor e compositor Edson Gomes são os meus prediletos e as que eu mais gosto dentre tudo que é feito de reggae no Brasil. No meado dos anos 1990, eu só ouvia Bob Marley & The Wailers o tempo inteiro, e foi o ilustre mestre cachoeirano quem despertou o meu interesse para outros sons além do gigante jamaicano. Fiquei fã de Edson Gomes antes de conhecer Burning Spear , Peter Tosh , Alpha Blondy , Gregory Isaacs e muitos outros. Foram os clássicos dele, e são muitos, muita música boa, arranjos excelentes, o sonzaço da banda Cão de Raça (adoro a timbragem e improvisos do guitarrista Tony Oliveira ), que me apresentaram a magia do Recôncavo Baiano , de Cachoeira , muitos anos antes da Flica . Na Seleta de hoje, as 42 músicas que mais gosto, gravadas por Edson Gomes & Banda Cão de Raça , presentes em seis álbuns : “ Resgate Fatal ” (1995), “ Campo de Batalha ” (1992), “ Recôncavo ” (1990), “ Apocalipse ” (1997), “ Reggae Resistência ” (1988) e “ Acor