Pular para o conteúdo principal

33

Selfie de Emmanuel Mirdad, hoje, ao completar 33 anos


Tem um caqueiro de alfinete na varanda de onde moro em que é comum passarinhos criarem um ninho. Dessa vez, são dois filhotes. Mas o ninho não foi tão resistente, e acabou quase despencando do alfinete suspenso no alto. Ficou literalmente por um fio de palha. Com um dos filhotes dentro.


O ninho foi despencando aos poucos. Não sou especialista e por isso não quis interferir, com receio de que os pais pudessem abandonar a cria por causa de uma mexida qualquer. E hoje ele quase veio abaixo. À tarde, um dos passarinhos chegou com o alimento e se desesperou ao ver a queda iminente do ninho. Pulou para todos os lados, piando freneticamente, mexendo a cabeça, voando em círculos pela varanda, angustiado pela impotência; nada poderia fazer. E eu ali perto, aguardando a luz voltar para voltar ao trabalho, ironicamente lendo "O Filho Eterno", de Cristovão Tezza, assistindo o desespero do pai/mãe pássaro.


Hoje eu apareço na tão mítica "Idade de Cristo", trinta e três anos. Nesse Maktub pequenino, a luz faltou e a oportunidade de salvar uma vida minúscula alumiou-se à minha frente. O passarinho mãe/pai piava em berros próprios e Sãotomesticamente fixou seu olhar em mim. Pensei: se o Deus humanizado existisse, iria se sentir assim. Ajudo ou foda-se na tua sina? O passarinho "orava" sem joelhos, cada vez mais fixo em mim. Eu tenho o poder de mudar a tragédia. Faço ou o acaso que reja? O Deus homem pensou assim diante da cruz que assassinava teu filho aos 33? Levantei-me.


O passarinho foi embora. Aproveitando a surdina, rapidamente montei o ninho de volta ao alfinete. A cria estava salva. Interferi no livre arbítrio, que é uma farsa, sempre foi. No primeiro dia dos trinta e três, a tão aguardada idade (a outra foi aos vinte e nove), flertei com o ser Deus homem e fraquejei. Fato: não há responsabilidade maior que se resignar em silêncio diante de tanta tragédia, e só homeopaticamente exato, interferir com milagres por respeito à sina programada de quem recebe a benção não por fé, e sim por confirmação Maktub. Ainda bem que sou, como bem disse o padre poeta Daniel Lima, provisório e de passagem.


O ninho recolocado em segurança


Comentários

Ana Gilli disse…
Que beleza!

33 no sétimo dia já é sinal de alquimia!

Boa maneira de começar os trabalhos, Mirdad! A luz do coração brilha forte no escuro.

Parabéns e bóra cuidar da Vida que ela cuida da gente!

Beijo doce,
Ana
Mila disse…
O texto me lembrou o trecho de uma música do SOAD, q remonta justamente o momento na cruz q vc citou:

"Father, into your hands
I commend my spirit
Father into your hands
Why have you forsaken me?
In your eyes, forsaken me
In your thoughts, forsaken me
In your heart, forsaken me"
Mirdad disse…
Que beleza, queridas! Um beijo grande!

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…