Pular para o conteúdo principal

Flica 2013 - Autores confirmados - Parte III

Autores confirmados na Flica 2013
Em cima: Sylvia Day, Fabrício Carpinejar e Makota Valdina
Embaixo: Carola Saavedra, Maria Hilda Baqueiro Paraíso e Joca Reiners Terron


A 3ª edição da Flica, a Festa Literária Internacional de Cachoeira, vai acontecer de 23 a 27 de outubro na cidade histórica e heroica do Recôncavo Baiano. Conheça mais uma leva de autores confirmados na programação principal da Flica.



SYLVIA DAY
http://www.flica.com.br/sylvia-day/

Natural de Los Angeles (EUA), é autora de diversos best-sellers do New York Times e do USA Today. Publicados em mais de trinta países, seus livros foram considerados uma “aventura emocionante” pelo Publishers Weekly e “perversamente divertidos” pela Booklist. Recebeu os prêmios RT Book Reviews Reviewers’ Choice Award, EPPIE Award, National Readers’ Choice Award e Readers’ Crown, e foi diversas vezes finalista do RITA Award of Excellence. Sua trilogia “Crossfire”, dos romances “Toda sua”, “Profundamente sua” e “Para sempre sua”, lançada pelo selo Paralela da Cia das Letras, é recorde de vendas no Brasil. Na Flica, lançará seu novo romance, “Um toque de vermelho”.

Na FLICA
Mesa 07 – “Entre Flores e Espartilhos”
Sexta-feira, 25 de outubro, às 19h



FABRICIO CARPINEJAR
http://www.flica.com.br/fabricio-carpinejar/

Gaúcho de Caxias do Sul (1972), é poeta, cronista, jornalista e professor. Possui vinte e quatro livros na literatura, oito de poesia, oito de crônicas, um de reportagem e sete infanto-juvenis. É apresentador da TV Gazeta e TVCOM, colunista do jornal Zero Hora, revista IstoÉ Gente e Pais&Filhos, e comentarista da Rádio Gaúcha. Já recebeu prêmios como Jabuti (2009) e quatro prêmios Açorianos. Foi escolhido pela revista Época em 2010 como uma das 27 personalidades mais influentes na internet. Seu blog já recebeu mais de dois milhões de visitantes, o twitter ultrapassou duzentos mil seguidores e sua página no Facebook mais de 190 mil fãs. Na Flica 2013, Carpinejar lança o seu mais novo livro, “Espero Alguém” (Bertrand Brasil), onde apresenta crônicas escritas após um período difícil de sua vida: o abandono pela mulher amada.

Na FLICA
Mesa 01 – “Enfrascar o Cotidiano”
Quarta-feira, 23 de outubro, às 20h



MAKOTA VALDINA
http://www.flica.com.br/makota-valdina/

Natural de Salvador (1943), é professora aposentada da rede pública municipal, educadora, ativista política e membro do Conselho de Cultura da Bahia, uma referência para as comunidades negras baianas, sendo reconhecida como mestra da sabedoria Bantu nos ambientes intelectuais nacionais e internacionais, valorizando as especificidades da nação de candomblé Angola-Congo. Valdina Pinto ocupa o cargo de Makota, assessora da Nengwa Nkisi, Mãe de Santo do Tanuri Junsara, Terreiro de Candomblé Angola, em Salvador. Durante os mais de cinquenta anos de ensinamentos e atividades em prol da preservação do patrimônio cultural afro-brasileiro, Makota Valdina recebeu diversas condecorações como o Troféu Clementina de Jesus (UNEGRO), Troféu Ujaama, Medalha Maria Quitéria e Mestra Popular do Saber.

Na FLICA
Mesa 12 – “Ndongo, Ngola, Angola, Bahia”
Domingo, 27 de outubro, às 10h



CAROLA SAAVEDRA
http://www.flica.com.br/carola-saavedra/

Chilena de nascimento (1973), mas radicada no Brasil desde criança, é jornalista de formação, escritora e tradutora. É autora dos romances “Toda terça” (2007), “Flores azuis” (2008) – eleito melhor romance pela APCA, finalista dos prêmios São Paulo de Literatura e Jabuti – e “Paisagem com dromedário” (2010) – Prêmio Rachel de Queiroz na categoria jovem autor, finalista dos prêmios São Paulo de Literatura e Jabuti –, todos lançados pela Companhia das Letras. Seus livros estão sendo traduzidos para o inglês, francês, espanhol e alemão. Está entre os vinte melhores jovens escritores brasileiros escolhidos pela revista Granta. Morou na Espanha, na França e na Alemanha, onde concluiu um mestrado em Comunicação. Atualmente vive no Rio de Janeiro.

Na FLICA
Mesa 10 – “Afetos e Ausências”
Sábado, 26 de outubro, às 17h



MARIA HILDA BAQUEIRO PARAÍSO
http://www.flica.com.br/maria-hilda-baqueiro-paraiso/

Graduada e com mestrado em Ciências Sociais pela UFBA, com doutorado em História Social pela USP, é considerada a mais respeitada autoridade acadêmica da Bahia sobre assuntos indígenas. Atual vice coordenadora do Programa de Pós Graduação em História da UFBA, é membro do corpo editorial da UESB (BA) e da UFU (MG). A historiadora já pesquisou a trajetória dos Botocudos na Bahia, Minas Gerais e Espírito Santo, a luta dos Pataxós pelo ensino superior, a história indígena e do indigenismo, com análise da guerra justa dos atuais estados da Bahia, Espírito Santo e Minas Gerais, entre outros estudos. Sobre as questões indígenas, a historiadora já publicou diversos artigos, livros e atualmente orienta quatro mestrandos e cinco doutorados, todos sobre esta temática.

Na FLICA
Mesa 08 – “Donos da Terra? – Os Neoíndios, Velhos Bons Selvagens”
Sábado, 26 de outubro, às 10h



JOCA REINERS TERRON

Natural de Cuiabá (1968), é escritor. Publicou “Eletroencefalodrama” (poemas, Ciência do Acidente, 1998), “Não Há Nada Lá” (romance, Ciência do Acidente, 2001, reeditado em 2011 pela Companhia das Letras). “Animal Anônimo” (poemas, Ciência do Acidente, 2002), “Hotel Hell” (novela, Livros do Mal, 2003), “Curva de Rio Sujo” (contos, Planeta, 2003), “Sonho Interrompido por Guilhotina” (contos, Casa da Palavra, 2006), “Do Fundo do Poço se Vê a Lua” (romance, Companhia das Letras, Prêmio Machado de Assis da Biblioteca Nacional de melhor romance de 2010), “Guia de Ruas Sem Saída” (graphic novel ilustrada por André Ducci, Edith, 2012). Assinou a dramaturgia de “Bom Retiro 958 Metros”, peça do Teatro da Vertigem. Seu último livro é o romance ”A Tristeza Extraordinária do Leopardo-das-Neves” (Companhia das Letras, 2013).

Na FLICA
Mesa 09 – “A Velocidade da Contemplação Moderna”
Sábado, 26 de outubro, às 14h

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…