Pular para o conteúdo principal

Destaque: Ellen Oléria

foto: Savia Gabi

Quem me apresentou o som da Ellen Oléria foi o Mário Sartorello, meu chefe na Educadora FM. Pirei no som, vozeirão firme, groove redondinho, dançante, em boas canções. Produzi então um Especial das Seis com o álbum Peça, primeiro da cantora, compositora e instrumentista brasiliense, que irá ao ar pela rádio nesta quinta 24, 18h. Mas antes, você curte por aqui alguns vídeos dessa promissora artista da black music, grata revelação lá do Distrito Federal, desde já na minha lista dos melhores do ano. Confira aqui o Myspace dela.

Ellen Oléria - Testando



Ellen Oléria - Brado



Ellen Oléria é de Brasília e começou profissionalmente em 2000, na banda N’Razões, focada na black music. Dois anos depois, deu início à carreira solo, somando à sonoridade Black, outros elementos da MPB, sempre com muito swing e um carisma contagiante. Dona de uma voz poderosa, que transita bem entre o canto melódico e o discurso do hiphop, Ellen Oléria lançou, em junho de 2009, Peça, seu primeiro CD, quase todo autoral, com treze faixas.

A banda que acompanha a artista há quatro anos é enxuta, mas muito competente, groove redondo, formada pelos monstrinhos Rodrigo Bezerra (guitarrista e produtor musical), Paula Zimbres (baixo) e Célio Maciel (bateria). Curta mais dois vídeos:

Ellen Oléria - Pedro Falando com o Reflexo



Ellen Oléria - Senzala (A Feira da Ceilândia)



.

Comentários

cris disse…
IncOmparavel, nadaa se igualaa, me cOnquistOu nO 1° mOmentO em q a Ouvii, naum sÓ pela vOz magnificaa, marcante, sedutOraa,tOcantee + pela pOsturaa, a atitudee o estilO.
O cd? Indiscutivelmente Perfect, as letras maravilhOsaas. Um verdadeirO talentO q o BRASIL precisaa urgentemente cOnhecer.
Sou fãzOnaa dela, e comO ela mesma diz “carne dura”.

Um AbraçO! ;*

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…