Pular para o conteúdo principal

Vício: Wilson Dias

Wilson Dias

Neste dia 'novado', destaco o trabalho do cantor, compositor e violeiro Wilson Dias, mineiro de Olhos D’Água (Vale do Jequitinhonha), e o meu vício na música Canção de Siruiz, faixa 07 do álbum Picuá, de 2008. Segundo consta no encarte do CD, o Wilson explica sua composição em cima de obra de domínio público, registrada pelo genial João Guimarães Rosa: “Lendo Grande Sertão: Veredas, lembrei-me de uma melodia que surgiu quando fazia minhas caminhadas. Deparei-me com o texto, peguei a viola e cantei a canção do início ao fim”.

Wilson Dias - Canção de Siruiz



Canção de Siruiz
(Domínio Público-João Guimarães Rosa / Wilson Dias)

Urubu é vila alta
Mais idosa do sertão

Padroeira minha vida
Vim de lá, volto mais não

Corro os dias nesses verdes
Meu boi mocho baetão

Buriti, água azulada
Carnaúba, sal do chão

Remanso de rio largo
Viola da solidão

Quando vou pra dar batalha
Convido meu coração


Além de Canção de Suruiz, que tem um solo ‘entupiu tudo’ (expressão cunhada pelo percussionista figuraça Antenor Cardoso) de guitarra acústica do brilhante músico André Siqueira (lembrou-me a sensibilidade do genial Mou Brasil), destaco também duas canções viciantes: Martim Pescador e Jequitinhonha (faixas 03 e 14 do Picuá). A primeira tem um refrão singelo, adesivo por demais, qu’eu cheguei ao absurdo de cantá-lo sem parar por 15 minutos seguidos, sozinho ao volante em uma tarde de engarrafa'pensamentos. E a outra não tem vídeo, mas segue a letra e a deixa pra ouvi-la no Myspace do Wilson Dias.


Wilson Dias - Martim Pescador


----

Jequitinhonha
(Wilson Dias / Gervásio Horta)

Jequitinhonha a morena sonha
Com o canoeiro
Jequitinhonha tá tão tristonha
No cativeiro

A noite chora
A noite emplora ao padroeiro
Que traga o cesto cheio de peixe
O ano inteiro

Rio vai pro mar
Rio vai levar
Leva minha mágoa
Em sua água
Quem te espera de braços abertos
É iemanja
Quem te espera de braços abertos
É a rainha do mar

.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…