Pular para o conteúdo principal

Beirut é pão farofa


Invasão do palco do TCA no show do Beirut


Ontem eu fui pro show sobrenatural de Tiganá Santana e Roberto Mendes. Um pouco antes de começar, uma pessoa querida enviou uma SMS: "Pq vc n veio p o show de Beirut mesmo?". Menti: "Quando fui comprar, acabou". Confesso que fiquei um pouco intimidado com o mesmo, já que por conta de minha profissão de produtor e articulador, preciso estar presente em "eventos", praticando o 'miszãceni'. Mas não fui comprar e não me mobilizei em momento algum pra isso. Não conheço o trabalho do Beirut, só superficialmente, porque a parceira de trampo Bárbara Lisiak produziu um Especial das Seis com eles, e eu ouvi ao longe algumas músicas. Talvez se tivesse sido um fiasco a venda dos ingressos, eu comprasse só pra ajudar o evento.

Mas voltando ao que interessa, essa mesma pessoa querida me ligou um pouco depois das 23h, pra relatar que tinha sido um vexame o show, principalmente por conta do que vocês podem ver acima no vídeo. Fucei na rede e encontrei as resenhas aqui e aqui e aqui (up) e aqui (up). Leiam. Eu só vou me ater a: será que alguém conhece algum desses sacanas que subiram ao palco? Vamos dar a voz a um só deles: por que diabos fez isso? No vídeo dá pra ver o constrangimento de vários que sobem: não sabem o que fazer, ajeitam a calça folgada, ficam meio bambo, correm pra tirar fotos '3x4' dos gringos (só pra mostrar depois, talvez - eu subi no palco do TCA, mãe). Exceto um cabra de camisa rosa; está pleno no picadeiro de sua picardia aflorada ("depois, depois...").

.

Comentários

Zeca Forehead disse…
hahaha patético. Neguinho sobe no palco pra ficar com cara de cu.
Herculano Neto disse…
Histeria juvenil e outras coisas mais. Crônica no meu blog. Abraços!
Z, disse…
Velho, esse seu título foi muito bom... Beirute é pão farofa - hahahahah
Bárbara Lisiak disse…
Soube dessa história aqui em Curitiba e não pude deixar de dar risada. Imagino quantos pseudos deixaram de ser fãs deles depois desse auê.

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…