Pular para o conteúdo principal

Vício: Carolina Diz

Carolina Diz

Vou continuar expondo meus vícios musicais por aqui. Descobri a banda Carolina Diz, de Minas Gerais, em abril desse ano, quando estava produzindo o programa Panorama Brasil - MG. Fiquei viciado na canção hit-grude-hard Mariana, que você pode conferir no vídeo logo abaixo ou aqui. Daí, fui fuçar e encontrei aqui os dois CDs deles disponíveis para download (ouvir tb), Se Perder (2003) e Crônicas do Amanhecer (2008). Baixei ambos e particularmente não curti muito o primeiro, mas o segundo é bem legal, e tem duas músicas muito fodas. O vocalista canta bem, dosado na medida do som da banda, sem os excessos insuportáveis das vozes masculinas do rock de hoje.

A cópia que fiz, estragou, não toca mais. Desde abril que está no meu playlist, e foi a trilha perfeita pra impulsionar as lágrimas da fossa que passei. Os tempos ruins passaram, mas as duas músicas não. É uma prova da excelência das canções de César Gilcevi, poeta facão e batera/letrista da banda. Elas estão aí, fodas, ultrapassando qualquer motivo que leve alguém a ouvi-las; irão perdurar pra sempre.

Do CD Crônicas do Amanhecer, as duas são as faixas 05 e 13: Bh Blues e A Balada de Mateus & Renata. Esta última não vou postar a letra aqui, mas vou destacar o seu final: "Hoje seremos eternos". No início de maio, dediquei esse petardo a uma pessoa querida. Ela respondeu: "Muito triste, não é?". Sim. Dedicar a eternidade à finitude do hoje é terrível! Não estamos prontos ainda pra suportar que não há nada além de hoje. Mas, por outra interpretação, naquela noite, nós fomos eternos. Pra mim, ao menos.

Bh Blues
(César Gilcevi)

Hoje a lua desceu à sarjeta
Entre camisas de vênus e andróides
E serviram na profana ceia
A orelha de Van Gogh

Em escadarias de spray e mijo
Uma criança agora nasce
E o aço frio dos assassinos
É só mais uma possibilidade

Uma noite qualquer

Pederastas fedendo a ouro
Despertam saqueados
Em cada rosto um sumidouro
De afagos e de escarros

Alguém joga uma moeda
Na escuridão do cego desdentado
O asfalto engole sem trégua
O sangue dos atropelados

No Maletta, um bar final
Papelotes passam rentes
Generosas doses de caos
Amparam pálidos sobreviventes

Refrigerados junto ao pesadelo
Réus confessos e vítimas
Entalhando em segredo
A busca que não cicatriza

Uma noite qualquer
Uma noite qualquer

----------

Carolina Diz - Mariana



.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…