Pular para o conteúdo principal

Canções de Minha Vida: Comfortably Numb

02/07/2005: Pink Floyd no Live 8, 24 anos depois, pela última vez.


“Você tem que ouvir é rock, seu porra!”. Sábio amigo Alan Freitas. Indignado com minha obsessão pelo reggae, foi praticamente um missionário fundamentalista; insistiu tanto que conseguiu reverter a minha ‘hippiezação’ (nada contra, é claro!). Era 1997, e só um pouco de suas ofertas foram bem aceitas. Recordo que uma das mais rechaçadas foi o tal do Pink Floyd. Absorvido pelo pop punk dos Ramones, eu estava há anos luz da psicodelia.

Mas Alan foi persistente, e percebendo qu’eu tinha um fascínio por solos de guitarra, não tardaria por abismar-me pelo genial David Gilmour. E com a ‘descoberta do mundo’ provocada pelo Led Zeppelin, principalmente por Jimmy Page, a semente do caos estava germinando. Tanto que, no ano seguinte, 1998, já obcecado por ter uma banda, ganhei de presente de meu pai uma Les Paul genérica, da Epiphone, que batizei de ‘Lílian’. Coitada. Sempre foi o entulho de cima de meu armário; nunca tive dedo suficiente para manuseá-la.

Analisando hoje o ponto de partida ‘floydiano’ em minha formação musical, encontro a importância desbravadora do álbum OK Computer, do Radiohead, que junto ao Bringing Down the Horse, do The Wallflowers, foram os dois primeiros discos ‘de rock’ que comprei em minha vida, em 97. O OK, resguardadas as devidas proporções para a ingenuidade da época, me apresentou um pouco do que poderia ser o experimentalismo e as viagens lombrantes das ambiências sonoras etéreas, coisas que o reggae não tinha (a viagem deste é na vibração do corpo, no pulso, não na lisergia da mente), além da melancolia e a sensação de claustro. Ou seja, todos os ingredientes que preciso pra não desistir de respirar.

Então, juntando solos de guitarra + pacote lisérgico melancólico + insistência homeopática de Alan, progressivamente fui compreendendo as nuances complexas do fluido sonoro inglês; de quebra, da nossa existência. E assim curti o Pink Floyd, confortavelmente chapado de som, apenas. Canonizei-os ao lado de Bob Marley, e fundei a banda The Orange Poem sonhando em soar como eles, em 2001, aos 20 anos.

Enquanto quase todos são The Beatles, outros são The Rolling Stones, eu sou da turma dos progressivos quase unicamente floydianos (outra banda no estilo? - difícil ouvir!), parido pelo Led Zeppelin, imerso na psicodelia pra sempre. Tenho quase todos os discos, e os guardo nos plásticos ainda, dentro de uma caixa, no armário. Para ouvi-los, é uma solenidade.

Comfortably Numb foi lançada no insuperável álbum/espetáculo/filme The Wall, quase 30 anos atrás, em 1979 (nov/dez). Na humilde opinião deste blogueiro aqui, é a mais bela e maior canção do Pink Floyd (com Echos em 2º lugar, beirando), e foi a que a The Orange Poem tocou sempre que pode, com Fábio e Jesus dialogando fielmente ao reproduzirem os belíssimos solos de Gilmour (por sinal, deveriam ser considerados patrimônio cultural da humanidade). Por sinal, o solo da gravação original também está arquivado em minha memória afetiva (nem venham dar nota errada qu’eu irei apontar!). A curiosidade é que sempre foi a música mais aplaudida dos nossos shows. Não dá pra reproduzir aqui o enorme prazer em cantar: “O.K. Just a little pin prick, there'll be no more” e depois sacar um agudaço grito espeto “aaaaaaaah!”. Foda! Saudades...

Segue abaixo a versão do Live 8, o último (mesmo) momento do Pink Floyd em ação, em 2005, três anos antes do imortal Richard Wright morrer (foto). Emoção insolúvel. Muito obrigado, seus sacanas!




Comfortably Numb
(Roger Waters / David Gilmour)

Hello,
Is there anybody in there?
Just nod if you can hear me
Is there anyone at home?
Come on now
I hear you're feeling down
I can ease your pain
And get you on your feet again
Relax
I'll need some information first
Just the basic facts
Can you show me where it hurts

There is no pain, you are receding
A distant ship smoke on the horizon
You are only coming through in waves
Your lips move but I can't hear what you're saying
When I was a child I had a fever
My hands felt just like two balloons
Now I've got that feeling once again
I can't explain, you would not understand
This is not how I am
I have become comfortably numb

O.K.
Just a little pin prick
There'll be no more...aaaaaaaah!
But you may feel a little sick
Can you stand up?
I do belive it's working, good
That'll keep you going through the show
Come on it's time to go.

There is no pain you are receding
A distant ships smoke on the horizon
You are only coming through in waves
Your lips move but I can't hear what you're saying
When I was a child
I caught a fleeting glimpse
Out of the corner of my eye
I turned to look but it was gone
I cannot put my finger on it now
The child is grown
The dream is gone
And I have become
Comfortably numb.

.

Comentários

Mirdad disse…
Lembrei de uma fita K7 com algumas músicas do álbum Delicate Sound of Thunder (1988), que foi o meu primeiro vício em Pink Floyd. Como a fita de Bob Marley em 1995, ouvia sem parar, até acabar a pilha do walkman.

Isso foi em 1998, quando prestei meu primeiro vestibular (3o ano no extinto PhD), e eu me lembro que consegui driblar um fiscal, fazendo uma prova de redação inteira ouvindo essa bendita fita.

Comfortably Numb estava lá, era a preferida, e embalou minha sonora nota 10, grande destaque do ano.
Cebola disse…
Cara, eu conheci essa música num show da The Orange Poem no Tangolomango há alguna anos atrás. Você soube compartilhar o prazer de cantar aquela canção e até hoje ela me remete a uma atmosfera mágica das possibilidades de uma canção. Aquele abraço! Estou adorando essa série... hehe
Z, disse…
Cara, e a Orange Poem me deu oportunidade de fazer esse solo inúmeras vezes - E eu - que nunca decorei solo nenhum - tentava tocar pelo menos algumas notas do David Gilmour.

Desse disco, a melhor música, com certeza !

Mas eu sou apaixonado pelo Animals - Dogs e por Echoes.
Mirdad disse…
Grande Cebola! Porra, velho, que lembrança massa! Nem sabia, valeu!

E seu Zano, deixe de chiada, vc tocava a porra igualzinha!

Com certeza no meu ranking depois de CN vem Echoes e Dogs. E o Animals é muito foda!
Lobo disse…
ô mirdad, nem precisa enviar e-mail avisando das atualizações do seu blog. acesso todo dia. e seu blog tá muito massa, velho! parabéns! essa série das canções tá perfeita até agora: só pedrada! no caso do floyd, vejo o the wall como uma unidade de canções inseparáveis. claro que CN é impressionante, mas prefiro as viagens progressivas mais chapantes, como Echoes, Atom Heart Mother e Saucerful of Secrets.
Abraço!
Anônimo disse…
Caro Manú,
Salvar sua alma, ministrando doses precisas de Pink Floyd, na verdade, foi uma tarefa fácil.
Modéstia à parte, eu já sabia que iria conseguir. Era perceptível que você, assim como eu, repirava Pink Floyd, e, pelo visto, continua respirando. Os acordes da sua viola me diziam isso.
Aproveitando o ensejo:
"Breathe, breathe in the air
Don't be afraid to care"
Forte abraço.
Parabéns pelo blog.
Alan

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…