Pular para o conteúdo principal

Canções de Minha Vida: Natural Mystic

Bob Marley & The Wailers

Bob Marley & The Wailers foi o primeiro grupo que de fato fui fã. Costumava colocar o rádio no banheiro pra tomar banho curtindo um som. Era 1995, tinha 14 anos, e a promo da coletânea Legend 2 pôs Iron Lion Zion pra tocar na Transamérica FM, eu acho. Bastou alguns segundos da canção pra que eu pirasse no banho; dancei freneticamente, quase em transe mamulengo. Experiência esquisita, coisa de doido. Quando o locutor anunciou Bob Marley, iniciei uma obsessiva compulsão; passei a pesquisar, na medida do possível (o PC só chegou seis anos depois em minha casa), tudo que estivesse relacionado ao imortal rei do reggae. E o caro amigo Jackson Rogério gravou uma fita K7 com algumas músicas da coletânea Legend.

Essa fita resistiu bravamente. Tocava o dia inteiro, seja no rádio ou no walkman, e o ano de 1996 foi o mais autista de todos. Com 15 anos, batizei-me de Besouro Marley, e só ouvia Bob Marley & The Wailers o tempo inteiro, às vezes outros ícones do reggae também, além de ser ouvinte fiel do programa Cidade Reggae, com o hoje camarada Ataíde no comando. E todo mês gastava 50% da minha mesada comprando dois discos importados do rei na extinta Wine Music do Itaigara, a caríssimos R$ 25,00 (pra época, que um nacional custava no máximo $ 10/15) cada.

Quando finalmente ganhei um som que tocava CD (comprei quase toda a coleção de BMW e a guardava como jóias no armário, pois não tinha como ouvir), descobri, através do Legend 2, a canção Natural Mystic (originalmente lançada em 1977, no álbum Exodus).

Pra mim, é a canção maior do grupo Bob Marley & The Wailers, que possui a essência bruta do que é o roots reggae (o estilo do gênero que mais curto, o mais hipnotizante, meditativo e lombrador), em três fundamentos basilares:

a) o baixo gravão, com poucas notas, respirando nos espaços, que faz o ‘tum/duum_dum-dum’ pulsante que nos conduz a Jah;

b) a bateria ‘one drop rhythm’, marca do mestre Wailer Carlton Barrett, simples e genial, cymbal e caixa, pegada da paz ‘tss-tss/tá_tss-tss’;

c) teclado e/ou guitarra fazendo um ‘tchek’ singular, sem dobrar (que é bom, mas é mais elaborado), temperinho cuja função é ressaltar o pulso do baixo.

Além disso, tem os solos ‘bluesy’ de guitarra, lá no fundinho, em resposta aos versos cantados, e os metais sarcásticos, bem temperados, anunciando que a mística já está fluindo no ar.

Na letra, destaco esta passagem: “Quanto mais eu me pergunto, há mais questões a responder”.





Natural Mystic
(Bob Marley)

There's a natural mystic blowing through the air;
If you listen carefully now you will hear.
This could be the first trumpet, might as well be the last:
Many more will have to suffer,
Many more will have to die - don't ask me why.

Things are not the way they used to be,
I won't tell no lie;
One and all have to face reality now.
'Though I've tried to find the answer to all the questions they ask.
'Though I know it's impossible to go livin' through the past -
Don't tell no lie.

There's a natural mystic blowing through the air -
Can't keep them down -
If you listen carefully now you will hear.

There's a natural mystic blowing through the air.

This could be the first trumpet, might as well be the last:
Many more will have to suffer,
Many more will have to die - don't ask me why.

There's a natural mystic blowing through the air -
I won't tell no lie;
If you listen carefully now you will hear:
There's a natural mystic blowing through the air.
Such a natural mystic blowing through the air;
There's a natural mystic blowing through the air;
Such a natural mystic blowing through the air;
Such a natural mystic blowing through the air;
Such a natural mystic blowing through the air.

.

Comentários

Cebola disse…
Êa man! Que a mística seja sempre percebida em nosso despertar...

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…