Pular para o conteúdo principal

Vício: Dery - Salif Keita

Salif Keita

Quando estava produzindo o Especial de Sábado – Nouvelles Musiques de France, alguns meses atrás, conheci uma música do genial Salif Keita, chamada Dery, faixa 04 do álbum M'Bemba (2005). Desde então, faz parte do meu playlist e é o meu coringa quando estou abafado no trabalho. Esquentei a cabeça, vou no arquivo e busco Dery. Que toca no mínimo três vezes, desanuviando tudo, me imergindo de um deserto áfrico que desconheço, só sugiro. E essa sugestão me acalma e estimula a criatividade. É quando me sinto mais Elmir. Dery é a minha meota sonora.

Segundo a Wikipedia, “Salif Keita, nascido a 25 de Agosto de 1949, é um músico e cantor de Mali. Ele é único, não só devido a sua reputação de ‘A Voz Dourada de África’, como também pelo fato de ser albino e um descendente direto do fundador do Império Mali, Sundiata Keita. Esta herança significa que Salif Keita nunca deveria ser um cantor, que é uma função desempenhada por Griots. A sua música é uma mistura de estilos de música tradicional da África Ocidental, Europa e América e, no entanto, mantendo estilo de música Islâmica. Entre os instrumentos musicais mais utilizados por Salif Keita incluem-se balafons, djembês, guitarras, koras, órgãos, saxofones e sintetizadores”.

Salif Keita - Dery



Niye N'diyagne finye
Ni ye ne diye finye
Ni ye N'diyagne Koye
Ni bole N'diyafinna
Cherie Bo o bo a nala
Aye n'diye finye
Cherie bo o bo anala
Ale yarabini n'fana yarabila
An lone nara lone le bara na fa
N'diya namo barra na
Aba voyager abawa voyage la
Kelena kouma nale n'ma
Aba voyage nadon wara voyage djan na
Kelena tamaa nela maloyala
Aba voyage ondoni bara bouger
Na bougera na tara voyage la
Na an ma gnoniena ote ben
Je veux te cherche
N'Ma kono sa
N'Ma kono
je veux te trouve
An n'ma kono, n'ma kono, n'ma kono,
N'ma kono N'tena mena feou
Demoussou tigui lou Djonnin ye kounefe fa
N'ko Dembatigui lou N'kon djon koune fe N'fa
Demoussonin bebolo amalo ke min bata
Adibe mokolon ma adibe mossobe ma tegnaye
Fiba dounia yoro tegue donninke djonin yi kounnefe
N'diyanamo benin herelelo
Je veux te chercher
N'ma kono sa
N'ma kon An n'ma kono, n'ma kono, n'ma kono,
N'ma kono netena mena fewou
Ou va se marie
Je veux te chercher, je te trouver
On va se marie
Je veux te chercher
Niye N'diyagne finye
Ni tene diyagne kola
Ni ye ne diye finye
ni bolen N'diyagne finla
Cherie bo o bo aye
Aye n'diya nafin ye
Cherie bo o bo a bara na
n'diyanamo benin yerelelo
I bawa Bamako,
N'doni bawa Segou,
Ibawa Mopti, he bawa Kayes N'fa
N'diya namo fonga soro wodo
Ibawa karifa bougouya Ne diwa Karafibougouya
Ibawa kankan djelmandi ibawa kankan tala ndiwa
Ndiwa kankan kamasoro woto
N'na le sara kan to Kankan N'mala wili oma
Je veux te cherche
N'no no no no (repeat)
No no no N'teme
No N'teme voyage la
N'tenamena kile ton koyan
On va se marie
Je veux te chercher
N'Makono sa allah diyanamo N'kono
An makono makono Makono Makono N'tenamena fewou
N'ma kono Allah Diyanamo N'ma kono
yan Ma n'makono, n'makono, n'makono n'makono, n'makono
Je veux te chercher
je veux te trouver
No no no (Repeat)
On va se marie
An newato voyage las
Cherie nekembie tognola

.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…