Pular para o conteúdo principal

Pílulas: Parte 01 - Opinião, de Mãe Stella de Oxóssi

Mãe Stella de Oxóssi (foto: Iraildes Mascarenhas - interferida por Mirdad)


"Quando aponto um dedo para o outro, eu tenho quatro apontados para mim"


"Jorge Amado, ateu que acreditava em Oxossi ... foi escolhido como Oba de Xangô no Ile Axé Opo Afonjá. Ele foi para nós um Sacerdote "Ministro da Justiça", que atuou de maneira marcante, uma vez que foi através dele que o Candomblé passou a ser constitucionalmente visto como uma religião, o que fez com que seus adeptos não precisassem mais pedir licença à polícia para adorar Olorum - o Grande Criador - e os Orixás - as divindades auxiliares. Filho espiritual da saudosa Mãe Senhora, o deputado Jorge Amado, através de Osvaldo Aranha, entrou em contato com o então Presidente da República - Getúlio Vargas - que instituiu o decreto 1212, dando liberdade de culto ao conhecido "povo de santo". Xangô, orixá da justiça, que tem no número 12 uma forte simbologia, com certeza estava ao lado de Seu ministro"


"Muitas tradições só consideram que o homem é dono de si quando adquire controle sobre sua língua"


"Toda comunidade possui um bobo. Afinal, as verdades ditas por ele servem para que a autoridade máxima possa ser criticada e assim não se perca, por vaidade e orgulho, na utilização do poder que lhe foi conferido"


"Nunca imaginaria que se fala da vida alheia apenas pelo fato de não encontrar na própria vida temas interessantes o suficiente para serem dignos de registro, fazendo com que busque preencher o vazio de sua existência com emoções ainda mais vazias"


"Em primeiro lugar, ninguém deve afirmar nada para o outro, pois cada um tem sua verdade. Em segundo, penso que se todos creem em uma mesma coisa, com certeza é porque ela deve existir"


Mãe Stella de Oxóssi
(2012)


"Um amor recheado de cumplicidade ... que tinha poder e intimidade suficientes para fazer com que a troca de olhares falasse tanto quanto as palavras pronunciadas pela boca; um amor que todos buscam, mas que não necessariamente se preparam para encontrar, e que quando encontram dificilmente conseguem conservar"


"Foram tantas as perguntas ridículas, acompanhadas de respostas ainda mais ridículas, que foram embora todas as minhas certezas (para meu grande alívio, ufa!)"


"Impossível compreender o outro se não nos dispusermos a escutá-lo ... Para escutar verdadeiramente o outro, a atenção precisa estar concentrada, o coração livre de preconceitos e a alma aberta para generosidade ... Para que o outro realmente nos escute, é preciso que exista em nosso íntimo um real desejo de sermos compreendidos. Falar com o peito aberto, sem rodeios, sem receio de sermos mal interpretados, colocando as armas de defesa de lado, é fundamental. O silêncio é imprescindível para que se compreenda a comunicação do outro, mas é extremamente prejudicial quando se deseja ser compreendido. É terrível quando alguém acha que o outro tem obrigação de adivinhar seus sentimentos, sem que eles sejam expressos"  


"Grande parte dos que me procuram sente-se vítima de inveja. Engraçado é que nunca, nem um só dia sequer, alguém chegou pedindo-me ajuda para se libertar da inveja que sentia dos outros. Será que só existem invejados? Onde estarão os invejosos? E o pior é que quando consulto o oráculo e ele me diz que os problemas apresentados não são decorrentes da inveja, a pessoa fica enfurecida. Percebo logo que existe ali uma profunda insegurança, que gera uma necessidade de autovalorização ... o problema é que esse comportamento é uma constante"


"Nada adianta ficarmos relembrando o passado com saudosismo. É impossível pararmos a marcha do tempo. O melhor é respeitarmos o seu caminhar e nos adaptarmos a ele"


"Os jogos competitivos são manifestações de um instinto natural e necessário, que abriga outro - a agressividade - também essencial, mas extremamente perigoso. A bola é a mais simples e uma das mais importantes invenções do homem por permitir que essas duas tendências da natureza humana possam ser reveladas, trabalhadas e controladas"

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…