Pular para o conteúdo principal

Pílulas: A Descoberta do Mundo, de Clarice Lispector

Clarice Lispector (foto: Divulgação - interferida por Mirdad)




Parte I
Leia aqui

"O inalcançável é sempre azul"





Parte II
Leia aqui

"Tudo o que dá certo é normal. O estranho é a luta que se é obrigado a travar para obter o que simplesmente seria o normal"




Parte III
Leia aqui

"Se você se sente infeliz agora, tome alguma previdência agora, pois só na sequência dos agoras é que você existe"




Parte IV
Leia aqui

"O que chamo de morte me atrai tanto que só posso chamar de valoroso o modo como, por solidariedade com os outros, eu ainda me agarro ao que chamo de vida"



Parte V
Leia aqui

"O sentimento mais rápido, que chega a ser apenas um fulgor, é o instante em que um homem e uma mulher sentem um no outro a promessa de um grande amor"




Parte VI
Leia aqui

"Desculpem, mas se morre"




Release extraído do site da Rocco, editora do livro:

"
Uma Clarice Lispector “um pouco sem jeito” apresentava-se a seus leitores, em setembro de 1967, cerca de vinte dias após estrear como colunista do Jornal do Brasil. Esclarecia seu desconforto em escrever por encomenda, algo que fizera, na imprensa, anonimamente. “Assinando, porém, fico automaticamente mais pessoal. E sinto-me um pouco como se estivesse vendendo minha alma.” Ao longo dos seis anos seguintes, a escritora aproveitou aquele espaço das formas mais variadas: ela discutiu acontecimentos recentes, filosofou sobre a existência, tratou de acontecimentos cotidianos, falou de sua família e de suas angústias, e até antecipou trechos de seus romances inéditos. Esse vasto material foi reunido na coletânea de crônicas A descoberta do mundo, em 1984, e ganha agora, 25 anos depois, uma nova edição, que marca o início do relançamento das obras completas de Clarice Lispector em novo projeto gráfico, numa justa homenagem da Rocco à autora de A hora da estrela, que acaba de completar dez anos na casa.

Os textos revelam elementos da escritora reflexiva que tanto se preocupou com a essência da alma humana. As crônicas também mostram como ela se preocupava com o leitor, recusava a fama de hermética e desejava uma troca profunda com ele. Em vários trechos do livro, ela responde às cartas dos leitores, desfaz mal-entendidos, explica o que porventura não tivesse ficado claro em textos anteriores e até pede desculpas por ter escrito algo que tenha dado margem a interpretações erradas. Ao ganhar um prêmio por seu livro infantil O mistério do coelho pensante, ela se admira que consiga ser compreendida por crianças, mas que seja considerada “difícil” quando escreve para adultos.

A coluna não aponta para um caminho em linha reta. Numa semana, ela é claramente confessional e, na outra, comenta a própria obra. Apenas episodicamente a autora faz crônicas tradicionais, daquelas que tratam dos temas da atualidade. Como em suas obras literárias, Clarice Lispector a ocupou ora com contos ou pequenas novelas, ora com observações diversas sobre a vida ou relatos de episódios do dia a dia. Personagens de seu cotidiano mostram a riqueza de vidas totalmente diferentes da sua em crônicas como a que conta sobre um motorista de táxi sedutor ou a empregada que vai enlouquecendo a ponto de ser internada em um hospital psiquiátrico. As conversas com amigos ilustres, como Chico Buarque, que acaba de fazer sucesso com “A banda” é entremeada pela alegria dos filhos, meninos ainda, encantados com a mãe que conhece um astro em ascensão.

Mesmo resistente a relatos autobiográficos, Clarice Lispector deixa escapar fatos mundanos e muito pessoais em suas crônicas. Da descoberta do amor ao seu comportamento impulsivo, do ato de escrever à saudade, a autora se deixava entrever em suas histórias para o jornal. A maternidade, por exemplo, é tema constante nas crônicas. As recordações de infância e adolescência são afetuosas e calorosas, incluindo repetidas declarações de amor à literatura e às primeiras leituras de Monteiro Lobato, em menina.

A qualidade literária perpassa todas as histórias, das frases sucintas aos relatos mais detalhados sobre jantares e encontros, além de impressões sobre alguns personagens que atravessam toda a sua obra, inclusive a literária, como videntes, cartomantes, empregadas domésticas, crianças e velhos. Através de suas crônicas, Clarice Lispector pôde estabelecer um elo freqüente e sincero com seus leitores, apresentando sua obra para aqueles que ainda não a conheciam, ampliando o alcance de sua trajetória, semeando uma popularidade que, desde então, não parou de crescer.
"




Clarice Lispector
(Rocco - 2008)
480 pg
Preço médio: R$ 58,50

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…