Pular para o conteúdo principal

Vamos ouvir: Nuvens, de Fábio Haendel

Nuvens (2014) - Fábio Haendel




Não consegue visualizar o player? Ouça aqui

Release no facebook do artista:

"
Fábio Haendel é um artista múltiplo, originalmente das artes plásticas, formado pela escola de Belas Artes da UFBA, com experiência nas áreas de ilustração, design, animação e arte-educação. Filho do músico instrumentista Willy Haendel, tem em suas raízes o gosto pela música e, movido pelas criações de Bob Dylan, também se tornou cantor e compositor, participando de diversos festivais e eventos universitários. Possui mais de 70 composições e um Cd gravado, "O Dono do Tempo", de 2008. Em 2012, junto com Kátia Borges, Mariana Paiva, Nilson Galvão e Lígia Benigno criou o Sarau “Prosa e Poesia” e desde então vem aprofundando-se na pesquisa literária.

Fábio Haendel toca acompanhado da sua banda, formada pelos músicos Henrique Duarte (baixo), Estevam Dantas (piano e acordeon) e Saulo Tacio (percuteria), ao longo da carreira apresentaram-se em importantes casas como o 30 Segundos Bar (BA), Bar Balcão (BA), Café e Cognac (BA), Odeon Sabor e Arte (MA), Portela Café (BA), Sagarana Café-Teatro(MG), Palacete das Artes (BA), Casa de Tereza Arte, Gastronomia e Cultura (BA), Amsterdam music pub (MA), Barulhinho Bom (MA), Visca Sabor e Arte (BA), entre outros. Como resultado da pesquisa sobre a relação da poesia com música durante esses quase dois anos de Sarau “Prosa e Poesia” criou o show poético “Astronauta Andarilho”, com poesias musicadas de grandes poetas: Fernando Pessoa, Clarice Lispector, Hilda Hilst, Carlos Drummond de Andrade, Manoel de Barros, Guimarães Rosa, Vinícius de Moraes, Paulo Leminski, Ana Cristina César, Capinan, Kátia Borges e Damário da Cruz.

Foi selecionado esse ano para participar de duas antologias poéticas: editora Cogito e Sarau da Onça. Atualmente está finalizando o livro de poesias e ilustrações “Antes das Nuvens” e gravando o CD “Nuvens”. Realiza atividades e projetos com poetas/escritores baianos e com o grupo Teatro Griô.

CD Nuvens

1-Nuvens (Fábio Haendel)
2-Cada Cabeça (Fábio Haendel)
3-Curta Metragem (Nílson Galvão e Fábio Haendel)
4-Vestir despir (Fábio Haendel)
5- Sábios Blues (Nílson Galvão e Fábio Haendel)
6- Poemas Sonhados (Mariana Paiva e Fábio Haendel) – participação de Illy Gouveia
7- Beleza moça (Kátia Borges e Fábio Haendel)
8- Morro do submundo (Fábio Haendel)
Composições, voz, violão e gaita: Fábio Haendel
Cantora convidada: Illy Gouveia
Músicos:
Baixo- Henrique Duarte
Baixo acústico- Gil Meireles
Guitarra e violão- João Trevisani
Bandolim- Willy Haendel
Piano- Estevam Dantas
Bateria- Pedro Dantas
Percussão- Saulo Tácio
Trombone - Fabrício Dalla Vecchia
Trompete - Gil Mário Santos
Violino- Mário Soares
Produção Musical: Bráulio Passos
Assistente de Gravação : Dante Alighieri
Produção: Lígia Benigno
Capa:
foto- Andréa Magnoni
arte- Thiago Romero
contatos- (71)3018-6062/ 9272-0745
producao.fabiohaendel@gmail.com
"

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Pílulas: Provérbios, de Mãe Stella de Oxóssi

Mãe Stella de Oxóssi (foto: Iraildes Mascarenhas - interferida por Mirdad)

"Criar desculpas para os próprios atos é a melhor maneira de permanecer no erro"


"Quem está vinculado ao sagrado, não deve mentir em seu nome"


"Fé não se impõe"


"Quem desdenha dos defeitos alheios está exibindo os seus"


"Às vezes se precisa perder pouco, para não perder tudo"


"O caminho espiritual pode ser comunitário, porém é sempre solitário"


Provérbios Mãe Stella de Oxóssi (2007)

"O que o destino disser que é, ninguém terá força para dizer que não é"


"Saber morrer faz parte do saber viver"


"Não é sábio aquele que se acha sabido"


"A presença do 'se' mostra a impossibilidade de realização dos desejos"


O provérbio diz: "Não há Orixá como o estômago, pois recebe sacrifícios diariamente". Mãe Stella de Oxóssi interpreta: "O estômago é como uma divindade, precisa ser respeitado e cuidado"