Pular para o conteúdo principal

Cinco passagens de João Filho no livro Ao longo da linha amarela

João Filho (foto daqui)


"(...) a pose, sim, a pose, que é o emblema mais elucidativo da psique tupiniquim. Possuidores que somos dessa maldição inerente aos trópicos: a casca como sentido do supérfluo, a evidência do oco tido como essência última. (...) O mal comum – doméstico e público, vulgaridade que é força e não debilidade, feito erva ruim infensa ao jardineiro mais hábil – é que é a labuta mais ranheta. Adianta extirpá-lo pela raiz? O barro de que somos feitos é fértil demais para essa invulgar renitência. Convive-se. E alguns só pensam em podá-lo quando sua ramificação já se tornou intolerável para a fachada externa. A manada é cega para o matagal. (...)"


"Reto nesta cidade nem a linha do horizonte, minha cara. Não há salvação, é crescer e afundar. É tudo tão de quinta que o menos pior é sub-sub. (...) Marinho, o vento explicita o visguento que esta cidade cachorra é. Ladeiras cardíacas onde silvam, junto com o vento, rojões. Os fantasmas sanguissedentos, solitários sempre, nos ossos e baço. (...) o primordial planejamento desta urbe se deu em dois planos estratégicos para defesa e, nunca esqueçamos, massacre, pilhagem e fuga. Nós, humanos, somos interessantíssimos, avançar quase sempre é destruir. (...) O mapa-intestinal que sonhei lograr desimporta. Toda cidade é uma mesma cidade. O que somos não deixará de ser se mudar a paisagem."


"(...) uma solar manhã de domingo desperta algumas linhas da infância que valem o universo; o translúcido desse minuto que respira em tudo. São nesgas que seu espírito e suas pernas trabalham enquanto atravessa. Com toda frieza falha de sua lógica, ele sabe que é inegável: aquilo que apenas suspeitamos, mas é imprescindível para estarmos aqui. Todo negativismo bitolado em decadência é o que ele não quer mais, nem a náusea conceitual e interesseira, nem o enfado do seu século, nem a gula pelo número, nem as filosofias que antecipam, planejam e executam o terror."


"Se não me ocupo, me perco. Vou alinhavando esta trama pelos veios da Soterópolis pra ter algo parecido a sentido, mesmo que a ascese seja para os lados, horizontal, mas aplaca momentaneamente nossa sede de transcendência. Ocupação de certo modo nociva, porque foi pela hipótese que o maníaco que em nós mora queimou gerações (...) Zarpo num coletivo que veloz atravessa a urbe-labirinto que é inferno mais ou menos controlado; cidade a inchar não convulsa de todo ainda, metal-flux a dar contorno ao cimento armado que cresce em suas encostas, baldios, supersubúrbios; cidade banhuda (...)"


"Ao sair da infância (que ele, o mais novo, alongou ao máximo), se encontrou com o turbilhão das possibilidades girando dentro da sua inexperiente cabeça, ele fez sua escolha: a inércia. Não o culpem assim tão depressa, pois o turbilhão era tanto que o coitado ficou imóvel, o que é comum. (...) Meu neto povoou o mundo com seus pesadelos e foi admirado por isso. Se fez disso seu trabalho e subsistência, não podemos chamá-lo de tentativa de ordem, e sim de distribuição utilitária do caos. A negação semeia somente anomalia, não importa se para um indivíduo ou para milhões."





Presentes no livro de contos Ao longo da linha amarela (P55/2009), páginas 44-45, 32 a 35,
08-09, 19 e 10-15, respectivamente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…