Pular para o conteúdo principal

Seis passagens de Tom Correia no livro Memorial dos medíocres

Tom Correia (foto daqui)


"(...) Para quem quer escrever algo que não seja lixo é fundamental ter a consciência de que tudo, absolutamente tudo, já foi escrito. (...)"


"(...) Deitado no sofá, fixei o meu olhar numa pequena aranha prestes a atacar um inseto de asas marrons. A agonia da presa que se debatia nas teias invencíveis me deixou um tanto apreensivo. Pressenti que em breve eu me tornaria uma presa debatendo-se contra o inexorável: o fim. Pensei em agir com um deus, salvando o pequeno inseto no penúltimo instante. Desisti. Sabia que quando chegasse a minha vez, nenhum deus iria interferir no processo. Assistiria a tudo passivamente, talvez até divertindo-se, assim como todos os deuses devem fazer nessas horas."


"Todos os dias, passo seis horas da minha vida fazendo uma tarefa que às vezes considero infame: levo pessoas sem brilho e apáticas para cima e para baixo num edifício de arquitetura sem inspiração, caindo aos pedaços. Sou educado apesar de não ter diploma; sou educado apesar do salário, impronunciável como o mais feio dos palavrões. (...) Não consigo me ver como os outros me enxergam. Sou assim: meio eu, meio os outros, para não ser excluído da vida; sou assim: estranho modo de homem. Desprezo aquilo que mais desejo para tentar enganar o meu próprio destino. (...) Jamais faço planos. Improviso. (...) Ela suportou por pouco tempo o meu lidar com as coisas. E com as mulheres. Sumiu por uns tempos para reaparecer num dia inútil de terça. Grávida de um policial e carregando sacolas de compras. Da roupa velha, nem vestígios. Antes de sair do prédio e da minha vida, me deu um presente: um pacote de pilhas alcalinas."


"(...) Você já passou dos trinta e cinco e já abandonou todos os seus ideais, sonhos, planos, projetos de vida e está cansado de passar vexame sentindo o coração do tamanho de uma pulga quando ouve o barulho do carro da companhia de energia parar na sua porta. (...) Você está cansado, muito cansado mesmo de malbaratar todos os seus aparelhos eletrônicos comprados com sacrifício para pagar as contas do telefone bloqueado e precisa logo de qualquer coisa que possa ser chamada de emprego, de família, de casa. (...) Eles te deixam esperando uma, duas, oito horas numa angústia igual a de um condenado à solitária e quando você já esqueceu as respostas que teria de dar e da cara que tinha de fazer, eles te chamam para entrar na sala e o gerente mal olha para você, te faz um monte de perguntas que o especialista não previu e fica atendendo o celular a todo instante e ainda sai da sala te deixando mais solitário do que um filho único brincando de pega-varetas. (...)"


"Aquilo deixou Júnia entediada. Irritada. Atraída. Irritada porque atraída. Um encanador conhecer Brueghel era, além de improvável, inverossímel. Talvez Marcel conhecesse apenas aquele pintor; talvez ficasse apenas decorando nomes e quadros para impressionar seus clientes enquanto desentupia ralos e esgotos (...) Júnia recobrou sua lógica com avidez. O homem era muito observador. Era preciso cautela: "É, sim." Seca. Abrupta. (...) Marcel logo arrependeu-se do comentário. Voltou à sua tarefa. Dali em diante, apenas os barulhos característicos de uma pia sendo consertada num domingo."


"As canelas arrebentadas por uma dividida mal calculada. A coxa direita em sangue vivo por um carrinho mal aplicado. Dois dedos da mão esquerda com forte luxação. Tornozelos túmidos e brilhantes, mais do que doloridos. Intocáveis. Saldos de guerra. Guerra de estreia no quadrangular final. Um César Vaz estropiado e abatido largou o que restava do seu corpo cheio de lama, numa das cadeiras do vestiário, ainda em silêncio. Camisa suada no ombro. Lá de fora ouviam-se os olés da torcida acompanhando os passos do outro time. Limitado, mas brioso. (...) Ele, substituído, sofreu uma marcação inflexível do número cinco. Um tal de Lindóia, que em momento algum foi desleal. Sempre na bola, se antecipando. Não podia reclamar nem mesmo do juiz, figura discreta e precisa. Fato é que jogou mal, muito mal. A noite não havia sido fácil. Tunísia disse que ia embora. (...)"





Presentes no livro de contos Memorial dos medíocres (Fundação Casa de Jorge Amado/2002), páginas 71, 13-14, 45-49-50, 25-27, 22-23 e 54, respectivamente.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…